Percy Jackson e o Ladrão de Raios

Créditos da imagem: Percy Jackson e o Ladrão de Raios/Fox/Divulgação

Filmes

Notícia

Autor de Percy Jackson alertou estúdio sobre péssimo roteiro da adaptação

Rick Riordan explica que seu contrato não lhe dava qualquer controle criativo sobre o filme

Natália Bridi
19.11.2018
22h03
Atualizada em
20.11.2018
02h22
Atualizada em 20.11.2018 às 02h22

Rick Riordan, autor da franquia literária Percy Jackson, escreveu um texto em seu blog pessoal (via IndieWire) em que relata a sua experiência com a adaptação de Percy Jackson e o Ladrão de Raios

O filme era visto pela 20th Century Fox como o primeiro de uma franquia nos moldes de Harry Potter, mas não chegou sequer perto disso.

Segundo Riordan, apesar do seu contrato não lhe dar controle criativo ou a palavra final sobre a adaptação, ele tentou alertar os produtores sobre as mudanças que colocavam em risco o potencial do filme enquanto franquia. Em janeiro de 2009, depois de saber que as idades dos personagens principais mudariam de 12 para 17 anos no filme, o autor escreveu: "Como ninguém quer ver o sucesso desse filme mais do que eu, espero que vocês me permitam compartilhar o porquê isso é uma péssima ideia do ponto de vista monetário. Primeiro, mata a possibilidade de uma franquia. A série de livros é fundamentada na premissa que Percy precisa progredir dos 12 aos 16 anos, quando, de acordo com a profecia, ele precisa tomar uma decisão que pode salvar ou destruir o mundo. Eu presumo que a Fox pelo menos gostaria de manter aberta a possibilidade de sequências se o primeiro filme for bem nas bilheterias. Com Percy começando aos 17 anos isso não é possível". Riordan também alertou que a mudança de idade afastaria o público-alvo dos livros, com idades entre 9 e 12 anos. "Eles sabem que Percy tem 12 anos no primeiro livro. Ao fazer os personagens com 17 anos, você já perde essas crianças no primeiro trailer do filme". A produção ignorou o apelo e Percy Jackson acabou tendo 16 anos, sendo interpretado por Logan Lerman.

Riordan escreveu um novo email em março de 2009, depois de ler o roteiro de Craig Titley. "O script é terrível. Não digo isso por se afastar do livro, mesmo que certamente o faça a ponto de ser quase irreconhecível como a mesma história. Fãs do livro vão ficar bravos e decepcionados. Eles vão deixar os cinemas em bandos e gerar um boca a boca terrível. Isso se o roteiro seguir como está agora. Mas o maior problema é que, mesmo fingindo que o livro não existe, esse roteiro não funciona como uma história por si só". O autor também criticou a "sexualização"da história, que pretendia aumentar o apelo do longa entre adolescentes mais velhos. 

Com cinco livros publicados, Percy Jackson ganhou apenas duas adaptações. O primeiro filme arrecadou US$ 226,49 milhões mundialmente e a sua continuação, Percy Jackson e o Mar de Monstros, fez US$ 199,85 milhões, com a maior parte das arrecadações vindo de fora dos EUA. 

Ainda de acordo com Rick Riordan, uma vez que percebeu qual seria o tom da adaptação, ele resolveu se afastar e nunca chegou a ver a versão final dos longas. "O que sei sobre eles e como os julgo é baseado completamente nas minhas experiências com os produtores e as versões finais dos roteiros", explica, "Mar de Monstros é uma outra história, mas basicamente seguiu o mesmo processo".