Filmes

Crítica

Crítica: Confissões de uma Garota de Programa

Filme reúne Steven Soderbergh, vencedor do Oscar por Traffic em 2001, e a atriz pornô Sasha Grey

Cíntia Bertolino
13.08.2009, às 00H00
ATUALIZADA EM 02.11.2016, ÀS 17H04
ATUALIZADA EM 02.11.2016, ÀS 17H04

Steven Soderbergh queria uma garota diferente para seu novo projeto. Encontrou o que procurava, a protagonista perfeita para Confissões de Uma Garota de Programa (The Girlfriend Experience, 2009), num perfil publicado em 2006 na revista do jornal Los Angeles Times. A moça em questão tinha 18 anos e uma incipiente carreira de atriz pornô.

Alguns meses, e dezenas de filmes depois, a história era outra: Sasha Grey passou de desconhecida a estrela consagrada. Soderbergh adorou a pornstar jovem, bonita e competente que circula com igual desenvoltura tanto por sets eróticos quando pelo universo pop. Ela gosta de música, graphic novels e adora cinema. Entre seus favoritos estão Herzog, Cassavetes e Truffaut. Chegou a pensar em adotar como pseudônimo Anna Karina, nome da ex-mulher de Godard e protagonista de vários de seus filmes, como Alphaville (1965).

Confissões de Uma Garota de Programa

None

Confissões de Uma Garota de Programa

None

O diretor não pestanejou: marcou um encontro pelo MySpace e a convidou para estrelar o filme.

Essa pequena digressão se faz necessária por um motivo bastante simples. Não fosse o diretor ser quem é e a protagonista despertar tanta curiosidade, é possível que Confissões de Uma Garota de Programa passasse batido, perdido na programação de algum festival independente.

Rodado em poucas semanas, com um elenco todo formado por não-atores - a exemplo do crítico de cinema Glenn Kenny no papel do reptílico The Erotic Connoisseur -, o filme acompanha alguns dias na vida de uma garota de programa high class, vivida por Sasha.

Chelsea não é simplesmente uma moça que se pague para uma ou duas horas de sexo. Ela oferece a "experiência de uma namorada", sutileza que o título em português fez questão de ignorar. Quando sai com um cliente, ela se veste bem, e de maneira discreta, conversa com seus acompanhantes, ouve as queixas, ri das piadas... Sexo parece ser apenas uma conseqüência.

Para ela, receber para transar é só mais uma profissão. E assim também parece pensar seu namorado. Mas essa vida aparentemente equilibrada está prestar a entrar em colapso. Chelsea se interessa por um cliente. Que se interessa por ela. Ou assim parece.

Confissões é um filme curiosamente experimental, dirigido por um cara que já ganhou um Oscar, é preciso lembrar. Meio irregular é verdade, com cenas que beiram o enfadonho, outras vividamente interessantes - especialmente para quem está familiarizado com a "outra" carreira de Sasha.

Os atores, a despeito da inexperiência, saem-se bem e como num conto moral, Soderbergh recorre à experiência do veterano ator pornô Jamie Gillis para ensinar à Chelsea, e ao público, um fato da vida: "A splendid time is absolutely not guaranteed for all", diz ele no clássico x-rated The Opening of Misty Beethoven (1976).

Saiba onde o filme está passando

Confissões de uma Garota de Programa
The Girlfriend Experience
Confissões de uma Garota de Programa
The Girlfriend Experience

Ano: 2009

País: EUA

Classificação: 14 anos

Duração: 78 min

Direção: Steven Soderbergh

Roteiro: Brian Koppelman

Elenco: Sasha Grey, Chris Santos, Peter Zizzo, Timothy J. Cox, Timothy Davis, Jeff Grossman, Ted Jessup, Kimberly Magness, Ken Myers, Bridget Storm

Nota do Crítico
Bom

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.