Filmes

Crítica

Crítica: Apenas o Fim

Longa-metragem universitário faz um belo retrato de uma geração

Marcus Vinícius de Medeiros
10.10.2008
11h00
Atualizada em
21.09.2014
13h41
Atualizada em 21.09.2014 às 13h41

Ninguém no país havia feito algo assim antes. O cineasta, roteirista e diretor Matheus Souza, de uma conhecida universidade da Zona Sul no Rio de Janeiro, mesclou todos os melhores elementos da cultura pop da última década, a vida real de uma geração, e colocou-os em Apenas o Fim (2008), filme que levou o prêmio do público e uma menção honrosa do júri no Festival do Rio.

Há influências de Nick Hornby (Alta Fidelidade), Kevin Smith (O Balconista), Cameron Crowe (Quase Famosos), Jamie S. Rich (10 Razões para amá-la), Chinna Major (Blue Monday) e Hopeless Savages (quadrinho indie da Oni Press), entre outras obras que marcaram época e retrataram o espírito de seu tempo.

Apenas o Fim

None

São discussões entre um estranho casal de jovens que enfrenta aquele período da uma universidade, com espaço de sobra para conversas sobre Cavaleiros do Zodíaco, o desejo de ver Britney Spears pelada e até - veja só! - o Omelete. Sim, este site que você lê! Matheus Souza é omelenauta veterano.

O que Apenas o Fim divide com as obras citadas, mais que as referências, é a vontade de retratar uma geração de brasileiros que foi diretamente influenciada pela cultura pop. A trama central envolve os estudantes de cinema Adriana (Érika Mader) e Antônio (Gregório Duviver). A relação amorosa é temperada por paixão, dor e sentimentos ambigüos. Tudo dotado de um realismo que faz com o que espectador sinta-se o próprio protagonista, questionando as cenas do casal enquanto ele discute se Transformers é, de fato, o melhor filme de todos os tempos.

A dramaturgia funciona. Os dois atores fazem seu trabalho com competência, provam seu valor e não dão espaço para questionamentos. Eles assumem papel maior do que o de protagonistas num filme que redefine a cultura pop no Brasil e muda as regras do jogo, representando cada jovem que viveu e sentiu cada momento daqueles.

A exibição do filme no Festival do Rio foi mais que uma epifania e a reação do público a cada cena será lembrada. Matheus Souza falou por toda uma geração. E que este não seja, como sugere o título, Apenas o Fim, mas sim o começo.

[Nota dos Editores] O Omelete agradece publicamente a citação no filme, algo que nos enche de orgulho, e parabeniza o realizador pela merecida conquista.

Apenas o Fim
Apenas o Fim
Apenas o Fim
Apenas o Fim

Ano: 2008

País: Brasil

Classificação: 12 anos

Duração: 80 min

Direção: Matheus Souza

Elenco: Gregório Duvivier, Érika Mader

Nota do Crítico
Excelente!

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.