Filmes

Crítica

Crítica: Nine

Musical tem boas performances, mas roteiro fraco

Carina Toledo
28.01.2010
19h00
Atualizada em
05.11.2016
09h00
Atualizada em 05.11.2016 às 09h00

Nine (2009) tem em sua composição ingredientes poderosos: sete belíssimas e talentosas atrizes, Rob Marshall como diretor - cujo musical Chicago foi premiado com 6 Oscars - e uma premissa inspirada por um dos grandes clássicos da sétima arte. No entanto, o prato que sai do forno acaba meio sem sal.

Em referência ao 8 1/2 de Federico Fellini, temos o cineasta Guido Contini (Daniel Day-Lewis) e as mulheres de sua vida, a quem ele recorre em busca de inspiração. No entanto, as semelhanças com o filme de 1963 param por aí. Tudo que é poesia nas mãos de Fellini vira obviedade em Nine. Enquanto no clássico italiano entendemos que o personagem está em crise criativa sem que ele nos diga isso em palavras uma única vez, em Nine logo nas primeiras frases Guido agoniza, em uma tentativa de escrever um roteiro, e diz "Página 1, página 1, página 1... Página nada".

Nine

None

Nine

None

Nine

None

Na trama, Guido é um cineasta italiano considerado genial, mas cujos últimos filmes foram fracassos de crítica e público, o que faz aumentar ainda mais a pressão e a expectativa sobre seu próximo projeto, que por enquanto tem apenas um título: Italia. O fato de não existir um roteiro é simplesmente ignorado pelo estúdio e pelo produtor Dante (Ricky Tognazzi), que já estão produzindo cenários e promovendo o novo filme junto à imprensa. Os jornalistas, por sua vez, o atacam ferozmente em uma coletiva de imprensa com perguntas demasiado sinceras e incisivas - "Será que o maestro já não tem mais o que dizer?".

O roteiro inexistente de Italia faz contraste à profusão de mulheres à volta de seu diretor. Temos sua sensual amante Carla (Penélope Cruz, linda como sempre) que precisa de atenção e a anulada esposa Luisa (Marion Cotillard), com quem ele egocentricamente tenta sustentar um casamento, mas sem sucesso. Na mistura também entram Nicole Kidman, que vive a atriz e musa inspiradora Claudia, cuja paixão pelo cineasta não é correspondida; e a atirada jornalista Stephanie, interpretada por Kate Hudson e cujo número musical é um dos mais contagiantes.

Como se mulheres de carne e osso não bastassem, Guido também busca na memória a lembrança da prostituta de sua adolescência Saraghina (Fergie) e o fantasma de sua falecida mãe (Sophia Loren). Mas é na figurinista Lilli (Judi Dench, ótima) que Guido busca alento, alguém para lhe passar a mão na cabeça, mesmo sabendo que está errado.

Chega a ser irritante a opção do roteiro em mostrar o personagem indo de uma mulher a outra em busca de uma solução - como se uma delas pudesse entregar-lhe um roteiro prontinho e genial - e ainda assim não aprender nada. A cada encontro o personagem permanece o mesmo, com os olhos focados em seu problema, em vez de aproveitar as possibilidades ao seu redor. Se olharmos para o Guido interpretado por Marcello Mastroianni, vemos ali um cineasta sem rumo, mas um homem seguro e plenamente consciente de que não há um roteiro - tentando encontrar uma saída e forte o suficiente para admitir que talvez ela não exista. Já o Guido de Day-Lewis é um menino inseguro, desesperado com a situação em que se encontra, precisando do colo da mãe.

O filme também tem seus méritos, é claro. Para quem gosta de uma boa fotografia e lindos figurinos burlescos, aqui temos um armário cheio. Outra coisa que agrada é a maneira como os números musicais são inseridos na história. Ao invés daquele momento constrangedor em que o personagem, no meio de uma frase, simplesmente irrompe em canção, Nine restringe a maior parte das cenas musicais à imaginação de Guido e aos palcos - lugar perfeito para as lingeries exóticas e cantoria performática.

O problema de Nine é a inconstância. O filme alterna momentos totalmente medianos e enfadonhos com outros incríveis, em que os atores entregam ótimas performances. O mesmo vale para os números musicais, com destaque para "Folies Bergère", com Judi Dench, "Be Italian", com a Fergie, e "Cinema Italiano", com a Kate Hudson - que quase dá vontade de levantar no meio do cinema e dançar junto.

Somados a esse desquilíbrio dramático, temos também a irritante necessidade hollywoodiana de consolar a plateia e dizer ao público que vai ficar tudo bem. Como cinema, Nine não é dos melhores. Mas se você é fã de musicais pelas canções e apresentações, pode aproveitar melhor.

Nine
Nine
Nine
Nine

Ano: 2009

País: EUA

Classificação: 14 anos

Duração: 112 min

Direção: Walter Boos

Roteiro: Günther Heller

Elenco: Puppa Armbruster, Sandra Atia, Ulrich Beiger, Astrid Boner, Siggi Buchner, Kurt Bülau, Marianne Dupont, Flori Endlicher, Jürgen Feindt, Walter Feuchtenberg, Peter Hahn, Angelika Hefner, Gina Janssen, Uschi Karnat, Carina Kreisch, Ruth Küllenberg, Heiner Lauterbach, Eva Leuze, Rosl Mayr, Claus Obalski, Ursula Reit, Ursula Maria Schaefer, Werner Singh, Uli Steigberg, Christine Szenetra, Claus Tinney, Dagobert Walter, Elisabeth Welz

Nota do Crítico
Bom