Mauricio de Sousa recebe filho de Osamu Tezuka e celebra legado do Deus do Mangá

Créditos da imagem: Divulgação/MSP

HQ/Livros

Artigo

Mauricio de Sousa recebe filho de Osamu Tezuka e celebra legado do Deus do Mangá

Makoto Tezuka aproveitou visita ao Brasil para conhecer a Mauricio de Sousa Produções

Gabriel Avila
12.09.2019
16h55

Ao longo de sua carreira, Mauricio de Sousa atingiu um feito pouco comum ao tornar sua arte o símbolo de toda uma cultura. É impossível separar a Turma da Mônica do imaginário brasileiro, graças ao grande apelo das histórias que acompanham gerações desde o final da década de 1960, quando os personagens estrearam nas tirinhas de jornal. O mesmo pode-se dizer de Osamu Tezuka, conhecido como “Deus do Mangá” no Japão, devido a sua extensa obra que inclui Astroboy, A Princesa e o Cavaleiro e Kimba, o Leão Branco. As duas lendas se conheceram em 1984, quando atravessaram o mundo para conhecer o estúdio um do outro e até chegaram a combinar uma colaboração - que infelizmente não aconteceu até o falecimento de Tezuka, cinco anos depois. Após três décadas, a amizade ganhou um novo episódio com a visita de Makoto Tezuka, filho de Osamu, ao Brasil. Durante sua passagem pelo país, o cineasta participou da Bienal do Livro do Rio de Janeiro e foi recebido pelo próprio Mauricio no estúdio onde o universo da Turminha ganha vida. Em uma tarde festiva, a dupla celebrou a relação entre os autores e revelou planos para o futuro.

Atual responsável pela Tezuka Productions, estúdio encarregado pelas obras de seu pai, Makoto foi recebido nos estúdios da Mauricio de Sousa Produções, um local emocionante para qualquer fã. Se o filme Turma da Mônica: Laços se propõe a tornar o Bairro do Limoeiro realidade, o prédio da MSP tem o efeito oposto, fazendo com que os visitantes se sintam em uma HQ da turminha. Toda a decoração do local celebra os personagens criados por Maurício, desde as divisórias das mesas dos artistas, enfeitadas com personagens e cenários das revistas, até o fim do grande salão que tem uma estátua de cera do próprio quadrinista, feita para receber visitantes. É um lugar que respira a obra de Mauricio através de áreas específicas como um pequeno museu, até pequenos detalhes como a porta do escritório da Mônica Sousa, a inspiração em carne e osso por trás da Dona da Rua, ser pichada com desenhos e os clássicos xingamentos como “dentuça” em uma traquinagem “assinada” pelo Cebolinha.

Com uma magia própria, as instalações foram visitadas por Makoto, que conheceu não só o prédio, mas também pedaços vivos da trajetória da Turma da Mônica. O cineasta foi apresentado a filhas do Maurício que inspiraram personagens como a própria Mônica e Marina, e também a grandes artistas da casa, como José Márcio Nicolosi, atual responsável pela área de animação da empresa. Makoto, que também trabalhou como diretor em animes baseados nos mangás de seu pai, assistiu ao episódio da Mônica Toy em que a dona da rua conhece Atom, o Astroboy.

Osamu Tezuka e Mauricio de Sousa nunca conseguirem concretizar a parceria, mas seus personagens se encontraram diversas vezes nas páginas da HQ Turma da Mônica Jovem, revista voltada ao público infanto-juvenil com forte influência dos mangás japoneses. O primeiro encontro aconteceu em 2012 na edição 43 de sua primeira série, na história Tesouro Verde, em que a Princesa Safiri, Astro Boy e Kimba visitam a Amazônia, onde se encontraram com Cascão, Magali e toda a turma. Desde então, os universos se uniram em diversos crossovers produzidos no Brasil pela MSP. No decorrer do passeio, Makoto foi apresentado a Petra Leão e Felipe Marcantonio, quadrinistas responsáveis por algumas das histórias, promovendo um momento de grande emoção para os autores, fãs declarados do Deus dos Mangás. A dupla trabalhou também no Tezuka Mix, publicação criada para celebrar os 90 anos do autor, com a história A Noite da Princesa, uma mistura entre o filme A Princesa e o Plebeu e o mangá A Princesa e o Cavaleiro. Leão não escondeu a emoção ao relembrar a responsabilidade de escrever os roteiros do encontro: “quando fui escolhida para escrever o encontro já trabalhava aqui, mas era relativamente nova. Foi emocionante, pois sabemos a importância desse encontro. Somos muito fãs”.

Amazônia, coincidências e parceria inédita

Após o tour pela MSP, a dupla reservou alguns minutos para responder perguntas. Em primeiro lugar, Mauricio de Sousa comemorou a visita de Makoto, se dizendo honrado e feliz por receber “um pedaço vivo” de seu amigo para retomar conversas sobre temas em comum e combinados de décadas atrás. Já Makoto relembrou seu primeiro encontro com Mauricio, que só aconteceu após o falecimento de seu pai, durante uma visita do brasileiro ao Japão, quando surgiu a ideia do encontro entre os personagens. O cineasta afirmou que sempre quis conhecê-lo, pois Osamu falava muito sobre a profunda amizade com o quadrinista.

Durante o bate-papo, Mauricio revelou que foi convidado a terminar uma história iniciada por Tezuka: “vai ser um desafio, um negócio difícil. Vou ter que buscar o estilo dele, dar uma relida em suas histórias”. Como curiosidade, o quadrinista afirmou também que vai consultar Alice Takeda, diretora de arte da MSP e esposa do autor, a quem definiu como “uma especialista nas histórias do Tezuka”. Ela, por sua vez, se declarou emocionada por continuar a obra de um escritor que lia durante sua infância e adolescência.

A história será sobre a Amazônia, o que fez Mauricio relembrar a forma como abordava a floresta em suas histórias. Seus temas principais eram preservação e reflorestamento, preocupações diferentes das atuais, que se tornaram destaque nos noticiários do mundo todo devido ao aumento no número de queimadas, o que o autor definiu como “um negócio terrível”. Como sua produção inicial não falava em incêndios, não sabe ainda como será a abordagem na história: “não parei para pensar ainda”. Alice, por outro lado, afirmou a importância em reforçar não só a preservação, mas também conservação e manutenção. A escolha não é por acaso, já que o meio-ambiente é um tema em comum nas diferentes obras dos autores, como relembrado por Makoto: “Meu pai sempre destacava a importância de cuidarmos e preservamos a natureza. Ele ficou muito feliz que o sr. Mauricio tenha trabalhado e expandido esse tema, dando continuidade ao que meu pai havia feito”.

Feito o anúncio, Tezuka compartilhou uma curiosa semelhança entre seu pai e Mauricio de Sousa. O diretor descobriu durante sua visita que Bidu, o cachorrinho de Franjinha, era para ser cinza, mas se tornou azul graças à um erro de impressão. Osamu Tezuka passou por algo parecido com Kimba, que chegou a ser colorido com as cores reais de um leão. Entretanto, o autor realizou a pintura em luz baixa, e quando recebeu a prova da gráfica percebeu que ele estava branco. Satisfeito com o resultado, o autor decidiu deixar o personagem assim mesmo. Alegre em compartilhar o paralelo entre o primeiro personagem criado por Maurício e O Leão Branco, Makoto celebrou a genialidade dos quadrinistas: “Para quem tem dom e talento, grandes personagens surgem assim”, completou Tezuka.