Filmes

Crítica

Battle of the Sexes | Crítica

Longa com Emma Stone e Steve Carell é apenas um espetáculo bem-humorado

Natália Bridi
12.09.2017
09h29
Atualizada em
29.06.2018
02h37
Atualizada em 29.06.2018 às 02h37

A batalha dos sexos é, como toda guerra, improdutiva. A questão entre gêneros sempre foi por igualdade de oportunidades, o reconhecimento da capacidade das mulheres para além das regras estabelecidas em uma sociedade patriarcal. Porém, no mundo do tênis profissional americano na década de 70, esse debate só foi retomado depois que uma mulher aceitou disputar uma partida com um homem para provar quem era melhor no esporte.

Dirigido por Valerie Faris e Jonathan Dayton, Battle of do Sexes recria os acontecimentos da partida histórica entre Billie Jean King e Bobby Riggs. Aos 29 anos, King lutava para que tenistas profissionais recebessem pagamento igualitário e aceitou o desafio do ex-campeão mundial Riggs, que viu na “batalha” uma oportunidade para voltar ao estrelato.

O fato de ser dirigido por um casal dá ao filme um equilíbrio incomum ao seu tema. Sem fazer de Riggs o vilão, o longa mostra o outro lado do homem que usou o machismo como forma de ganhar dinheiro (e se autoproclamava um “showvinista”). A atuação de Steve Carell dá a Riggs um ar adorável, mesmo quando diz as coisas mais absurdas. Ele acaba sendo o personagem mais completo do longa, que não vende tão bem a sua outra jogadora.

Interpretada por Emma Stone, King tem declarados todos os traços que determinam as suas atitudes, mas tem pouco espaço para mostrar de fato a sua personalidade. O roteiro de Simon Beaufoy foca no seu romance com uma cabeleireira sem antes desenvolvê-la em todas as suas inquietudes. Ela parece incompleta e suas muitas causas, o novo amor, a culpa pelo marido e a paixão pelo tênis ficam no ar, sem algo sólido para segurá-las.

Sarah Silverman, que interpreta a exagerada empresária Gladys Heldman, aproveita para mostrar serviço. São dela e de Bobby os melhores momentos do longa pela sinceridade com que se comunicam em um mundo de indiretas, escancarado no espetáculo televisivo montado para a partida. A recriação do evento é precisa em todos os seus absurdos - incluindo imagens de arquivo com celebridades escolhendo o seu lado na partida -, deixando a piada ainda mais hilária (e amarga).

Battle of do Sexes olha para um momento estranho da história para rir de uma discussão sem sentido. Ciente da sua importância e ansioso por uma boa causa, porém, troca alguns argumentos dramáticos por frases de efeito e limita-se a ser um espetáculo bem-humorado, como fora a partida entre King e Riggs em 1973.

Leia mais sobre Battle of do Sexes

 

Nota do Crítico
Bom