Vikings destaca conflito entre personagens clássicos no retorno do 5º ano

Créditos da imagem: Vikings/Fox Premium/Divulgação

Séries e TV

Artigo

Vikings destaca conflito entre personagens clássicos no retorno do 5º ano

Decisão pode indicar que seriado está rumo ao fim

Arthur Eloi
05.12.2018
17h59
Atualizada em
05.12.2018
19h09
Atualizada em 05.12.2018 às 19h09

Após um início de temporada turbulento, o quinto ano de Vikings retornou de seu hiato para retomar o conflito entre Ivar, O Desossado (Alex Hogh Andersen) e Lagertha (Katheryn Winnick). A diferença é que, dessa vez, parece mais um novo início para a série do que uma continuação - ainda que isso levante muitas dúvidas sobre o futuro do programa.

[Cuidado! Spoilers da quinta temporada de Vikings abaixo]

Quando o seriado entrou em hiato, parecia que tudo estava resolvido: o grande combate entre exércitos chegou a uma conclusão sangrenta, com o lado de Bjorn (Alexander Ludwig) deixando Kattegat derrotado. Alguns ganchos ficaram no ar - como o retorno de Rollo (Clive Standen) - mas nada realmente forte. Dessa forma, o programa volta com a chance de criar novas tramas e conflitos.

Em "The Revelation", isso se torna o foco: a série retorna mostrando a Era de Ivar está prestes a começar, mostrando-o celebrando seu controle sob a cidade nórdica e planejando seu reinado. Quando Rollo chega à cidade, logo fica claro que o irmão Lothbrok ganhará destaque. O guerreiro exige sua participação na vitória do Desossado, e volta para esclarecer uma das grandes teorias pelos fãs: a paternidade de Bjorn.

Anteriormente, o criador Michael Hirst já havia indicado que isso se tornaria relevante, explicando que uma cena da primeira temporada, em que Rollo discute a questão com Lagertha, foi algo que poucos espectadores pegaram. Agora, o programa confirma que Bjorn não é filho de Ragnar (Travis Fimmel) - mas que ele não aceitará isso facilmente.

Essa recusa por parte de Bjorn e Lagertha, colocada em contraste com o poder, influência e interesse de Rollo, tem potencial para ser o arco principal da temporada - não só por poder entregar uma conclusão para os dois únicos personagens "clássicos" restantes, como também pela falta de profundidade dos demais. O subplot de Floki (Gustaf Skarsgard), por exemplo, apenas enrolou na primeira metade e não parece que chegará em lugar algum. Ivar, por sua vez, precisa crescer em personalidade e definir objetivos para não tornar-se um vilão caricato.

Vikings tem a possibilidade de tomar um novo rumo com tramas inéditas, mas o uso dos últimos personagens antigos passa a sensação de que a série está caminhando para o seu fim. Até certo ponto faz sentido: a série não criou nada realmente bombástico desde o fim de Ragnar, e amarrar as histórias de Rollo e Lagertha pode ser o próximo passo para dar uma conclusão de respeito para a jornada dos guerreiros. Se isso for o caso, os episódios seguintes devem começar a dar ainda mais destaque à dupla - e, infelizmente, jogar Ivar, Floki e os demais cada vez mais para o fundo.

Vikings é transmitida no Brasil todas as quintas pelo Fox Premium, às 23h. Os episódios - assim como as temporadas anteriores - estão disponíveis no serviço de streaming Fox App. Você também encontra até a primeira metade do ano cinco na Netflix.