My Hero Academia

Créditos da imagem: Reprodução

Mangás e Animes

Artigo

Filmes de My Hero Academia são “MCU ao estilo anime"

Com boas cenas de ação e histórias simples, filmes de My Hero Academia podem matar a sua vontade de heróis enquanto não chega um novo longa da Marvel

Fábio Garcia
05.01.2022, às 15:17

O calendário de filmes arrasa-quarteirão este ano está recheado de longas da Marvel e da DC, mas em 2022 o Brasil terá um nome diferente ali no meio. My Hero Academia: Missão Mundial de Heróis estreia nos cinemas daqui no próximo dia 6 de janeiro e promete colocar os jovens heróis Midoriya, Bakugo e Todoroki na missão mais perigosa de suas carreiras até o momento.

Missão Mundial de Heróis é o terceiro longa-metragem do anime My Hero Academia, parte de uma série de filmes que oferecem aventuras rápidas, momentos de muito impacto e uma quantidade de porradaria capaz de deixar a série televisiva no chinelo. Nesta matéria vamos comentar sobre os filmes da franquia e te contar o que esperar dessa nova aventura de Deku nos cinemas.

Conexões com a série televisiva

A relação canônica entre as séries animadas e os filmes de shonens de lutinha é sempre muito confusa. Normalmente os filmes animados eram apenas uma aventura inédita para os animes de sucesso na televisão, sem qualquer conexão com a história. Quando os fãs iam aos cinemas conferir um filme de Dragon Ball Z era necessário que desligassem o cérebro, afinal as tramas e personagens ali desenvolvidos em nada se conectavam com a história sendo exibida na televisão. Resumindo, aquele Brolly ou o irmão do Freeza não existiam na história que valia para o cânone.

My Hero Academia
Divulgação

A coisa foi mudando com o passar do tempo e logo se tornaram mais comuns os filmes canônicos, seja por continuarem a história televisiva, como foi Demon Slayer - Mugen Train, ou mesmo trazerem uma história inédita escrita pelo autor da obra, como One Piece - Strong World, cujo vilão era mencionado durante o mangá. É possível acreditar que os filmes ganharam elementos oficiais até como estratégia de marketing, afinal qual fã vai querer perder um detalhe importante daquele universo que tanto gosta?

Os filmes de My Hero Academia funcionam como “fillers oficiais”. Suas histórias não acrescentam novos detalhes à eterna luta dos portadores do One for All contra o poder do maléfico All for One, mas ao mesmo tempo eles têm o selo de aprovação de Kohei Horikoshi, o autor do mangá. O primeiro filme, My Hero Academia: 2 Heróis, mostra Deku e All Might viajando a um evento realizado em uma ilha artificial, e lá o maior herói do Japão é feito de refém durante uma festa realizada em uma torre. Assim, cabe a Deku e a alguns alunos da turma 1A subirem todos os andares e enfrentarem desafios no meio do caminho tal qual a jornada de Seiya pelas doze casas em Os Cavaleiros do Zodíaco.

Esta história se conecta diretamente com a série de TV, tanto que o estúdio Bones produziu alguns episódios no anime para mencionar o tal evento e mostrar como Deku recebeu o convite. Os personagens importantes da história, como o cientista amigo de juventude do All Might, não só contam com o aval do autor da história como também são citados no anime, se tornando parte do cânone.

Já o segundo filme, My Hero Academia: Ascensão dos Heróis, é um caso à parte. Enquanto Horikoshi se envolveu diretamente no primeiro filme produzindo uma história inédita, cuidando dos designs originais e supervisionando tudo, no segundo longa ele entregou na mão da equipe que cuida do anime e o resultado ficou comprometido. Nessa história a turma 1A é enviada para uma ilha pequena para cuidar dos moradores enquanto um novo herói não assume o posto no lugar. Nada de muito complicado acontecia naquela vila agrícola, no máximo um trator emperrando ou um gatinho preso em cima da árvore, até que surge um grande vilão capaz de roubar individualidades tal qual All for One.

A falta de supervisão de Horikoshi é bem visível nos desdobramentos finais do longa, afinal Deku usa uma estratégia no mínimo absurda para derrotar o vilão. Para piorar, a tal estratégia é desfeita poucos minutos depois, afinal afetaria o desenrolar da série e o estúdio precisava voltar a história ao ponto neutro. Como diz uma grande pensadora brasileira, “temos que voar” para acompanhar a história.

MCU ao estilo anime?

Um dos grandes trunfos da franquia de filmes My Hero Academia é que eles podem ser assistidos por quem não tem o menor conhecimento da série televisiva. Claro, quem acompanha a história é capaz de identificar mais personagens e entender mais facilmente motivações, mas a equipe criativa do estúdio Bones tem todo o cuidado de introduzir a trama em todo o começo de cada filme. Ou seja, um leigo nesse universo em poucos minutos descobre o que é a U.A., quem é All Might e por que Midoriya ganhou uma habilidade tão forte mesmo sendo tão fraco.

