David Bowie | As aparições mais marcantes do Camaleão nas telas

Créditos da imagem: Divulgação

Música

Lista

David Bowie | As aparições mais marcantes do Camaleão nas telas

Músico faria 71 anos hoje, dia 8 de janeiro

Julia Sabbaga
08.01.2020
15h26
Atualizada em
08.01.2020
15h40
Atualizada em 08.01.2020 às 15h40

O lendário David Bowie marcou o mundo de diversas maneiras. Além da carreira musical que influenciou um número enorme de bandas e artistas nos dias de hoje, o Camaleão teve uma carreira exemplar nas telas, onde protagonizou ou participou em diversos filmes, muitos dos quais tiraram proveito da sua personalidade única. 

Reunimos abaixo algumas das melhores participações do Bowie nas telas para relembrar o mito em seu aniversário. 

O Homem que Caiu na Terra

YouTube-Reprodução

Em 1976, David Bowie apareceu em seu primeiro longa, O Homem Que Caiu na Terra, como o alienígena Thomas Jerome Newton. Ele já tinha status de lenda como músico, e sua figura era perfeita para retratar um visitante de outro planeta. Em entrevista ao Movieline, Bowie disse que aprendia as falas na hora e atuava como queria: “Eu me sentia tão alienado quanto o personagem, foi uma performance bem natural. O que você vê lá é David Bowie. Eu estava totalmente inseguro, usando 10 gramas de cocaína por dia. Estava chapado do começo ao fim”. Veja o trailer aqui.  

Fome de Viver

Imdb/reprodução

Em 1983, David Bowie estrelou ao lado de Catherine Deneuve e Susan Sarandon no longa Fome de Viver, do diretor Tony Scott. O drama pôde explorar mais os poderes de atuação de David Bowie, que retrata um vampiro que começa a envelhecer rapidamente. Para interpretar a voz de um homem bem mais velho, Bowie diz ter se forçado a ficar rouco berrando músicas punk no alto da ponte George Washington em Nova York [via IMDB]. Veja aqui o trailer. 

Um Romance Muito Perigoso

YouTube/reprodução

Desta vez em um papel menor, Bowie apareceu na comédia/suspense Um Romance Muito Perigoso, de Jon Landis (Os Irmãos Cara de Pau), um filme recheado de participações especiais. Apesar de mal recebido pela crítica, e o pouco tempo na tela de Bowie, o papel do músico foi bem elogiado, com a Time Out tendo escrito: “A escalação de várias estrelas em papeis pequenos parece desnecessário, mas David Bowie faz uma contribuição excelente como um assassino inglês”. Veja aqui.

Absolute Beginners

YouTube/reprodução

No musical de 1986, Absolute Beginners, David Bowie aparece pouco mas faz um dos melhores números musicais. Seu envolvimento no projeto é curioso: após ter sido abordado pelo diretor Julien Temple para contribuir musicalmente para o filme, Bowie leu o roteiro e pediu pelo papel de Vendice Partners. No número musical “That’s Motivation” no filme, Bowie dá um show de interpretação e estilo (veja aqui). Ainda mais, Bowie escreveu a música que deu título ao filme, que virou hit e fez mais sucesso que o próprio longa.

Labirinto – A Magia do Tempo

IMDB/reprodução

Outro filme que sofreu nas bilheterias e com o tempo se tornou cult, Labirinto – A Magia do Tempo é um dos filmes mais importantes na carreira cinematográfica de David Bowie. Lançado em 1986 com direção de Jim Henson e produção de George Lucas, Bowie interpreta o Rei dos Duendes, papel quase foi oferecido a Mick Jagger, Sting e Prince. O músico também compôs diversas músicas para a trilha do filme de fantasia. Veja o trailer.

A Última Tentação de Cristo

YouTube/reprodução

Em um papel inesperado, David Bowie estrelou como Pôncio Pilatos em A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, de 1988. Oferecido originalmente a Sting, o papel de Bowie no filme é muito mais sóbrio que o comum, e ele executou com maestria. Veja o momento que ele contracena com Willem Daffoe como Jesus Cristo aqui. 

Twin Peaks: Os Últimos Dias de Laura Palmer

YouTube/reprodução

Em 92, David Bowie apareceu no longa derivado da série Twin Peaks, Os Últimos Dias de Laura Palmer, roubando a cena como o misterioso e perturbado agente Phillip Jeffries. O personagem foi reprisado em 2017 no retorno da série, após a morte do músico, em cenas gravadas na época do filme. O diretor David Lynch disse que esperava trazer Bowie de volta para a nova temporada: “Foi muito legal trabalhar com ele, e eu o queria de volta. Mas ele disse que não retornaria e na época eu não entendi o motivo. Agora eu entendo”. O episódio 14 da nova temporada do seriado foi dedicado ao músico.

Zoolander

YouTube/reprodução

Em uma surpresa, David Bowie aparece no meio da comédia Zoolander absolutamente do nada, quando surge como juiz para julgar as performances dos modelos rivais. Ben Stiller, que não só atuou como dirigiu e escreveu o filme, disse ter escrito o personagem com Bowie em mente, mesmo sem saber que ele toparia. Após sua morte, Stiller relembrou a participação em entrevista ao Female First: “Eu ainda estou surpreso que ele topou participar. Foi a melhor participação de todas. Ele foi gracioso e bondoso com todos, como você pode imaginar. Foi realmente um ponto alto na minha carreira”. 

Extras

YouTube/reprodução

No segundo episódio da segunda temporada de Extras, série de Ricky Gervais, David Bowie faz uma participação inesquecível, novamente como ele mesmo. Ao encontrar o personagem principal em uma festa, Bowie ouve sua história e compõe uma música hilária e trágica, que é um dos melhores momentos do seriado (ouça “Chubby Little Loser” aqui). Falando ao Hollywood Reporter sobre o convite, Gervais falou: “Eu escrevi a cena de Extras sobre conhecer seu herói e ele não ser o que você espera. Eu liguei para ele e ele falou ‘desculpe, eu estava comendo uma banana’. Achei muito engraçado”. 

O Grande Truque

YouTube/reprodução

Ninguém esqueceria David Bowie como Nikola Tesla em O Grande Truque, mas o papel foi inicialmente recusado pelo músico. Quando recebeu o roteiro, Bowie recusou, e o diretor Christopher Nolan falou sobre o processo de casting: “Ele era misterioso como Tesla deveria ser. E demorou para convencê-lo. Foi a única vez que me lembro de ir atrás de um ator que recusou. Eu pedi que ele me deixasse explicar porque ele era o ator certo para o papel. Falei com honestidade que se ele não concordasse com o papel, eu não saberia o que fazer. Eu posso dizer que implorei”. Veja aqui a cena.