Filmes

Crítica

15h17 - Trem Para Paris | Crítica

Filme de Clint Eastwood dilata sem estofo a narrativa real do atentado terrorista

Marcelo Hessel
09.03.2018
18h39
Atualizada em
13.03.2018
19h01
Atualizada em 13.03.2018 às 19h01

Sempre se assiste com interesse às histórias de Clint Eastwood sobre o belicismo na América, porque filmes como Sniper Americano evitam condenar a priori o armamentismo e trabalham com isso como um dado cultural consumado do país, e por isso não caem necessariamente na armadilha de se colocar acima dos seus personagens. 15h17 - Trem Para Paris trabalha nessa chave, mas não é todo material que fornece o mesmo potencial dramático.

A trama adapta o evento real em que três americanos, de férias na Europa, evitam um atentado no trem do título, por terem treinamento médico e militar. Depois de procurar atores para esses papéis, sem sucesso, Eastwood inovou e acabou colocando os três - Alek Skarlatos, Spencer Stone e Anthony Sadler - para interpretar a si mesmos. A escolha de três atores não profissionais não chega a prejudicar demais o filme, porque Eastwood, no mais, é conhecido pela rapidez com que filma e pela despreocupação com perfeccionismos - e mesmo nomes veteranos sofrem às vezes com o desapego de Eastwood com o plano mais perfeito, o texto mais redondo.

Das escolhas que o cineasta faz aqui para contar a história dos três heróis, a mais interessante é a do longo flashback que vai até o colégio primário em que o trio estudou, e onde formaram sua amizade e seu caráter. O elenco coadjuvante é formado por nomes associados com comédia (tanto as mães de Skarlatos e Stone quanto as figuras de autoridade do colégio), e as situações têm visível apelo lúdico. Ao mesmo tempo, Eastwood traça ali os primeiros comentários sobre a relação do americano médio com as instituições, com as armas, a religião e a autoridade, no sentido da normalização de coisas que, aqui do lado de fora, julgamos problemáticas (o silenciamento das mulheres, a mania dos jogos de violência).

15h17 - Trem Para Paris se revela um filme frustrante e insuficiente a partir do momento em que as relações de causalidade entre esse passado e o que assistimos no presente e no passado imediato (a vida profissional de Alex e Spencer) se mostram mal formuladas, anêmicas. Algumas dessas relações levam a raciocínios francamente ingênuos como sugerir que a obsessão americana pela guerra é o que permite a manutenção daquilo que o Velho Mundo tem de "melhor": oferecer gelattos italianos, drogas holandesas e cerveja alemã a qualquer pessoa disposta a passar uns dias tirando selfies nos pontos turísticos da Europa.

Eastwood se entrega com uma franqueza invejável a narrar de forma dilatada histórias que se prestariam normalmente a narrativas compactas, como a do pouso no rio de Sully. Essa dilatação traz um desafio que em si já parece bastante interessante. 15h17 - Trem Para Paris não consegue, porém, transformar isso num crescendo envolvente; o terceiro ato é uma sucessão de situações sem consequência, e mesmo as cenas com algum caráter expositivo (como o comboio em que Alex aparece trabalhando no Afeganistão) são de um despropósito desconcertante.

Quando enfim chega a cena do trem - que daí Eastwood filma com o vigor que o momento pede, com câmera na mão e atenção bastante cuidada para as imagens das armas, como o momento em que Alex carrega o rifle pelos vagões - 15h17 - Trem Para Paris já não tem muito a oferecer além de um clímax a título de encerramento, para justificar o filme.

Nota do Crítico
Ruim