Filmes

Crítica

Crítica: Dente Canino

Grego premiado é feito para quem gosta de apanhar de filmes na cara - literalmente

Marcelo Hessel
01.11.2009
00h00
Atualizada em
21.09.2014
13h54
Atualizada em 21.09.2014 às 13h54

Dá pra xingar o grego Dente Canino de tudo, menos de ser dissimulado. Eleito melhor filme da mostra Um Certo Olhar do Festival de Cannes deste ano, o trabalho de estreia do diretor Yorgos Lanthimos não esconde que faz cinema para sadomasoquistas. Na verdade, deixa isso tão claro que uma cena até envolve uma surra com fita VHS. Metáfora fina.

A trama é uma provocação contra quem acha que games, cinema, TV - o mundo, enfim - ajudam a corromper as pessoas. Três filhos adultos, um rapaz e duas mulheres, são mantidos em casa por seus pais como se fossem detentos. A ideia é lhes preservar a inocência. Na TV, só assistem aos filmes caseiros que a família faz. Na vitrola, o pai apresenta Sinatra como sendo o avô dos meninos, e traduz para o grego a letra de "Fly me to the Moon" como bem entende.

dente canino

None

dente canino

None

E é isso, em resumo. Lanthimos passa o filme subindo ou diminuindo, com intentos de chocar ou fazer rir, o nível de absurdo dessas situações. Os filhos matam um gato porque nunca tinham visto um bicho daqueles, desejam que aviões caiam no jardim para colecioná-los, brincam com água como crianças de fato. E evidentemente a curiosidade inata dos filhos uma hora dá em merda...

Dente Canino é uma versão acrítica de A Vila. Melhor dizendo, é uma versão escrachada de Dogville - a proximidade do cinema de Lanthimos com o de Lars von Trier é maior, e não está só na semelhança dos títulos. Os dentes caninos têm uma certa importância para a trama, mas sua imagem é inicialmente simbólica - dentes caninos são triangulares, pontudos, afiados, porque foram projetados há gerações para rasgar carne. O que o pai da família de Dente Canino está tentando fazer, de novo metaforicamente, é transformar sua gente carnívora em bebedores de leite.

De novo, um simbolismo que só reafirma uma proposta inicial. Esse é o grande problema do filme: sua provocação, além de reiterativa, tem alcance curto (e passa por clichês do Estado repressor, como as roupas todas brancas). Como na cena em que o treinador de cachorros explica que eles são amestrados "como queremos que eles se comportem". Ora, o filme já está batendo nessa tecla desde o começo... Não há uma evolução de ideias, mas uma reafirmação de premissa e uma graduação de tolerâncias. Sadismo puro e simples.

No fim, o cinema, representado pelo citado VHS, interpreta um papel de catalisador da anarquia. É curioso que Lanthimos o enxerge assim, e é o tipo que cinema que ele almeja. Em Dente Canino, filmes são tratados como dados pré-existentes, objetos fechados, que desde sempre foram uma marca de rebeldia. O erro do diretor é não entender que o cinema, para se tornar rebeldia, primeiro precisa passar por um processo de reflexão.

Leia mais críticas da Mostra 2009

Dente Canino
Kynodontas
Dente Canino
Kynodontas

Ano: 2009

País: Grécia

Classificação: 16 anos

Duração: 96 min

Direção: Giorgos Lanthimos

Elenco: Hristos Passalis, Aggeliki Papoulia, Mary Tsoni, Christos Stergioglou, Michele Valley, Anna Kalaitzidou, Steve Krikris, Sissy Petropoulou, Alexander Voulgaris

Nota do Crítico
Regular

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.