Filmes

Crítica

A Chegada | Crítica

Ficção científica de Denis Villeneuve ecoa Clarke e Asimov sem perder a pose de blockbuster

Érico Borgo
09.09.2016
18h01
Atualizada em
29.06.2018
02h37
Atualizada em 29.06.2018 às 02h37

Em um dia como outro qualquer, doze naves ovaladas escuras surgem sem aviso em pontos aleatórios do globo. Imediatamente, pânico, violência e confusão começam, enquanto governos tentam estruturar uma maneira de se comunicar com essa força invasora, que simplesmente paira ali, sem ação.

A premissa de A Chegada (Arrival) pode até se parecer com tantos outros longas de ficção científica, mas a sensibilidade do canadense Denis Villeneuve (Os Suspeitos, Sicario - Terra de Ninguém) dá ao filme uma qualidade clássica, do tipo que honra luminares do gênero, como Isaac Asimov e Arthur C. Clarke.

Amy Adams e Jeremy Renner vivem a dupla de especialistas em comunicação convocada para ajudar nas negociações com os alienígenas. Ela uma linguista e ele um matemático teorético. Ambos precisam responder à pergunta "o que vocês querem?" que outras onze equipes no mundo também tentam. Mas a política, interesses e diferenças culturais entrarão no caminho da ciência.

Villeneuve mais uma vez mantém o público tenso do início ao fim, com sua câmera sisuda e a música absurdamente atmosférica de Jóhann Jóhannsson. A primeira entrada na nave ecoa a missão do túnel em Sicario, por exemplo. Mas o cineasta alterna a isso momentos de beleza natural que lembram Terrence Malick, dentro das memórias da linguista.

A Chegada se parece em alguns momentos Contato, mas tem uma urgência de suspense blockbuster pouco comum em longas de ficção-científica profunda. Enquanto corre com o mistério extraterrestre, afinal, Villeneuve está na verdade discutindo a natureza da linguagem, das relações, da troca e do próprio cinema, brincando com a não-linearidade na montagem, da mesma forma como os aliens talvez percebam o tempo. Dessa forma, o filme ingressa desde já no seleto grupo dos poucos filmes de ficção-científica que conseguem efetivamente debater o que significa ser humano ao cercar-nos de desconhecido.

A Chegada
Arrival
A Chegada
Arrival

Ano: 2016

País: EUA

Classificação: 10 anos

Duração: 100 min

Nota do Crítico
Excelente!

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.