10 cinebiografias musicais que você precisa assistir

Filmes

Lista

10 cinebiografias musicais que você precisa assistir

Bohemian Rhapsody e Rocketman lideram nova onda do gênero

Julia Sabbaga
28.05.2019
13h35

O sucesso estrondoso de público de Bohemian Rhapsody, longa do Queen, e os elogios da crítica à Rocketman, musical que conta a história de Elton John, chamaram atenção para um interesse recente da audiência por estas histórias. Mas o gênero de cinebiografias musicais sempre roubou holofotes em Hollywood, e é raro o lançamento de um longa de um grande nome da música que não tenha chegado ao Oscar em alguma categoria. 

O formato tradicional da cinebiografia é geralmente bem identificável. Os longas retratam a infância, o desenvolvimento do talento, a queda (diversas vezes associadas ao abuso de substâncias) e a redenção de um artista. Não é à toa que John C. Reilly protagonizou uma ótima paródia de cinebiografias musicais dirigida por Jake Kasdan, A Vida é Dura - A História de Dewey Cox. Mesmo assim, existem diversos filmes que fogem da fórmula, se utilizando de mais elementos surreais ou se aproveitando de um ponto de vista peculiar para contar uma história, como é o caso de Amadeus ou Não Estou Lá. Com isso em mente, reunimos 10 dicas de cinebiografias musicais de diversos estilos que você precisa assistir. 

Vale notar que a lista conta apenas com filmes diretamente biográficos e não apenas inspirados na vida de um músico, como é o caso de 8 Mile: Rua das Ilusões, inspirada na história de EminemInside Llewyn Davis: Balada de um Homem Comum, baseada na biografia de Dave Van Ronk, ou Frank, uma história ficcional baseada no músico Chris Sievey. Confira:

Amadeus

Amadeus, a cinebiografia de Mozart dirigida por Milos Forman, é uma das mais aclamadas do gênero. Lançado em 1984, o longa conta a história do compositor clássico a partir do ponto de vista do músico Antonio Salieri, que se considera seu rival. O longa ganhou oito oscars, incluindo Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Ator, para F. Murray Abraham, que interpreta Salieri.

Tina - A Verdadeira História de Tina Turner

Tina - A Verdadeira História de Tina Turner traz Angela Bassett no papel da lendária cantora e retrata sua vida desde a infância até a ascensão à fama, mas foca no abuso que sofreu pelo marido Ike Turner (Laurence Fishburne). Os dois protagonistas foram indicados ao Oscar em 1994 pelo longa.

Johnny & June

A cinebiografia de Johnny Cash e June CarterJohnny & June, lançada em 2005, segue o formato mais tradicional do gênero, recontando a ascensão, queda e redenção do músico country e o desenvolvimento do relacionamento com a cantora. As adaptações das músicas de Cash na voz de Joaquin Phoenix e as interpretações dos protagonistas foram aclamadas, rendendo à Reese Witherspoon o Oscar de Melhor Atriz.

Noel - Poeta da Vila

O cenário musical brasileiro também é recheado de histórias para contar, e uma das mais marcantes é a cinebiografia de Noel Rosa, Noel: Poeta da Vila. Dirigido por Ricardo Van Steen e lançado em 2006, o longa retrata a breve vida do poeta, vivido por Rafael Raposo, e relembra suas diversas desventuras amorosas.

Não Estou Lá

O diretor Todd Haynes escolheu um modo peculiar de contar a história de Bob Dylan, tornando a sua cinebiografia Não Estou Lá bem diferente da narrativa tradicional. O longa é dividido em histórias diferentes e não lineares, onde figuras personificam partes da história do músico, tirando inspiração de muitas de suas canções. Cate Blanchett foi indicada ao Oscar por sua interpretação de Jude Quinn, representando uma fase dos anos 60 de Dylan. O elenco ainda conta com Christian Bale, Richard Gere, Heath Ledger e mais.

Piaf, um Hino ao Amor

Piaf, um Hino ao Amor, longa de Olivier Dahan sobre a cantora francesa Édith Piaf também segue uma estrutura não-linear, relembrando momentos da carreira de Piaf desde sua infância até sua morte, intercalados com a performance de uma de suas gravações mais emblemáticas, a canção "Non, Je Ne Regrette Rien". O longa rendeu o Oscar de Melhor Atriz para Marion Cotillard em 2008.

Controle: A História de Ian Curtis

Um dos marcos mais presentes em cinebiografias são histórias trágicas, e Controle: A História de Ian Curtis certamente não é exceção. Contando a história do cantor do Joy Division, o longa de Anton Corbijn constrói uma narrativa sombria que retrata a decadência do vocalista por abusos de drogas e depressão, até a sua morte aos 23 anos. Sam Riley, que interpretou Curtis, e Samantha Morton, que atuou como sua esposa Deborah, foram aclamados por seus trabalhos.

Gainsbourg, o Homem que Amava as Mulheres

Quando se trata de originalidade, o longa que conta a história do compositor francês Serge Gainsbourg, está entre os mais marcantes. A cinebiografia Gainsbourg, o Homem que Amava as Mulheres, dirigida por Joann Sfar conta a história de Gainsbourg (Eric Elmosnino) desde sua infância na França ocupada por nazistas até seu sucesso, passando por relacionamentos famosos com Brigitte Bardot Jane Birkin. A história é intercalada por momentos surreais que partem da imaginação do compositor, sempre acompanhado por uma animada caricatura dele mesmo. 

Straight Outta Compton: A História do N.W.A.

Ao contrário da maioria dos longas da lista, Straight Outta Compton: A História do N.W.A. conta a história de um grupo, apesar de focar no integrante Ice Cube, interpretado pelo filho do músico, O'Shea Jackson Jr.. O filme é um retrato da formação do grupo nos anos 80 e os seus efeitos no cenário do hip-hop, e além de ter sido indicado ao Oscar por Melhor Roteiro, foi recordista de bilheteria para uma cinebiografia musical, até ser ultrapassado por Bohemian Rhapsody no ano passado.

Legalize Já - A Amizade Nunca Morre

No ano passado, os diretores Johnny Araújo e Gustavo Bonafé lançaram uma ótima cinebiografia do Planet HempLegalize Já – Amizade Nunca Morre. O longa segue a fórmula narrativa das cinebiografias e foca na amizade de Marcelo D2 (Renato Góes) e Skunk (Ícaro Silva), entregando um retrato do Rio de Janeiro do início dos anos 90 e criando uma bela história de amizade, com interpretações marcantes.