Filmes

Crítica

Crítica: Predadores

Robert Rodriguez e Nimród Antal fazem o feijão com arroz e recolocam a franquia no eixo

Marcelo Hessel
22.07.2010
16h17
Atualizada em
21.09.2014
14h05
Atualizada em 21.09.2014 às 14h05

Às vezes parece que as pessoas que mandam em Hollywood não têm, entre seus hobbies, o de ver filmes. Dá pra dizer muitas coisas sobre Robert Rodriguez, mas de filmes ele certamente gosta, como Predadores (Predators, 2010) comprova.

Da premissa à ambientação, tudo no filme produzido por Rodriguez e dirigido por Nimród Antal (Assalto ao Carro Blindado, Temos Vagas) evoca o filme de John McTiernan que deu origem à franquia Predador. A sorte de Rodriguez é que - ao contrário de Bryan Singer, que escolheu homenagear com Superman - O Retorno um filme que não combina com o niilismo de hoje - tudo no Predador de 1987 continua vigente.

predadores

None

predador

None

predators

None

A selva seria a mesma, não tivesse mudado de planeta. Na trama, um bando de mercenários é capturado e levado a um planeta para servir de caça. O filme de Antal faz referência ao original pelo menos duas vezes. Uma, irônica, quando as armadilhas feitas por um humano para pegar o alienígena não funcionam. A outra, funcional, para ajudar Adrien Brody, Alice Braga e companhia a entender quem os está caçando.

A repetição de situações do filme de 1987 é tamanha que não convém detalhar aqui, para não estragar o clímax do filme. O que vale dizer é que Rodriguez não apenas assistiu bastante a Predador como conhece também o cinema de ação dos anos 80. Ele e Antal pegam o que melhor funciona nessas tramas de horror de sobrevivência e replicam - é o feijão com arroz que Hollywood inexplicavelmente esquece por vezes.

A trilha sonora - com flauta, trombone e harpa, à moda antiga - ajuda a armar no começo um cenário sem pressa, afinal há muitos coadjuvantes a personalizar, e supre a carência de ação. A veia de catarse trash de Rodriguez tenta saltar às vezes (contra-plongée na cara de Danny Trejo dizendo "This is hell") mas se controla. Novamente, como no filme de 1987, é mais importante sinalizar a presença do predador (o rosnado, a mira laser tripla, o modo furtivo invisível, a visão de calor) do que colocar logo de cara as duas raças pra brigar.

As outras criaturas que Antal e Rodriguez desenvolveram para o filme têm participação tímida, em comparação com a glória de design pulp que é o predador. É preciso muito esforço mesmo para errar com ele. Aliás, a veneração ao design do bicho fica latente na primeira cena em que o predador aparece de corpo inteiro - imóvel, acorrentado, para que possamos reconhecer suas escamas, suas pinças, em detalhes. Nesse momento a homenagem se consuma.

De resto, o produtor inova, de fato, na escolha de Adrien Brody para ser o Schwarzenegger da vez. Evidentemente, há pelo menos 40 quilos de músculos e um Atlântico de sotaques separando os dois atores. E é esse ruído na nossa expectativa que torna Predadores diferente não só do original como de outros filmes do gênero - mas não muito.

No fundo é uma grande trapaça. O personagem de Brody é, em tudo, muito previsível: encaixa-se no arquétipo do anti-herói que não escolheu ser o líder, vira o rosto na hora certa para soltar suas frases de efeito, respira ofegante no momento decisivo. Só que Adrien Brody tem uma presença de cena tão ímpar, com seu biotipo franzino, que Predadores fica parecendo algo muito novidadeiro.

Obviamente, não é uma novidade. Rodriguez conseguiu convencer a 20th Century Fox a bancar a produção nos seus termos - Predadores foi rodado no quintal do cineasta, no Texas, bem longe dos engravatados - e recolocou a franquia no eixo. É uma vitória, sem dúvida, depois do pastiche dos dois AvPs, mas daqui a uns anos a memória do Predador-2010 tende a perder força diante do icônico Predador-1987.

Omelete entrevista Robert Rodriguez
Omelete entrevista Nimród Antal
Omelete entrevista Topher Grace
Omelete entrevista Adrien Brody

Saiba onde o filme está passando
Assista a clipes

Predadores
Predators
Predadores
Predators

Ano: 2010

País: EUA

Classificação: 14 anos

Duração: 107 min

Direção: Nimród Antal

Roteiro: Alex Litvak, Michael Finch

Elenco: Topher Grace, Alice Braga, Laurence Fishburne, Adrien Brody, Danny Trejo, Walton Goggins, Oleg Taktarov, Louis Ozawa Changchien, Carey Jones, Brian Steele, Derek Mears, Mahershalalhashbaz Ali

Nota do Crítico
Bom

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.