Filmes

Crítica

007 Contra Spectre | Crítica

Filme amarra o arco da era Daniel Craig com desinteresse

Marcelo Hessel
04.11.2015
13h08
Atualizada em
29.06.2018
02h23
Atualizada em 29.06.2018 às 02h23

Principal organização criminosa do universo de James Bond, que deu ao mundo um dos vilões mais icônicos do cinema, Blofeld, hoje mais conhecido por ter sido parodiado em Austin Powers, a SPECTRE enfim surge na era Daniel Craig, em 007 Contra Spectre (Spectre, 2015), para amarrar células e vilões dos filmes anteriores, como um grande sindicato do crime, e justificar o velho emblema da SPECTRE, o polvo.

É de forma burocrática, porém, que o diretor Sam Mendes se presta a fazer essa amarração, como se imprimir fotos de personagens passados e colá-las pelas paredes fosse suficiente para despertar no 007 de Craig algum trauma ou um senso de autocrítica. Vem da juventude do espião o vilão do filme, interpretado de jeito contido por Christoph Waltz, mas só um punhado de reminiscências, organizadas como plot twist, não basta para recuperar a dimensão trágica do personagem, apresentada em Cassino Royale.

Porque Mendes não parece perceber que é na ação - e não no texto rebuscado, cheio de metáforas - que se manifestam os dilemas de Bond. Cassino Royale continua sendo o melhor filme dessa era porque soube traduzir na ação, nas primeiras mortes de 007, nas manchas de sangue que ele tanto tenta limpar, a maldição faustiana que é ter licença para matar. Pois se julgarmos 007 Contra Spectre pela ação, o Bond de Craig nunca pareceu tão alienado das consequências de seus atos; Mendes filma brigas, explosões e perseguições com desinteresse, sempre naquele tom marrom de comercial de conhaque, sempre confundindo pose com charme.

Esse é o 007 que paga pelos seus pecados, pela morte de Vesper, de M, pelos anos de assassinatos? Se a atuação de Craig nunca pareceu tão aborrecida, é porque o ator simplesmente é o epicentro de um projeto de filme todo concebido a partir da indiferença. Mesmo quando chega o momento fatídico - decidir quando não matar, como o personagem de Ralph Fiennes havia antecipado cenas antes - o longa facilita a decisão de Bond, a saída nobre, e o espião mais uma vez sai arrumando seu paletó justo, desfilando.

É tamanha a indiferença que Mendes sequer consegue dar ao capanga vivido por Dave Bautista a oportunidade de usar contra Bond suas armas metálicas, inspiradas em outro vilão clássico, o Jaws do finado Richard Kiel. Ironicamente, embora seja o filme dessa era que mais tenta dialogar com o tom lúdico dos 007 setentistas - nos gadgets do carro, na trilha sonora, nos perigos contra a integridade física de Bond, na reviravolta final - 007 Contra Spectre nunca incorpora esse espírito de fato. É mais um filme, entre tantos hoje em dia, que junta easter eggs mais pelo fan service.

Craig ainda tem contrato para mais um filme, numa era que deve ser lembrada pela tentativa, frequentemente frustrada, de dar ao velho personagem uma profundidade dramática sem esquecer do espetáculo escapista. De qualquer forma, o tom de despedida em 007 Contra Spectre encerra um ciclo, que neste filme dá indícios claros de desgaste.

007 Contra Spectre
007 - Spectre
007 Contra Spectre
007 - Spectre

Ano: 2015

País: EUA, Reino Unido

Classificação: LIVRE

Direção: Sam Mendes

Roteiro: John Logan, Neal Purvis, Robert Wade

Elenco: Daniel Craig, Ralph Fiennes, Monica Bellucci, Dave Bautista, Léa Seydoux, Christoph Waltz, Ben Whishaw, Andrew Scott, Naomie Harris, Neve Gachev, Rory Kinnear, Jesper Christensen, Stephanie Sigman

Nota do Crítico
Regular

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.