Bones and All | Timothée Chalamet fala de canibalismo e isolamento em Veneza

Créditos da imagem: MARCO BERTORELLO/AFP

Filmes

Artigo

Bones and All | Timothée Chalamet fala de canibalismo e isolamento em Veneza

Ator divulga nova parceria com o diretor Luca Guadagnino

Omelete
3 min de leitura
02.09.2022, às 15H07.

Em Me Chame pelo Seu Nome, dirigido por Luca Guadagnino, Timothée Chalamet era Elio, um adolescente que se apaixonava por um homem mais velho, Oliver (Armie Hammer), estudante e assistente de seu pai (Michael Stuhlbarg), que ia passar o verão na residência da família, na Itália. O romance era complicado não apenas pela diferença de idade, mas porque Oliver vivia como heterossexual. 

Agora, o ator retoma a parceria com o diretor em Bones and All, que estreou na noite de hoje (2) na competição do 79º Festival de Veneza. No filme, ele faz Lee, um adolescente que se apaixona por Maren (Taylor Russell). O problema aqui é que eles são canibais. 

É preciso primeiramente encarar o elefante da sala: não deixa de ser curioso que Guadagnino e Chalamet tenham se reunido novamente para fazer um filme sobre personagens que têm desejo de comer carne humana, uma acusação feita por várias mulheres contra Armie Hammer. O longa, porém, é baseado no romance de Camille DeAngelis e tem Maren como protagonista. Depois de ficar sozinha no mundo, ela resolve procurar a mãe, que nunca conheceu, à procura de respostas sobre sua condição. No caminho, topa com personagens como o estranho Sully (Mark Rylance) e o doce Lee, que decide ajudá-la. Os dois acabam se apaixonando. 

Mas é um amor cheio de complexidades. O estilo de vida implica não poder viver normalmente em sociedade, ter de se deslocar, e enfrentar dilemas morais o tempo todo. “Eles são personagens intensamente isolados, que encontram afirmação no espelho do amor”, disse Chalamet na entrevista coletiva na tarde de hoje. A presença do ator em Veneza provocou uma comoção, com dezenas de pessoas gritando cada vez que imaginavam sua chegada de barco para a entrevista. A sessão de gala atrasou, de tantos fãs gritando seu nome na porta do Palazzo del Cinema.

O ator contou ter se identificado com essa sensação de isolamento dos personagens por causa da pandemia. “Precisamos do contato com outras pessoas para entender quem somos. Acredito que estava sentindo a mesma desilusão que Lee naquele momento em que rodamos o filme”, disse Chalamet. O longa é o primeiro que Guadagnino filmou nos Estados Unidos.

Ao ser indagado se por acaso se sentia julgado por suas escolhas, ele disse que ser jovem é ser intensamente julgado. “Foi um alívio interpretar personagens que estão lidando com dilemas internos sem poder ir ao Reddit, Twitter, Instagram ou TikTok para descobrir onde se encaixam”, disse ele. Tanto Me Chame pelo Seu Nome quanto Bones and All se passam nos anos 1980. “Não sei como deve ser criado sob ataque das redes sociais. Eu acho que, se você encontra sua tribo lá, maravilha. É duro viver hoje. O colapso da sociedade está no ar”, afirmou. 

No circuito comercial dos EUA, Bones & All estreia em 23 de novembro. O longa ainda não tem data de estreia prevista no Brasil. 

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a nossa Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.