Filmes

Crítica

Quem Quer Ser Um Milionário?

Danny Boyle em uma cármica aventura tragicômica indiana

Érico Borgo
26.01.2009
19h00
Atualizada em
05.09.2019
23h26
Atualizada em 05.09.2019 às 23h26

Quem Quer Ser Um Milionário? (Slumdog Millionaire, 2008) joga o anzol e puxa a linha logo no primeiro frame. Ele começa perguntando como um menino da favela conseguiu chegar ao topo do jogo televisivo que dá o título nacional do filme. Dá as alternativas. E logo em seguida já mostra o rapaz sendo brutalmente torturado. O público está fisgado. A resposta é tudo o que interessa.

Na sequência começam a surgir outros aspectos igualmente empolgantes do novo filme do cultuado cineasta inglês Danny Boyle (Extermínio, Sunshine). Enchem os olhos o visual de cores saturadas, a câmera na mão - veloz e inquieta -, e a montagem espertíssima, elementos cujos adjetivos aqui empregados podem ser transpostos às três crianças que o filme acompanha por uma monumental favela de Mumbai, India. Tudo embalado por uma trilha sonora moderna que mistura a música incidental A.R. Rahman com canções indianas contemporâneas e faixas ocidentais, como "Paper Planes", da M.I.A, que aparece em duas versões.

Quem Quer Ser Um Milionário?

None

Quem Quer Ser Um Milionário?

None

Quem Quer Ser Um Milionário?

None

Mas ao menos para os brasileiros deve surgir uma desconfortável má-impressão que se mantém ao longo de todo o primeiro ato. A pobreza é mostrada através de uma ótica que equilibra humor, drama e violência, o que lembra bastante nosso próprio novo clássico de exportação, Cidade de Deus. Felizmente, tal impressão é tão curta quanto a aparição de uma galinha correndo pela favela (juro que se a câmera a seguisse eu levantaria do cinema e iria embora, mas não foi o caso).

Essa idéia errada estende-se por todo o começo porque Boyle desvela seu filme com muita paciência, alternando cenas de um rapaz em três momentos. Conhecemos Jamal (Dev Patel) sendo torturado e entendemos os motivos da tortura na sequência: a polícia quer saber como foi que ele, alguém totalmente desprovido de qualquer educação, conseguiu chegar tão longe no programa Quem Quer Ser Um Milionário?. Seria o jovem um sortudo? Um gênio? Um trapaceiro? Para responder às perguntas da lei, Jamal conta a história de sua infância. Orfão muçulmano, ele cresceu ao lado do irmão Salim e da pequena Latika, por quem nutre uma paixão protetora desde pequeno. Cada personagem é interpretado por três atores ao longo do filme. Todos são cativantes - especialmente os pequenos - mas Dev Patel e Madhur Mittal destacam-se como Jamal e Salim na vida adulta. Já Freida Pinto, a Latika, se restringe a fazer o que deve: parecer linda feita um sari bordado a ouro.

O roteiro de Simon Beaufoy, que adaptou o romance best-selller indiano Q & A, de Vikas Swarup, no entanto, não é sobre dinheiro, mas uma história de amor e destino. Um impensável feel good movie cheio de lixo, violência e exploração - um inusitado filme-família brutal e ao mesmo tempo adorável, uma mistura perfeitamente homogênea do que seriam dois outros filmes de Boyle, Trainspotting e Caiu do Céu, se fossem feitos em Bollywood, o caricato maior mercado cinematográfico do mundo. E quando o plano do cineasta é revelado, em uma guinada de roteiro daquelas pra lembrar pra sempre, cada pedacinho da trama se encaixa, revelando um quebra-cabeça que é não apenas tudo o que já foi comentado aqui, mas também uma homenagem à India, ao seu cinema e, mais importante, às suas pessoas.

"Você queria uma visão da Índia verdadeira? Aqui está!", diz em determinada hora Jamal a um turista. Quem Quer Ser Um Milionário? é uma visão real do país, sim, mas carregada de toda a realidade que uma fantasia é capaz de criar.

Nota do Crítico
Excelente!