Neil Gaiman fala da influência do Brasil no sucesso de Sandman

Créditos da imagem: Divulgação

CCXP

Artigo

Neil Gaiman fala da influência do Brasil no sucesso de Sandman

Homenageado do ano na CCXP Worlds, escritor revelou porque HQ demorou tanto tempo para ganhar as telas

Nicolaos Garófalo
04.12.2020
15h48
Atualizada em
04.12.2020
16h34
Atualizada em 04.12.2020 às 16h34

Neil Gaiman tem uma bela relação com o Brasil. Embora tenha um público fiel e seja o principal personagem de uma curiosa lenda urbana no país, o relacionamento do escritor com seus leitores brasileiros começou pouco depois de Sandman ser publicado pela primeira vez, em 1989. “Naquela época, a DC Comics me enviava as edições estrangeiras dos meus quadrinhos à medida que eles eram lançados”, lembra o autor, que se mostrou impressionado com a versão lançada no Brasil. “As edições brasileiras eram melhores que as norte-americanas, elas tinham versões mais detalhadas das artes ao invés de anúncios na contracapa, artigos explicando e expandindo [a história] no interior”.

Homenageado durante a CCXP Worlds, Gaiman não escondeu seu desejo de poder comparecer à versão física da convenção e lembrou de suas visitas ao país. “A primeira vez que fui para o Brasil, acho que era 1998, eu fui muito bem recebido. Eu estava em um lugar que eu queria estar, eu estava animado de estar aí. Eu fui, conheci pessoas e voltei em 2002”. Sua segunda passagem por aqui, no entanto, foi cercada de momentos curiosos.

Eu fui pra Bienal do Livro do Rio, onde eu comecei a perder minha voz e quando eu cheguei em São Paulo eu já estava praticamente sem voz”, lembrou o escritor, que vê a ocasião como a razão para a criação da lenda urbana que diz que ele é um deus do sexo. “Se eu tenho qualquer reputação no Brasil de ser um deus do sexo é porque falei com todo mundo com um suspiro grave e íntimo”.

A viagem também marcou a enorme sessão de autógrafos na livraria FNAC, em Pinheiros, bairro de São Paulo. “Foi inesquecível, eu dei autógrafo para cerca de 700 pessoas e ainda tinham por volta de 500 na fila”, lembrou Gaiman. Segundo ele, o público restante ficou inquieto e, após ameaçar destruir a loja, conseguiu convencer a equipe da livraria a continuar com a sessão. “Eu assinei para todo mundo e como eu não tinha voz, eu não podia falar com ninguém, o que significou que eu tive que abraçar muitas pessoas”.

A longa jornada de Sandman para a TV

Apesar de estar perto de completar 32 anos e já ter tido um de seus derivados – Lucifer – adaptado para a televisão, Sandman precisou percorrer um longo caminho antes de chegar à Netflix - com estreia esperada para 2021. Falando sobre essa trajetória, Gaiman lembrou de uma reunião no começo dos anos 2000, em que tentou convencer produtores da Warner a adaptar a obra. Ao fim da apresentação, um dos executivos de alto escalão que ouvia o autor e sua equipe afirmou que as franquias de maior sucesso na época, Harry Potter e Senhor dos Anéis, tinham “vilões bem definidos”. “[Ele perguntou]Sandman tem um vilão bem definido?’ E eu disse ‘não mesmo’. E me responderam ‘bom, foi ótimo te ver, muito obrigado por vir’”. Ao longo dos anos, outras adaptações do quadrinho seriam idealizadas e abandonadas pelo caminho, incluindo um filme escrito por Jack Thorne (Enola Holmes) e estrelado por Joseph Gordon-Levitt (Os 7 de Chicago). “[Gordon-Levitt] seria o Coríntio, mas a Warner mudou o que eles queriam fazer e o projeto acabou indo embora de novo”.

A inexperiência de Gaiman nos bastidores de produção também afetou a chegada de Sonho às telas. Segundo o autor, ele costumava apenas aceitar quando produtores e executivos afirmavam que determinadas cenas não poderiam ser gravadas por causa de orçamento. As coisas mudaram, no entanto, após receber um conselho de Steven Moffat, de Doctor Who e Sherlock. “Ele disse que quando precisa cortar uma cena e escrever uma nova por problemas orçamentais, ele tenta escrever uma cena ainda melhor. ‘Tento fazer uma tão boa que agora aparecerá nas coletâneas de YouTube”.

Gaiman pôde colocar a dica do amigo em prática quando assumiu o posto de showrunner de Belas Maldições, série do Amazon Studios que adaptou o livro homônimo que escreveu com Terry Pratchett. Em determinado momento, os personagens de Michael Sheen e David Tennant presenciariam a estreia de Hamlet, clássico de William Shakespeare. O alto número de figurantes com trajes vitorianos elevou o preço da cena, que precisou ser substituída. “Minha reação foi ‘ótimo, transformo [a peça] em um ensaio ou em um desastre’ e Douglas [Mackinnon], o diretor, disse ‘faça ser um desastre’ (...) Então eu escrevi uma cena melhor”.

Por enquanto, a série de Sandman não precisou passar por cortes. Ainda no processo de gravar o piloto para a Netflix, a produção teve mais “problemas relacionados à Covid” do que empecilhos causados pelo orçamento. Além disso, a plataforma de streaming parece estar dando a liberdade que Gaiman não encontrou em outros estúdios para levar Sonho, Morte e os outros Perpétuos para as telas. “Nós estamos fazendo a série de Sandman. Não é ‘tipo Sandman’, não é ‘parecido com Sandman, não é ‘quase Sandman’, não é nada disso. É Sandman. Estamos mesmo fazendo isso”.

32 ano depois de se tornar um ídolo no Brasil e no mundo, Neil Gaiman mantém Sandman firme e forte no imaginário popular. Com a promessa de uma adaptação fiel de sua obra prima, o escritor deixou a CCXP Worlds encantada com seu já conhecido charme e o otimismo de uma série que pode entrar para a história, junto com os gibis lançados pela Vertigo há mais de três décadas.

CCXP Worlds: A Journey of Hope, primeira edição 100% digital do maior evento de cultura pop do mundo, acontece entre os dias 4 e 6 de dezembro de 2020. Os ingressos gratuitos e os pacotes especiais, que dão direito a atrações e brindes exclusivos, estão disponíveis no site www.ccxp.com.br.

Nesta sexta (4), a Paramount apresenta seus próximos lançamentos, incluindo a nova versão de O Poderoso Chefão 3, o elenco de The Walking Dead: World Beyond conta como a série expande o universo de TWD, e a Globo traz um elenco estrelado, incluindo Taís Araújo e Lázaro Ramos. No lado dos quadrinhos, é o dia do homenageado Neil Gaiman, além de nomes como Jeff Smith e Matt Fraction.

Quem perdeu alguma coisa ou quer rever os melhores momentos pode acessar os vídeos on demand, que serão disponibilizados na plataforma em até 24 horas depois da exibição ao vivo e ficam no ar até o dia 13 de dezembro.

Acompanhe a cobertura completa no siteTwitter e Facebook do Omelete.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.