Filmes

Crítica

Aniquilação | Crítica

Novo filme do diretor de Ex Machina disponível na Netflix é um conto de terror cósmico disfarçado de ficção científica

Arthur Eloi
12.03.2018
15h04

Alex Garland é um dos nomes mais promissores da ficção científica. Com uma carreira como roteirista de filmes como Extermínio (2002) e Dredd (2012) e jogos como DmC: Devil May Cry (2013), o cineasta fez sua estreia como diretor com Ex Machina (2014), um sci-fi de peso, vencedor do Oscar em efeitos visuais e indicado na categoria de Melhor Roteiro Original. Agora, Garland retorna mais uma vez ao gênero com Aniquilação.

Adaptação da obra de Jeff Vandermeer, a trama acompanha Lena (Natalie Portman), viúva, ex-militar e bióloga, que vê no misterioso retorno de seu marido Kane (Oscar Isaac) após um ano dado como morto em missão para investigar a Área X, uma espécie de distorção que está se alastrando e pode representar uma ameaça à raça humana. Essa volta faz com que Lena se junte a outras pesquisadoras para investigar a natureza dos acontecimentos dentro da Área X.

A jornada ao mistério é um crescendo, tornando-se cada vez mais estranha, perigosa e enlouquecedora às exploradoras. Ainda que o longa se venda como um sci-fi, Aniquilação se assemelha mais a um conto de terror cósmico, subgênero da literatura popularizado por Robert W. Chambers (O Rei de Amarelo) e H.P. Lovecraft (O Chamado de Cthulhu) em que narradores não-confiáveis falam sobre experiências capazes de mudar toda a percepção da raça humana com um mero olhar.

Desde o início é certo que Lena é a única sobrevivente da expedição, onde reconta a jornada a um grupo de médicos - nem sempre sendo verdadeira sobre o que encontrou na Área X. A trama também comenta a condição humana e o eterno ciclo de nascimento e morte, com seus momentos finais fazendo o espectador confrontar a possível impotência, despreparo e insignificância dos humanos perante o restante do universo.

O elenco também é um destaque: além de Portman e Isaac, conta também com Tessa Thompson (Thor: Ragnarok), Jennifer Jason Leigh (Twin Peaks), Gina Rodriguez (Jane the Virgin) e Tuva Novotny (Comer Rezar Amar). Infelizmente, o talento é pouco aproveitado já que as personagens são pouco desenvolvidas além da irritação e confusão. Se quer seguir o exemplo de Enigma de Outro Mundo (1982), é preciso levar as intérpretes ao limite, onde o espectador realmente acredita que a situação cria pessoas instáveis, voltando-se uns contra os outros.

A linguagem visual também deixa a desejar. Apesar da história e ritmo em constante progressão, os planos continuam parados e pouco inspirados por todo o filme. O trabalho de câmera não muda nem mesmo quando as coisas mais estranhas passam a acontecer - transformação muito bem representada na trilha sonora com a introdução tardia dos sintetizadores, passando a sensação de algo de outro mundo. Mesmo com belas e coloridas paisagens, a linguagem do longa rapidamente torna-se tediosa.

Garland novamente provou ser um excelente roteirista de gênero, que levanta questões afiadas sobre a condição humana, mas acaba pecando na hora de ilustrar isso. Considerando que tanto Dredd quanto Ex Machina são histórias focadas, talvez o problema tenha sido na hora de desenvolver um mundo maior e vívido, que vai além de um prédio tomado por criminosos ou a casa de um excêntrico inventor.

Em alguns aspectos, Aniquilação entrega muito menos do que é capaz - mas o resultado final ainda é algo memorável e perturbador. São raros os exemplos de terror cósmico que funcionam fora da literatura - como a primeira temporada de True Detective. O filme tropeça aqui e ali na hora de traduzir o horror existencial que permeia a mente dos leitores, mas no fim das contas faz o espectador refletir um pouco a relação da humanidade com tudo ao seu redor.

Aniquilação
Annihilation

Ano: 2017

Classificação: -1 anos

Direção: Alex Garland

Roteiro: Alex Garland

Elenco: Miroslav Zaruba, Daniel Prewitt, Odette Michell, Hiten Patel, Matthew Simpson, Mairead Armstrong, Annarie Boor, Honey Holmes, Cosmo Jarvis, Kumud Pant, Bern Collaco, Crystal Clarke, Kola Bokinni, Sammy Hayman, David Gyasi, Sonoya Mizuno, Benedict Wong, Oscar Isaac, Tuva Novotny, Tessa Thompson, Jennifer Jason Leigh, Natalie Portman, Natalie Portman, Jennifer Jason Leigh, Tessa Thompson, Oscar Isaac, Gina Rodriguez, Sonoya Mizuno, Tuva Novotny, David Gyasi, Kola Bokinni, Crystal Clarke, Tessa Thompson, Oscar Isaac, Bern Collaco, Kumud Pant, Cosmo Jarvis, Honey Holmes, Edward Mannering, John Schwab, Annarie Boor, Mairead Armstrong, Matthew Simpson, Josh Danford

Nota do Crítico
Bom