Sacha Baron Cohen em Borat 2

Créditos da imagem: Amazon Studios/Divulgação

Amazon Prime Video

Notícia

Borat 2 | Comunidade cazaque nos EUA critica o filme

ONG afirma que longa traz um retrato racista do país

Nicolaos Garófalo
26.10.2020
19h39
Atualizada em
27.10.2020
15h43
Atualizada em 27.10.2020 às 15h43

A Associação Cazaque-Americana, ONG norte-americana formada por imigrantes do Cazaquistão e seus descendentes, repudiou publicamente Borat: Fita de Cinema Seguinte, lançado no Amazon Prime Video. Segundo a entidade, o falso documentário estrelado por Sacha Baron Cohenincita a violência contra um grupo altamente vulnerável e pouco representado” (via Variety).

O comunicado cita o fato de o elenco principal do filme ser formado por atores brancos, não respeitando a identidade étnica do povo cazaque. O primeiro longa, lançado em 2006, também foi lembrado pela associação, com o comunicado afirmando que imigrantes do Cazaquistão se tornaram alvo de humilhação por causa de suas origens. “Por que nossa pequena nação pode ser alvo de ridicularização?”.

O sr. Cohen diz que seu alvo principal era o [presidente Donald Trump] e norte-americanos racistas. Se esse realmente fosse o caso, ele teria criado um país falso, como foi em O Ditador”, argumentou a ONG. “No entanto, [ele] escolheu zombar, humilhar e desumanizar abertamente uma nação real”.

Por lançar o filme em seu streaming, a Amazon também foi questionada sobre seu envolvimento com Borat 2. “Por que um filme racista (...) é considerado uma forma válida de entretenimento pelos padrões da Amazon?”.

Filmado em segredo, Borat 2: Fita de Cinema Seguinte já está disponível no Amazon Prime Video. Analisamos o longa no nosso tradicional Veredito; confira:

Assista no Prime Video

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.