Filmes

Notícia

Spike Lee critica Django Livre de Quentin Tarantino

Cineasta chama o filme de "desrespeitoso" e lembra que a escravidão foi um holocausto

Érico Borgo
24.12.2012
14h21
Atualizada em
29.06.2018
02h36
Atualizada em 29.06.2018 às 02h36

O cineasta Spike Lee criticou publicamente Django Livre, novo filme de Quentin Tarantino. O diretor de Faça a Coisa Certa, em cujos filmes o tema do preconceito está sempre presente, chamou o faroeste de Tarantino, uma história de vingança durante a época da escravatura, de "desrespeitoso".

Spike Lee

None
Spike Lee

Entrevistado pela Vibe Magazine, Lee falou que "não posso comentar mais porque não vou assistir ao filme. Tudo o que posso dizer é que ele é desrespeitoso aos meus ancestrais. Mas esse sou eu... não estou falando por mais ninguém. A escravidão nos Estados Unidos não foi um western spaghetti de Sérgio Leone, mas um holocausto. Meus ancestrais foram escravos, roubados da África. Eu os honrarei", disse. O diretor tem problemas com a obra de Tarantino desde Jackie Brown, homenagem dele ao gênero blaxploitation.

Depois, em resposta a um fã que comentou que filmes são apenas entretenimento e que não devem ser levados tão a sério, Lee foi enfático: "Errado. O Nascimento de Uma Nação resultou em linchamentos de negros. A mídia é poderosa. NÃO DURMA. ACORDE, CARA", concluiu, referindo-se ao controverso épico de 1915 dirigido por D. W. Griffith.

Na trama de Django Livre, ambientada no sul dos Estados Unidos dois anos antes da Guerra Civil, Django (Jamie Foxx) é um escravo cujo histórico brutal com seus ex-senhores o coloca cara a cara com o caçador de recompensas alemão, Dr. King Schultz (Christoph Waltz). Os dois passam a caçar criminosos pelo sul dos EUA e vão ao resgate de Broomhilda (Kerry Washington), esposa de Django perdida para o tráfico de escravos. A busca acaba levando-os até Calvin Candie (Leonardo DiCaprio), o proprietário de "Candyland", uma fazenda abominável onde os escravos são preparados pelo treinador Ace Woody para lutarem entre si por esporte.

A Weinstein Company distribuirá Django Livre nos EUA e a Sony Pictures no resto do mundo. O filme estreia em 25 de dezembro nos EUA e em 18 de janeiro no Brasil.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.