My Hero Academia
Reprodução

Por funcionar como uma aventura isolada, os filmes de My Hero Academia não são tão diferentes assim do que encontramos nos filmes do Universo Cinematográfico da Marvel (o famoso MCU). Embora os filmes da Casa das Ideias ainda façam parte de uma intrincada cronologia cheia de revelações, personagens e multiversos, os longas costumam ser bons filmes de ação capazes de conquistar uma pessoa que está ali apenas para ver as lutinhas durante uma reprise no Temperatura Máxima.

Uma característica dos filmes já lançados de My Hero Academia é a repetição de uma estrutura muito simples de roteiro que coloca os personagens principais isolados em um cenário pequeno e ameaçado por alguém com más intenções. Seja os sequestradores da torre do primeiro filme ou a gangue de vilões na ilha do segundo longa, Deku e os demais sempre são colocados em um ambiente controlado no qual é permitido que eles usem livremente seus poderes, algo não tão comum na série televisiva.

É curioso também como os filmes de My Hero Academia se esforçam para permitir que todos, inclusive Deku, possam lutar à vontade. Em My Hero Academia: 2 Heróis o protagonista fica amigo de Melissa Shield, uma desenvolvedora de equipamentos que presenteia Deku com uma luva tecnológica capaz de suportar os 100% do One for All. A peça tecnológica ajuda na batalha decisiva, mas ao final do filme o roteiro rapidamente dá fim ao equipamento o quebrando em mil pedaços. Não há qualquer esforço para explicar por que Melissa não produz uma nova luva para Deku usar na série televisiva, os personagens nem consideram essa alternativa porque o item afetaria o desenvolvimento do anime. No fim, a luva foi só um artifício criado para 2 Heróis ter uma lutinha bem animada e empolgante, e nós como público aceitamos isso bem.

My Hero Academia: Missão Mundial de Heróis

E é com uma mistura muito competente de fan-service e belas cenas de ação que os filmes de My Hero Academia se destacam e se mostram como uma bela fonte de diversão. Mas o que esperar desse novo filme? De acordo com a sinopse do longa, o destaque será em Midoriya, Bakugo e Todoroki, os principais alunos da turma 1A envolvidos em uma escala ainda maior: eles terão duas horas para salvar o mundo de um ataque de vilões. Para piorar, Deku é acusado de um crime que não cometeu.

O filme é ambientado durante a quinta temporada do anime televisivo, mais especificamente no meio do arco do estágio de heróis. Nessa fase da história, Deku, Bakugo e Todoroki passam a estagiar com Endeavor, o atual herói número 1, e vão descobrindo mais informações sobre o exército da Meta Libertação com a interferência de Hawks.

Como Missão Mundial de Heróis está alinhado com a mais recente temporada do anime, podemos esperar mais habilidades de luta do protagonista. Enquanto em 2 Heróis Deku ainda sofria para controlar o poder do One for All, aqui ele já dominará o controle da percentagem do poder, o shoot style e sua técnica de lufada de ar. E, como o trailer já entregou, até mesmo o “chicote negro” estreará nas telonas em uma bela cena de ação.

Uma novidade deste filme, por aqui, é uma dublagem em português familiar aos fãs. Os filmes anteriores da franquia chegaram antes da dublagem da série televisiva My Hero Academia, então o elenco deles era um pouco diferente das vozes ouvidas pelos fãs na Funimation e na breve exibição na finada Loading. Lipe Volpato (o Metal Lee de Boruto) e Fábio Lucindo (Legoshi de Beastars) retornam no papel de Deku e Bakugo respectivamente, mas agora teremos André Sauer (Giyu Tomioka de Demon Slayer) como Todoroki, Fred Mascarenhas (Leopoldo de Black Clover) como o nosso carioquíssimo Hawks e César Emílio (o Joker de Fire Force) fazendo o Endeavor. Já o vilão da vez, Flec Turn, é interpretado na versão brasileira pelo ator Armando Tiraboschi, responsável pelas também vilanescas vozes do Narak de InuYasha e Jiren de Dragon Ball Super.

Como assistir?

Divulgação

Todos os filmes de My Hero Academia são diversão garantida não só para quem acompanha o anime ou o mangá, mas também quem não conhece nada da série é capaz de entender sem dificuldades pois tudo é introduzido. Confira onde ver cada um dos filmes:

O primeiro filme, My Hero Academia: 2 Heróis, está na Netflix e no Globoplay, além de estar disponível para aluguel e compra digital em plataformas como Apple TV e Google Play. Como já explicado no texto, o filme está dublado, mas com um elenco de voz diferente da série televisiva.

O segundo filme, My Hero Academia: Ascensão dos Heróis, está no HBO Max e no Oi Play, e pode ser alugado ou comprado na Apple TV. Assim como o anterior, a versão dublada tem vozes diferentes do anime.

Por fim, o terceiro filme My Hero Academia: Missão Mundial de Heróis estreia nos cinemas brasileiros em 6 de janeiro de 2022, e a dublagem traz o mesmo elenco da série televisiva.

Para ver a série televisiva, as temporadas mais recentes estão legendadas na Crunchyroll e a Funimation tem todos os episódios com legenda ou dublagem.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.