Filmes

Crítica

Amor Sem Fim | Crítica

Clichês e romances pra vida toda

Aline Diniz
21.10.2014
11h24

Amor à primeira vista é um artifício cinematográfico que aos poucos vem sido superado, com filmes como Frozen e Malévola desbancando a ideia de instantaneidade em relações amorosas. Amor Sem Limite (Endless Love), no entanto, volta atrás e não somente prova que ele é possível e devastador, como restabelece a patriarquia absoluta da família estadunidense.

Amor Sem Fim

None

O clichê está presente em todos os segundos do longa, desde o amor proibido entre Jade Butterfield (Gabriella Wilde), a garota rica do pai controlador, e David Elliot (Alex Pettyfer), o jovem pobre e mais velho; passando pela relação complicada entre Hugh (Bruce Greenwood) e Anne Butterfield (Joely Richardson), os pais da jovem; até o drama familiar da morte de um dos irmãos na tentativa de justificar o pai autoritário.

Não é preciso pensar muito para entender como a trama vai se desenrolar - entre alguns momentos um pouco mais originais até o óbvio desfecho deles. O curto longa decepciona ao preencher todas as lacunas de um romance dramático medíocre. Mais curioso é que, sendo um remake do filme homônimo de 1981 que lançou a carreira de Tom Cruise no cinema, tem um roteiro completamente diferente de seu antecessor, fugindo da definição de remake. Mantêm-se somente os nomes dos personagens, mais nada.

Apesar dos erros de enredo, Amor Sem Fim não é de todo um desastre. A bela direção de Shana Feste torna a experiência tolerável, com os suaves movimentos de câmera e uma condizente paleta de cores, que muda levemente de acordo com a situação do casal principal. As locações também não fogem da proposta; quando estamos no ambiente de Jade, filha de família rica, os espaços são abertos e bem iluminados; para David, de origem mais pobre, vemos locais menores e mais escuros.

O bom trabalho do intenso Pettyfer potencializa as cenas de romance, assim como o raivoso Greenwood e a calma e querida Richardson - é Wilde que desanda o ritmo. Sem expressão, a inocente e estudiosa Jade parece uma porta; facilmente manipulada, sem demonstrar qualquer tipo de resistência. Quando tenta ser mais intensa, Wilde parece uma criança dando chilique, deixando um clima pesado de vergonha alheia.

Finalmente, o longa mais parece um grande clipe musical do que um filme, com uma acentuada trilha sonora repleta de musicas pop rock na íntegra - às vezes mais altas até que o próprio diálogo. Amor Sem Fim é a definição de chickflick, a prova de que clichês ainda são produzidos - e que não devem deixar de existir tão cedo.

Amor Sem Fim
Endless Love
Amor Sem Fim
Endless Love

Ano: 2014

País: EUA

Classificação: 14 anos

Duração: 104 min

Direção: Shana Feste

Roteiro: Shana Feste, Joshua Safran

Elenco: Alex Pettyfer, Gabriella Wilde, Robert Patrick, Rhys Wakefield, Emma Rigby, Joely Richardson, Bruce Greenwood, Dayo Okeniyi, Anna Enger, Fabianne Therese

Nota do Crítico
Regular

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.