Superman/Grandes Astros Superman

Créditos da imagem: James Gunn/Instagram/Reprodução/DC Comics/Divulgação

Filmes

Notícia

Símbolo do novo Superman é último prego no caixão do Azulão sombrio e realista

Escudo referencia Reino do Amanhã, crítica de Mark Waid à popularização de anti-heróis violentos nos anos 1990

Omelete
5 min de leitura
01.03.2024, às 16H13.

O símbolo do novo Superman (ex-Superman: Legacy) está entre nós! Para celebrar o aniversário do Homem de Aço, comemorado em 29 de fevereiro, James Gunn, diretor e roteirista do novo longa, revelou o escudo que estampará o peitoral de David Corenswet em 2025. Conforme já adiantado há alguns dias por Isabella Merced, que viverá a Mulher-Gavião, o novo emblema tem clara inspiração na versão usada pelo Azulão em Reino do Amanhã, de Mark Waid e Alex Ross. Caso o filme mantenha a aura do clássico da DC Comics, o novo “S” marca mais do que apenas o início de uma nova franquia do personagem: ele simboliza a tão aguardada “morte” da encarnação sombria e realista que tanto incomodou fãs do kryptoniano no DCEU.

Antes de entrar no novo emblema e seu significado, uma brevíssima contextualização de sua origem. Com a fundação da Image Comics em 1992, quadrinistas de renome começaram a lançar anti-heróis originais, bem mais violentos e inescrupulosos que os elencos de DC e Marvel e inspirados na atmosfera mais cínica da Era de Bronze dos Quadrinhos. Para competir com a nova rival, as Duas Grandes passaram a investir em histórias cada vez mais sombrias e em personagens de visuais e atitudes “radicais”. Não por acaso, o selo do Homem de Aço decidiu, no mesmo ano, matá-lo no icônico, porém menos que medíocre, A Morte do Superman, evento que teve histórias assinadas por Dan Jurgens, Louise Simonson, Jerry Ordway e Roger Stern. A ideia da editora, além de aumentar as vendas, era atualizar o Superman, que retornou do mundo dos mortos com algumas das histórias mais questionáveis que ele já estrelou.

Em 1996, esse movimento de atualização e brutalização de heróis clássicos estava a todo vapor, com personagens como Cable, Carnificina e Devota ganhando destaque, e até o Batman acabou substituído por uma versão “extrema” após os eventos de A Queda do Morcego. Olhando para este cenário, Waid escreveu Reino do Amanhã, um manifesto pelo retorno dos heróis esperançosos e iluminados, que valorizavam a vida acima de qualquer outra coisa. Na HQ, Clark Kent e a maior parte da Liga da Justiça se aposentam após acreditarem ter se tornado obsoletos frente a uma nova geração mais violenta de heróis, que conquistaram apoio público por dar fim definitivo às carreiras de grandes vilões. O kryptoniano precisa voltar a vestir o collant, no entanto, quando um grupo de heróis tenta atacar o vilão Parasita, em uma ação mal planejada que resulta na morte de milhões.

A partir daí, Waid retorna o Superman à sua posição de exemplo para os outros heróis, com o Azulão mostrando que o verdadeiro heroísmo está em inspirar e dar esperança às pessoas, procurando sempre uma resolução pacífica para diferentes conflitos. Usando o mesmo símbolo desenhado por Alex Ross na saga, o filme de James Gunn promete uma posição semelhante à do clássico das páginas, comprometendo-se a esquecer do retrato melancólico e destrutivo criado por Zack Snyder.

Em entrevista concedida ao Omelete em 2020, Waid explicou por que não acredita que retratar o Superman como uma das figuras anti-heroicas dos anos 1990 faz algum sentido. “Se você for o homem mais poderoso do mundo, não há motivo para ser violento, a não ser que você seja só mais um valentão. Pessoas ficam raivosas e violentas quando se sentem indefesas, ameaçadas, ou quando estão em perigo, e Superman geralmente não se sente assim.” Para o autor, usar o Homem de Aço como uma figura violenta, como visto em Liga da Justiça de Zack Snyder e na série de games e gibis Injustice, é um atalho pouco inspirado e nada desafiador para autores e público. “Qualquer um pode fazer isso, e eu escolho não fazê-lo. Prefiro me concentrar em personagens que não são violentos por natureza, porque isso não te deixa enxergá-los direito”, disse ele à época.

Gunn já vinha dando muitas dicas sobre a abordagem que traria a Superman. Logo que anunciou o longa, o cineasta indicou DC Grandes Astros: Superman como uma das histórias que influenciaram seu roteiro. Na HQ de Grant Morrison e Frank Quitely, o Homem de Aço descobre que morrerá em breve. Ainda assim, o quadrinho tem uma aura otimista e colorida, que mistura a insanidade da Era de Prata aos questionamentos éticos da Era Moderna.

Sozinha, esta indicação de Gunn de já sugeria uma grande possibilidade de o novo DCU abandonar o semi-deus destrutivo e choroso de Snyder para resgatar a figura calorosa que há mais de oito décadas encanta os leitores da DC. Somando-se isso ao novo símbolo e à já revelada participação dos anti-heróis do The Authority, é de se esperar que o diretor de Pacificador reproduza à sua maneira a crítica de Waid e tente, com seu Superman, resgatar o maravilhamento do público para com produções de herói, que hoje saturam o mercado da cultura pop.

Oficialmente, o Superman cinzento e depressivo está “morto” desde que Gunn e Peter Safran assumiram o posto de co-presidentes do DC Studios. Trazer esse novo símbolo, que remete a uma das maiores homenagens aos heróis “puros” e valorosos da Era de Ouro, nada mais é do que o prego final num caixão metafórico que já deveria ter sido enterrado permanentemente lá em 1996. Por mais que não tenhamos nenhum detalhe real sobre o novo Superman, sua primeira imagem pelo menos já dá aos fãs do verdadeiro Homem de Aço a esperança que Reino do Amanhã devolveu ao mundo dos heróis há quase três décadas.

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a nossa Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.