Séries e TV

Notícia

A Liga Extraordinária | Alan Moore série de TV baseada na HQ

Adivinha se ele gostou

Érico Assis
25.07.2013
14h10
Atualizada em
29.06.2018
02h24
Atualizada em 29.06.2018 às 02h24

A Liga Extraordinária, a sensacional HQ com heróis da literatura fantástica por Alan Moore e Kevin O'Neill - e também um filme tenebroso, desastre de bilheteria que convenceu Sean Connery a se aposentar -, vai virar seriado de TV na Fox. Alan Moore, para variar, não está contente.

alan-moore

None

Os fãs estão acostumados a ouvir as reclamações do inglês barbudo toda vez que alguma de suas criações (V de Vingança, Watchmen, Do Inferno) é adaptada para o cinema. Moore sabe disso, por isso toma o rumo da ironia em entrevista à Entertainment Weekly: "Eu e o Kevin andamos rindo muito dessa, ficamos sabendo faz pouco. Quando fizeram os gibis prelúdio de Watchmen, falei tudo que podia de ofensivo quanto à indústria moderna do entretenimento, que ela não tinha ideias próprias e que tinha que revirar lixeiras e escarradeiras na calada da noite em busca de material para reciclar", começa Moore.

"Anunciarem que há uma série de TV baseada em A Liga Extraordinária fez eu mudar totalmente de opinião. Agora vão reciclar coisas que provadamente não funcionam".

Indiferentes a filme e seriado, Moore e O'Neill dão sequência a Liga nos quadrinhos: começaram uma trilogia de graphic novels focadas em aventuras solo dos personagens da equipe - como Nemo: Heart of Ice, deste ano (a segunda, The Roses of Berlin, sem protagonista confirmado, deve sair no ano que vem) - e querem voltar a mais um épico da Liga logo depois.

Além de fracasso de crítica e público, o filme da Liga Extraordinária de 2003 gerou uma dor de cabeça para Moore: os roteiristas Larry Cohen e Martin Poll processaram a Fox por plágio, dizendo que o filme era baseado num roteiro chamado Cast of Characters que a dupla havia apresentado na década de 90. O processo inclusive dizia que os quadrinhos tinham sido criados para embaralhar o plágio. Moore teve que ir a tribunal provar sua originalidade.

Michael Green faz roteiro e produção do piloto de A Liga Extraordinária, que a Fox tem que exibir sob pena de multa. Ainda não foram anunciados outros envolvidos na produção, nem data de estreia.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.