Filme de ação nacional, Tração é um desastre sem alma e carisma

Créditos da imagem: Divulgação

Filmes

Crítica

Filme de ação nacional, Tração é um desastre sem alma e carisma

Longa dirigido por André Luís tem boas intenções, mas não se encontra em mistura de gêneros

Omelete
3 min de leitura
03.07.2023, às 11H58

O cinema brasileiro é erroneamente diminuído quando comparado a filmes de Hollywood e outras praças tradicionais. O público que se acostumou a assistir a títulos envolvendo cifras estratosféricas e aventuras megalomaníacas como as de um Vingadores: Ultimato quase nunca dá chances a produções nacionais, sendo exceções óbvias as comédias “pastelão”. Por isso, é uma grande tristeza perceber que Tração, filme dirigido por André Luís, não será o filme que atrairá os mais céticos às salas de cinema.

Tração é um filme cuja premissa inicial chama a atenção pela curiosidade. A trama é situada no universo das competições de motocross, modalidade esportiva de pouco destaque nos jornais diários, mas que conta com um público fanático e movimenta as atrações do interior do país. Sem o mesmo incentivo financeiro de uma Fórmula 1, o motocross e seus personagens fazem de tudo para valorizar o cenário e entregar um espetáculo digno para quem os acompanha.

Dentro desta premissa está a equipe liderada por Ajax (Marcos Pasquim), piloto e lenda do motocross brasileiro. Veterano das pistas de terra, ele conta com o apoio dos parceiros Max (André Ramiro), Jessica (Paola Rodrigues) e Manoel (Maurício Meirelles), além da filha Isadora (Bruna Altieri). Promissor, o início mostra o protagonista encarando a idade avançada e o medo de deixar sua herdeira seguir o caminho das corridas - o mesmo que o fez perder a esposa, Tina, em um acidente.

A perda de Tina deixou uma marca na família e estragou a sua relação com o cunhado Nivaldo (André Luís), parceiro das pistas que nunca aceitou a morte da irmã. O que parecia ser um drama familiar no mundo das competições esportivas logo se torna um thriller de ação quando o milionário empresário DiMello (Nelson Freitas Jr.) convida a equipe de Ajax para participar de um novo campeonato de motocross patrocinado por ele. No entanto, como a vida (e o cinema) ensina, não existe almoço grátis neste mundo.

Obrigados pelo vilão a cometer um ato criminoso, a equipe de Ajax se vê em meio a tiroteios e perseguições de carros. Sem os mesmos recursos de Hollywood, a direção de André Luís faz de tudo para que as cenas de ação sejam empolgantes, com cortes rápidos e planos abertos que evidenciam a ousada estratégia de filmar nas madrugadas das ruas de Campinas e Hortolândia, no interior de São Paulo. O grande problema do longa é fazer tudo isso sem um pingo de carisma.

A tentativa de injetar drama e nuances em um filme que se propõe a ser apenas um thriller de ação envolvendo motocross impede que Tração encontre qualquer resquício de alma em suas quase duas horas de duração. As sugestões de que o roteiro investiria no atrito entre Ajax e Nivaldo, ou no sonho de Isadora de convencer o pai a deixá-la seguir os passos da mãe logo são deixadas de lado. O que resta são apenas cenas de perseguição vazias por uma missão sem fundamento, cuja explicação sequer é mencionada até que tudo esteja resolvido.

Ao atingir seu clímax, Tração está tão descaracterizado de sua impressão inicial que mais parece um filme B, daqueles que se encontra aos montes escondidos no vasto catálogo da Netflix. Nem mesmo as tensões criadas em seus momentos de ação convencem, com personagens baleados aparecendo sem riscos poucas cenas depois, e um veneno aparentemente mortal, mas que permite à vítima conduzir uma moto em alta velocidade sem qualquer dano à saúde.

Para um cinema rico em história e que sofre com a falta de recursos, é uma pena que Tração não seja o filme que fará com que o público brasileiro se orgulhe de seu legado. Pelo esforço de seu bom elenco em entregar uma história convincente, todos – equipe e espectadores – mereciam mais.

Nota do Crítico
Ruim
Tração
Tração
Tração
Tração

Ano: 2023

País: Brasil

Direção: André Luis

Elenco: André Ramiro, Nelson Freitas, Marcos Pasquim

Onde assistir:
Oferecido por

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a nossa Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.