Filmes

Crítica

Crítica: 500 Dias com Ela

Filme indie hollywoodiano do ano subverte o subgênero "menino conhece menina"

Érico Borgo
25.09.2009
11h00
Atualizada em
21.09.2014
13h52
Atualizada em 21.09.2014 às 13h52

A fundação sobre a qual todas as comédias românticas se ancoram é o clássico "boy meets girl" - o "menino conhece menina". Esse é sempre o ponto de partida dessas histórias no cinema, que inevitavelmente passam pelo estágio do desentendimento do casal e derivam para 1) ou os protagonistas ficarão juntos; ou 2) seguirão caminhos distintos.

500 Dias com Ela ((500) Days of Summer) é em essência um "boy meets girl". No entanto, junta-se ao seletíssimo grupo de filmes que conseguem subverter as regras do gênero, dando ao público uma experiência nova - ainda que parcialmente conhecida.

500 dias com ela

None

500 dias com ela

None

Na história, que abrange os quinhentos dias do título, Joseph Gordon-Levitt vive Tom, um criador de cartões comemorativos, em busca do amor de sua vida. No escritório ele conhece a bela Summer (daí o nome original intraduzível do filme, (500) Dias de Summer ou "Verão"), interpretada pela überadorável Zooey Deschanel. Os dois desenvolvem um relação, mas há um problema: ela não acredita no amor.

Diretor estreante em longas, Marc Webb usa sua experiência em contar histórias curtas em videoclipes - ele já dirigiu uma centena deles - para imprimir um ritmo todo particular à produção. Ele pega os dezesseis meses da história de Tom e Summer e os recorta, apresentando-os de maneira não linear. Momentos bons, ruins e comuns alternam-se agrupados por eventos, mostrados pela perspectiva de Tom.

Webb também referencia seu passado criativo na inspirada trilha sonora e em uma cena musical que representa o que Tom está sentindo depois de sua primeira noite de amor com Summer. Dança, música e até animações se misturam para traduzir o íntimo dele. Outro tributo interessante é o prestado a Noivo Nervoso, Noiva Neurótica (Annie Hall). No clássico de Woody Allen, legendas revelam o que os protagonistas realmente querem dizer. Aqui, a tela dividida separa "Realidade" e "Expectativa".

Mais do que uma maneira divertida, criativa e inteligente de contar uma história que de outra forma pareceria convencional, 500 Dias Com Ela tem uma visão absolutamente honesta, ainda que um tanto tragicômica, do amor. Algo que a frase inicial do filme já escancara: "O filme a seguir é uma história de ficção. Qualquer semelhança com pessoas vivas ou mortas é mera coincidência. Especialmente você Jenny Beckman. Vaca". Sensibilidade romântica mais contemporânea, impossível.

Leia mais críticas da Mostra 2009

Leia mais críticas do Festival do Rio 2009

(500) Dias com Ela
(500) Days of Summer
(500) Dias com Ela
(500) Days of Summer

Ano: 2009

País: EUA

Classificação: 12 anos

Duração: 97 min

Direção: Marc Webb

Elenco: Joseph Gordon-Levitt, Zooey Deschanel, Chloë Grace Moretz, Geoffrey Arend, Matthew Gray Gubler, Clark Gregg, Alejandro Estornel, Patricia Belcher, Rachel Boston, Minka Kelly, Ian Reed Kesler, Valente Rodriguez, Yvette Nicole Brown, Nicole Vicius

Nota do Crítico
Excelente!

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.