Filmes

Crítica

Crítica: Distrito 9

Sci-fi politizada tem efeitos de profissional e narrativa de amador

Marcelo Hessel
28.09.2009, às 00H00
ATUALIZADA EM 21.09.2014, ÀS 13H53
ATUALIZADA EM 21.09.2014, ÀS 13H53

A moda de usar a linguagem dos documentários para expor com didatismo uma premissa ficcional impregna Distrito 9 (District 9) desde o começo. Especialistas em urbanismo, jornalistas investigativos e âncoras de jornal explicam picado e moído tudo o que está acontecendo em Joanesburgo - se é que tem alguém a essa altura que ainda não saiba.

O caso é que alienígenas que parecem uma versão crustácea do Dr. Zoidberg de Futurama caíram na Terra. Caíram, não, porque a nave-mãe plana sobre a África do Sul - mas aprendemos logo que o OVNI está estacionado ali e em 20 anos jamais saiu. Os ETs com o tempo foram sendo instalados num distrito da cidade, que logo virou favela. A eles foi dado o apelido pejorativo de prawns, camarões.

distrito 9

None

distrito 9

None

distrito 9

None

Em duas décadas a situação ficou incontrolável, e cabe à versão fictícia da ONU, a MNU, desalojar os camarões e transferí-los para um campo de concentração para conter a raiva e o medo dos sul-africanos humanos. O problema se agrava quando o encarregado da missão, Wikus Van De Merwe (Sharlto Copley), que tentava entregar a ordem de despejo a um dos alienígenas, entra em contato com um estranho líquido viscoso... E aí já viu.

Seria sacanagem detalhar mais o desenrolar da história - mesmo porque já bastam as explicações e os comentários constantes que o roteiro de Terri Tatchell (coescrito pelo diretor Neill Blomkamp) nos impõe. Se a nave se move, logo aparece uma repórter dizendo: "A nave se moveu!". Se o herói está em fuga e não tem para onde ir, o áudio do comentarista entra para repetir: "Ele não tinha para onde ir!".

Juro que não é implicância; beiram o insuportável esses textos em off reiterando o que a imagem já diz. Isso se agrava porque há dois tempos e dois níveis de comentários, simultâneos: o factual (a transferência dos camarões é acompanhada pela cobertura jornalística) e o documental (os especialistas relembrando, do futuro, todo o caso de Wikus). É didatismo demais, não dá.

E é um didatismo desnecessário, porque o filme está longe de ser críptico ou de precisar de manual. Pelo contrário, ele opta por uma estrutura de rumos e viradas consagrada: temos um herói que despreza seu inimigo e de repente se vê forçado a se colocar no lugar desse inimigo. Seus aliados não eram quem ele pensava, veja só. É a metáfora política-humanista para iniciantes: nada como fazer as pessoas provarem do próprio preconceito para que elas percebam como antes eram preconceituosas.

Claro, além de saber que Distrito 9 lida com metáforas politizadas (o longa não foi rodado numa reprodução do Soweto por acaso), você já deve saber que os efeitos são o grande destaque. Isso não é preciso repetir. A casa de pós-produção de Peter Jackson faz milagre com alegados 30 milhões de dólares de orçamento, só para provar que seu protegido, o estreante Blomkamp, tinha talento para dirigir o filme de Halo que não aconteceu.

A questão é: de que adianta dispender criatividade e dinheiro pensando no design das criaturas, dos robôs, das naves e das armas se os personagens e os seus arcos são sempre os mesmos? Sogro militar malvado, soldado brutamontes que é guardado para ser o chefão de fase, mártir que dá meia-volta para salvar o amigo... Tudo isso você está cansado de ver, não importa a embalagem (embora os olhos da mutação sejam bem legais...).

Fãs de boa ficção científica, e fãs de Halo, merecem mais do que essa demonstração juvenil (com trilha de comentário) de um Resident Evil 5 de baixo orçamento.

Leia mais críticas do Festival do Rio 2009

Distrito 9
District 9
Distrito 9
District 9

Ano: 2009

País: EUA

Classificação: 14 anos

Duração: 112 min

Direção: Neill Blomkamp

Elenco: Sharlto Copley, Jason Cope, Nathalie Boltt, Sylvaine Strike, Elizabeth Mkandawie, John Sumner, William Allen Young, Nick Blake, Greg Melvill-Smith, Robert Hobbs, Vanessa Haywood, Kenneth Nkosi, Morena Busa Sesatsa, Themba Nkosi, Mzwandile Nqoba, Barry Strydom, Jed Brophy, Louis Minnaar, Marian Hooman, Vittorio Leonardi

Nota do Crítico
Regular

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.