Capa de Aliens, o Resgate

Créditos da imagem: Divulgação/Fox

Filmes

Artigo

Aliens, O Resgate: Um filme sobre monstros alienígenas, explosões... e mães

James Cameron e Sigourney Weaver fizeram a sequência sobre maternidade

Fábio de Souza Gomes
10.05.2020
13h10

O tema maternidade é recorrente em filmes. Porém, poucas vezes uma dupla de cineasta/atriz explorou o tema de maneira tão singular quanto James Cameron e Sigourney Weaver fizeram no clássico Aliens, O Resgate.

Na década de 80, o mundo vivia a era dos filmes “testosterona”. Arnold Schwarzenegger e Sylvester Stallone eram reis das bilheterias exibindo seus músculos e metralhando qualquer inimigo que aparecesse pela frente. Foi exatamente nesse período que reapareceu uma heroína capaz de rivalizar com qualquer um deles: Ellen Ripley.

Em Alien, Sigourney Weaver parece inicialmente interpretar a convencional mocinha de filmes de terror. Contudo, em pouco tempo percebemos que ela não tem nenhum par romântico, ela não grita e, ao contrário do esperado, enfrenta a criatura de frente e acaba como a única sobrevivente. O personagem por si só já era forte, mas James Cameron percebeu que havia muito mais para se explorar na sequência e escreveu um roteiro que mudava o gênero e transformou o longa em uma ação.  

Acredito que a inspiração veio da ideia de ter essa personagem feminina forte que está no comando, mesmo assim é questionada por todos ao seu redor, mas supera tudo isso e se torna uma heroína. E não seria necessariamente uma lutadora fisicamente forte, mas mentalmente e emocionalmente forte. É isso que as pessoas respeitam nela”, afirmou à People o cineasta.

A Fox estava relutante em aceitar a ideia de um novo filme sobre o Xenomorfo, mas ficou impressionado com o roteiro escrito pelo cineasta – que trabalhou em grande parte dele durante as filmagens de Exterminador do Futuro. Assim que a ficção estrelada por Schwarzenegger estreou, o estúdio lhe fez uma promessa: se o filme fosse um sucesso, ele poderia dirigir Aliens. Para sua alegria, o longa surpreendeu o mundo em 1984 e ele pôde trabalhar com a franquia. Além de transformar o gênero da produção, ele surpreendentemente fez a história ser sobre ser mãe.

A maternidade é um tema recorrente desde o início do filme. Logo no começo, descobrimos que Ripley era mãe e, por conta de suas viagens espaciais, foi obrigada a deixar sua filha na Terra - que envelheceu e morreu sem nunca revê-la. Eventualmente, ela encontra uma criança abandonada chamada Newt (Carrie Henn) e rapidamente torna-se a figura materna da pequena.

Ao longo da trama, a relação entre as duas é construída para que a audiência entenda o amor crescente de Ripley pela criança e, assim que ela some, ela abandona qualquer tipo de racionalidade e ouve apenas seu instinto protetor, partindo atrás dela somente para encontrar a grande vilã do filme: a Rainha Alien, a mãe de todas as criaturas.

A batalha final é, basicamente, entre duas mães tentando proteger suas crias: Ripley defendendo a criança e a Rainha Alien, seus ovos. O embate entre as duas personagens femininas mais fortes e inteligentes de cada espécie acaba com Ripley vencedora e com uma das frases mais marcantes do cinema: “Fique longe dela, sua vadia”.

Na época, continuações não eram comuns em Hollywood. Por isso, Weaver nem considerava voltar a viver a personagem depois de seis anos. Ainda mais trabalhando com Cameron, que apesar do primeiro sucesso, ainda era relativamente desconhecido. Contudo, enquanto filmava Une Femme ou Deux junto com Gérard Depardieu na França, ela recebeu o roteiro e rapidamente percebeu que precisava fazer o filme.

“Para mim, mulheres são incrivelmente fortes. Nós não apenas ficamos sentadas. Somos práticas, para o início de conversa. Por isso precisamos de mulheres presidentes. Nós fazemos as coisas acontecerem e não alienamos o resto do mundo. É isso que pessoas estão percebendo sobre as mulheres. Somos muito capazes”, afirmou Weaver à People.

Elogiada pelos fãs e pela crítica, o filme tornou-se um sucesso e na época ela foi reconhecida pela Academia com uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz, algo completamente incomum para uma performance em um filme de ficção cientifica, quanto mais em uma ação. Na visão de Cameron, apesar do título, os filmes originais da franquia Alien não são sobre a criatura alienígena. Nunca foram.

“Ela [Weaver] era o sol no centro do sistema solar. Essa é a maneira que eu sempre vi. Nós herdamos esse casting, mas era uma escolha genial”, finalizou.