Montagem da coluna de Marcelo Hessel

Créditos da imagem: Divulgação

Filmes

Lista

Dicas do Hessel #025 | Com Mulan ou sem Mulan

Confira dicas de épicos chineses enquanto o live-action não chega ao Brasil

Marcelo Hessel
18.09.2020
09h52
Atualizada em
18.09.2020
10h07
Atualizada em 18.09.2020 às 10h07

A estreia do remake em live-action de Mulan, da Disney, é um dos acontecimentos deste segundo semestre, por uma série de fatores - desde as controvérsias do discurso pró-regime na China até as implicações do lançamento em formato digital no contexto da pandemia.

Enquanto o filme não chega no Brasil (a previsão é 17 de novembro, com a estreia do Disney+ no país), dá pra fazer um intenso aquecimento com a oferta de épicos que os streamings trazem por aqui. É uma especialidade chinesa revisitar o folclore local e a história do império de um ponto de vista cerimonioso, mas é também no cinema de ação de época que alguns dos principais cineastas do país fazem suas experimentações mais arrojadas com o CGI.

Boas sessões e não deixe de assinar nossa newsletter para receber as dicas antes de todo mundo. E acesse este link para conferir as edições anteriores da coluna.

A Lenda do Rei Macaco 2

Foto de A Lenda do Rei Macaco 2
Divulgação

Quem conhece o básico de Dragon Ball está careca de saber da Jornada ao Oeste, as lendas que recontam as trocas entre China e Índia nos anos de consolidação do budismo no século VI. O diretor Pou-Soi Cheang adapta os eventos históricos numa festa carnavalesca de divindades e criaturas míticas, de espetaculares fundos digitais e cenas de batalha apoteóticas. Não é preciso ter visto o filme anterior para pegar o que acontece neste, mesmo porque o principal é o desfile de astros e a grandiosidade - um indício da importância que os blockbusters chineses dão para as autohomenagens.

Disponível na Netflix.

O Retorno do Dragão: A Cidade Perdida

Foto de O Retorno do Dragão: A Cidade Perdida
Divulgação

Um dos produtores mais prolíficos do cinema chinês, Tsui Hark também se aventura na direção, sempre com resultados imprevisíveis. Este filme de 2011 foi promovido na época como a grande chegada do 3D ao gênero do wuxia (as fantasias de artes marciais ambientadas na China antiga) e é, como um bom blockbuster local, absolutamente abarrotado de personagens e reviravoltas. Pode ser difícil acompanhar a trama desta releitura do clássico Dragon Gate Inn (que o próprio Tsui já havia refilmado quando produziu New Dragon Gate Inn em 1992) mas, como bom coreografista de câmera e ação, além de arrojado adepto das possibilidades da computação gráfica, Tsui faz o arrebatamento visual valer a sessão.

Disponível no Amazon Prime Video.

Justice, My Foot!

Foto de Justice, My Foot!
Divulgação

Este filme de 1992 já mostrava algumas das qualidades que tornaram Johnnie To o principal cineasta chinês do circuito de cinema mundial de vanguarda nos anos 2000. É uma comédia de tribunal e ao mesmo tempo uma fantasia de artes marciais, sobre um advogado aposentado que volta ao ofício para defender uma mulher de um complô de autoridades corruptas na China imperial. A forma como To vai e vem entre uma comédia de texto rápido e o humor pautado pelo pastelão visual, sempre com cortes muito precisos e rápidos, é absolutamente hipnotizante.

Disponível na Netflix.

A Câmara 36 de Shaolin

Foto de A Câmara 36 de Shaolin
Divulgação

O longa de 1978 é um dos maiores clássicos da Shaw Brothers, a produtora de filmes de Hong Kong que foi, em boa medida, a principal fonte de produtos durante a popularização mundial do kung fu nos anos 1970. Como é praxe, a trama ficcionaliza eventos com heróis históricos chineses, no caso um estudante que decide treinar num templo shaolin depois que o governo opressor local extermina um grupo colegial de manifestantes. Muitos anos depois de estrelar A Câmara 36 de Shaolin e suas continuações, o astro Gordon Liu teve sua importância reconhecida em Hollywood ao ganhar de Quentin Tarantino o papel de Pai Mei em Kill Bill 2.

Disponível na Netflix.

O Monge Trapalhão

Foto de O Monge Trapalhão
Divulgação

Depois de Justice, My Foot!, este filme de 1993 foi a segunda e última colaboração entre o diretor Johnnie To e o astro Stephen Chow, que já começava então a trilhar um caminho próprio atrás das câmeras. É um grande compêndio de figuras folclóricas locais, desde o próprio “monge maluco” (inspirado em Ji Gong, personagem do período da dinastia Song) até os três personagens típicos (o pedinte de rua, a prostituta e o bandido) que na trama são colocados no meio de um desafio entre deuses para testar a virtude dos homens. Não falta nem a cena de luta contra um demônio gigante, e a parceria entre To e Chow se encerra ao som de muita voadora no peito.

Disponível na Netflix.

Baahubali 2: A Conclusão

Foto de Baahubali 2: A Conclusão
Divulgação

Se a China foi até a Índia pegar os papiros dos textos sagrados do budismo, nada mais justo que o cinema indiano pegue emprestado o gosto chinês pelos épicos de batalhas em CGI. Os dois filmes de Baahubali - que se completam com situações revisitadas, mais ou menos como aconteceu quando De Volta para o Futuro teve uma continuação - foram lançados em 2015 e 2017 e são os responsáveis pelo sucesso emergente de “Tollywood”, indústria do Centro-Sul do país com filmes falados no idioma telugu. A história medieval de dois irmãos que disputam o reino de Mahishmati não é só um dos maiores sucessos do cinema indiano mas também um grande espetáculo visual da era da computação gráfica.

Disponível na Netflix.

Avatar: A Lenda de Korra

Foto de Avatar: A Lenda de Korra
Divulgação

Diz muito sobre a importância histórica de Mulan o fato de a maioria dos épicos orientais serem estrelados por homens. Pois uma das grandes qualidades da continuação de Avatar foi justamente inverter papéis e colocar uma garota, Korra, no lugar querido pelos fãs que antes Aang ocupava. Ao lado da proeminência que Ahsoka Tano adquiriu em Clone Wars, a série derivada de Avatar é um grande atestado dos anos 2000 de que épicos de lutas e espadas - wuxia ou não, com sabres-de-luz ou não - já deixaram há muito tempo de ser coisa apenas dos meninos.

Disponível no Amazon Prime Video.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.