Filmes

Crítica

Crítica: A Paixão de Cristo

A Paixão de Cristo

Marcelo Hessel
18.03.2004, às 00:00
Atualizada em 21.09.2014, às 13:15
Atualizada em 21.09.2014, às 13:15

Líder de uma comunidade é perseguido e parte ao sacrifício em nome de suas idéias. Com o martírio e a redenção, vê então crescer o número de arrependidos e seguidores de seus valores morais. A premissa diz respeito, claro, às doze horas finais de Jesus, o calvário revisto em A Paixão de Cristo (The Passion of The Christ, 2004), de Mel Gibson. Mas ela não é um privilégio bíblico.

Só na antologia do próprio ator e diretor, por exemplo, são encontrados pelo menos dois filmes baseados no mesmo princípio do herói martirizado: em Mad Max 2 - A caçada continua (Mad Max 2: The road warrior, 1981) ele vive um ex-policial que coloca a própria pele em risco ao liderar pessoas inocentes contra o abuso de motoqueiros bárbaros; em Coração valente (Braveheart, 1995), literalmente, troca a vida pela liberdade dos escoceses que comandou contra a dominação inglesa no século XIII.

A Paixão de Cristo

None

A Paixão de Cristo

None

A Paixão de Cristo

None

O que tudo isso quer dizer? Que trata-se de um tema universal, vastamente trabalhado na literatura e no cinema. Assim, não parece absurdo propor uma resenha de A Paixão de Cristo (The Passion of The Christ, 2004)  sem recorrer às comparações sistemáticas com passagens das Escrituras. Esqueça também a reação das bilheterias, o barulho dos religiosos, a polêmica do pai Hutton Gibson e a influência do Espírito Santo sobre o diretor. Analisar o filme como uma obra fechada e independente do contexto histórico ajuda a evitar algumas dessas armadilhas de interpretação. E ajuda também a identificar algumas de suas fragilidades formais.

Cinquenta minutos

Primeiramente, Gibson confunde senso comum com negligência de informação: o que é de domínio público e o que o roteiro deve nos fornecer para não soar superficial. Fica difícil, por exemplo, para quem não conhece a Virgem Maria, a prostituta Madalena e o evangelista João, saber se Maia Morgenstern, Monica Bellucci e Hristo Jivkov têm alguma importância na trama além da mera figuração. No caso do último, que entra mudo e sai calado, descobrir quem ele interpreta é inviável.

Não é um pormenor. Em qualquer história de mártires, é preciso que entendamos a influência do homem sobre os seus seguidores para que também nos envolvamos emocionalmente com a sua causa. Para isso existem os coadjuvantes, afinal! E por mais que o Cristo vivido por James Caviezel se esforce, a função edificante de A Paixão começa a perder força aí, quando o trabalho dos personagens secundários não vai além do choro interminável.

Pior. Do lado dos malvados, o desempenho é igualmente inconvincente. Se Gibson foi taxado de anti-semita, isso se deve à caricatura extrema que envolve o retrato dos judeus. Nunca fica claro o motivo de tanto ódio por parte dos sacerdotes fariseus, em especial Caifás (Mattia Sbragia), e alguns segundos bastam para demonstrar a maneira enviesada com que a corte de Herodes é caracterizada. Esse maniqueísmo que Gibson insiste em promover impossibilita o realismo que ele diz assumir. Não basta todo mundo falar aramaico. Ainda faltam as necessárias explicações e sobram os clichês.

Evidencia-se, a essa altura, outro grande problema da película: a gratuidade. Sim, a violência é exagerada, explícita, ostensiva por longos cinquenta minutos. É preciso ter estômago forte. Mas vísceras expostas não seriam um problema, se a câmera não focalizasse carrascos lambendo os beiços e esbaforidos de satisfação. Com essas opções duvidosas, A Paixão chega, assim, a flertar também com o sadismo. Coisas que tornam a sessão um suplício para quem não simpatiza, de cara, com a via-crúcis de J.C.

Daria para prosseguir, dizer que Gibson minimiza as lições de amizade, perdão e esperança presentes na Bíblia e prioriza a questão do flagelo. Daria, a partir daí, para levantar uma comparação com os tempos fundamentalistas atuais, quando a religião - qualquer religião - parece ter perdido seu caráter humanista e preservado somente a idéia de devoção cega e sacrifício suicida. Mas este texto se propôs a uma análise formalista. Já é o bastante.

A Paixão de Cristo
The Passion of the Christ
A Paixão de Cristo
The Passion of the Christ

Ano: 2004

País: EUA

Classificação: 14 anos

Duração: 126 min

Direção: Mel Gibson

Elenco: Jim Caviezel, Maia Morgenstern, Christo Jivkov, Francesco De Vito, Monica Bellucci, Mattia Sbragia, Luca Lionello, Hristo Shopov, Claudia Gerini, Fabio Sartor, Rosalinda Celentano, Toni Bertorelli

Nota do Crítico
Ruim

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.