Filmes

Crítica

Crítica: Pacto Secreto

Terror formulaico e mal filmado é para quem se contenta com o fetiche

Marcelo Hessel
24.09.2009
16h00
Atualizada em
08.11.2016
05h00
Atualizada em 08.11.2016 às 05h00

Nada como uma fotografia granulada, película mais sensível à luz, câmera na mão e close-ups o tempo inteiro para fingir que uma história tem mais dramaticidade do que de fato oferece. Quem não se deixa levar pelas firulas tende a se enervar - mesmo porque o excesso de luz branca no suspense Pacto Secreto (Sorority Row), pra começo de conversa, mal deixa acompanhar a legenda direito. 

Por trás dos efeitos do diretor Stewart Hendler - que tem no currículo apenas um longa-metragem, de 2007, intitulado Whisper - há uma história trivial com desenrolar previsível. Na trama, releitura de The House on Sorority Row, de 1983, amigas de uma irmandade na faculdade decidem aplicar um trote no namorado que traiu uma delas. A brincadeira acaba mal, uma menina morre, elas desovam o corpo, juram segredo, agem como se nada tivesse acontecido... Mas de repente um maníaco, que sabe-o-que-elas-fizeram-no-verão-passado, começa a matá-las uma a uma. 

Pacto Secreto

None

Pacto Secreto

None

É a premissa de sempre, e até mesmo a ordem das execuções e dos arquétipos segue o esquema consagrado (a ninfomaníaca morre primeiro, a mais fraca descobre ser forte, etc.). Quem presta atenção no que significam certas imagens - como uma atenção desnecessária dada a certo coadjuvante, por exemplo - descobre antes da metade do filme quem é o assassino encapuzado da chave-de-roda. Já quem espera até o final para descobrir passa obrigatoriamente por todo o blablablá do juramento da irmandade e por subtramas capengas, como a do político. 

Ademais, existe algo de muito errado quando a atuação da aspirante a Paris Hilton Audrina Patridge fica no mesmo nível das "profissionais". Resta, como em muitos subprodutos semelhantes do gênero, apenas o fetiche. Universitárias de baby doll e botas, sangue que escorre de cima pra baixo e de baixo pra cima, mortes que se esforçam, no limite do verossímil, para serem criativas (a do luminoso refletindo na espuma de fato é bem sacada). 

No fim das contas, uma sessão de Pacto Secreto é aquele típico exercício de tolerância. A inépcia do operador da câmera (que estava fixa e começa a tremer do nada, quando o maníaco puxa o cabelo de uma das meninas, por exemplo) é tamanha que você pode deixar, indignado, a sala no meio da projeção. Mas os masoquistas podem se divertir com o jeito desengonçado que Carrie Fisher segura uma escopeta ou com a interpretação atormentada de Rumer Willis, a versão decotada de Bruce Willis. Gosto não se discute, muito menos o daqueles que se contentam com pouco.

Assista a clipes
Saiba onde o filme está passando

Pacto Secreto
Sorority Row
Pacto Secreto
Sorority Row

Ano: 2009

País: EUA

Classificação: 14 anos

Duração: 101 min

Direção: Stewart Hendler

Roteiro: Josh Stolberg, Pete Goldfinger, Mark Rosman

Elenco: Rumer Willis, Briana Evigan, Jamie Chung, Leah Pipes, Teri Andrzejewski, Adam Berry, Megan Wolfley, Robert Belushi, Marie Blanchard, Zack Garrett, Margo Harshman, Audrina Patridge, Matt O'Leary, Julian Morris, Debra Gordon, J. Matthew Miller, Carrie Fisher, Caroline D'Amore, Matt Lanter, Maxx Hennard, Ken Bolden, Ashtin Petrella, Rick Applegate, Nikki Moore, Deja Kreutzberg, Melissa Lukon, Chris Conroy, Justine Wachsberger, Joe Forgione, Kelly Dessoye, Katie Woolridge, Jeff Krajci, Joanna Waldsmith, Natalia Dove, Justin Tully

Nota do Crítico
Ruim