Filmes

Crítica

Crítica: O Garoto de Liverpool

Falta criatividade à cinebiografia de John Lennon adolescente

Marcelo Forlani
30.09.2010
12h55
Atualizada em
21.09.2014
14h08
Atualizada em 21.09.2014 às 14h08

Em uma visita guiada por Liverpool são obrigatórias passagens por Strawberry Fields, Cavern Club, o Liverpool Concert Hall e inúmeros outros lugares que se tornaram turísticos principalmente depois que quatro garotos nascidos ali naquela cidade portuária no norte da Inglaterra ganharam o mundo e ficaram conhecidos como os Beatles. Passados quase cinquenta anos do início do seu sucesso, não deve mais haver fatos sobre as vidas de John, Paul, George e Ringo que os fãs já não saibam. Mesmo assim continuam sendo lançados livros e filmes sobre eles.

O mais recente é O Garoto de Liverpool (Nowhere Boy, 2009), que biografa a adolescência de John Winston Lennon (1940-1980), entre seus 15 e 20 anos, época em que descobriu o rock n' roll, formou sua primeira banda (The Quarrymen) e conheceu Paul McCartney e George Harrison.

O Garoto de Liverpool

None

O Garoto de Liverpool

None

O Garoto de Liverpool

None

Mas o foco central da trama não está no relacionamento de Lennon com os colegas de banda, ou a criação de músicas que os tornaram famosos. A diretora Sam Taylor Wood prefere arriscar uma abordagem mais pessoal e traumática para o garoto, mostrando o relacionamento com Julia e Mimi, respectivamente a mãe que abandonou o menino e tia que o criou. Julia, que virou versos até que amorosos na época dos Beatles, também foi tema na carreira solo de Lennon, quando ele escreveu de forma bem direta a sua crítica: "Mother, you had me, but I never had you / I wanted you, you didn't want me" (Mãe, você me teve, mas eu nunca tive você / Eu queria você, mas você não me quis). Já Mimi é referenciada em qualquer obra sobre a história dos Beatles como a mulher que deu a Lennon a sua primeira guitarra.

Mas isso não quer dizer que a vida do garoto sempre foi rosas com a tia e espinhos com a mãe. O filme mostra justamente o contrário no seu começo. Assim que Lennon descobre que sua mãe biológica mora perto de sua casa, ele vai bater à sua porta. Antes de mais nada, ele quer entender o que aconteceu, solucionar o quebra-cabeças criado pela sua memória de criança. Passado o choque inicial, os dois começam a sair juntos, e Julia o ensina a tocar os primeiros acordes no banjo e o significado de rock 'n roll ("quer dizer sexo", ensina). A relação é bastante estranha, com sinais de depressão e até insinuações incestuosas. Do outro lado, Mimi sofre com a perda do marido e a possibilidade de ver o menino que criou como seu próprio filho voltar a sofrer quando sua impulsiva irmã o abandonar de novo.

Paralelo a tudo isso, o rock 'n roll vai entrando na vida de Lennon. Primeiro com disquinhos de vinil, depois com seu violão e por fim com suas bandas e um dos mais importantes ingredientes para um bom roqueiro: o sofrimento.

Não encare o filme como uma obra definitiva sobre a vida do futuro Sr. Yoko Ono, mas use-o como atalho para entender quem é aquele garoto que alguns anos mais tarde diria que os Beatles eram mais populares que Jesus Cristo. Aaron Johnson (o Kick-Ass) tem momentos em que consegue reproduzir o jeito metido e o sotaque de Lennon, mas não consegue dar ao filme o diferencial que o afastaria de inúmeros outros filmes biográficos apenas corretos. O Garoto de Liverpool parece um verbete de enciclopédia: apresenta os fatos, as datas, mas lhe falta criatividade artística, algo que John sempre teve de sobra.

Assista ao trailer

Nota do Crítico
Bom