Filmes

Artigo

A Última Chance leva ao Festival do Rio saga de presidiário que virou ás do MMA

“Esta é uma história sobre um Brasil que dá certo”, diz o diretor Paulo Thiago

Rodrigo Fonseca
13.10.2017, às 15H12
ATUALIZADA EM 29.06.2018, ÀS 02H37
ATUALIZADA EM 29.06.2018, ÀS 02H37

Em sua reta final, a 19ª edição do Festival do Rio encerrou na noite de quinta a seleta de filmes nacionais em competição em sua Première Brasil, mas reservou em seu cardápio uma iguaria brasileiríssima inédita, centrada na superação de dilemas sociais, para a noite desta sexta: A Última Chance.

Dirigido por Paulo Thiago (Doidas e Santas), o longa-metragem – com projeção às 19h de hoje (dia 13), no Estação NET Botafogo – põe o galã da atual novela das 21h, Marco Pigossi, na pele do lutador Fábio Leão, ex-presidiário, com histórico de 20 anos de crime, que virou bamba do MMA e passou a lecionar artes marciais. O filme dá um mergulho na Vila Kennedy, bairro da Zona Oeste do Rio de Janeiro pouco retratado nas telas.

"Neste momento em que o Brasil está tão ferrado, repisar as nossas incapacidades é algo que me deixa muito descontente, pois todo mundo para de enxergar saídas, soluções", diz Paulo Thiago, diretor mineiro na ativa desde os anos 1960 e conhecido por filmes como Sagarana, o Duelo (1973). "O Fábio é um cara que deu a volta por cima e a partir de uma solução bem comum: o ensino. É isso o que me levou a querer filmar sua trajetória. Não é alguém que vence pelo esporte... Não é um Rocky, um Lutador. É alguém que vence pelo estudo. Esta é uma história sobre um Brasil que dá certo".

Em 2015, Leão voltou a ser detido por porte de arma. Mas a prisão foi cerca de controvérsias acerca do passado do lutador. Ele começou com furtos, aos 9 anos, e, aos 17, virou uma liderança do tráfico carioca, envolvido com clonagem de carros. Na prisão, ele muda de vida, convertendo-se a um credo evangélico e iniciando seus treinos para lutar e lecionar.

"Fábio passou por várias prisões agté chegar a Bangu 1, num ambiente barra pesada, até que começou a treinar. O filme é sobre essa virada”, diz o cineasta. "A luta foi filmada com o máximo de cuidado pois, de fato, cinematograficamente, é algo de muito expressivo. Mas o foco não é o esporte e sim a virada que ele dá".

No domingo, o Festival do Rio exibe A Última Chance de novo, às 16h15, no Roxy.

 

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.