HQ/Livros

Artigo

O Super-Homem nos quadrinhos pós-Crise nas infinitas Terras

O Super-Homem nos quadrinhos pós-Crise nas infinitas Terras

Marcus Vinícius de Medeiros
11.07.2006
00h00
Atualizada em
04.11.2016
23h00
Atualizada em 04.11.2016 às 23h00

Crise nas infinitas Terras

The Man of Steel

A morte...

... e o retorno

O Super-Homem elétrico

O reino do amanhã

As quatro estações

Identidade secreta

Legado das estrelas

All-Star Superman

Após a maxissérie Crise nas Infinitas Terras, surgiu um novo Super-Homem, reformulado pela artista John Byrne, que havia se consagrado por seus trabalhos na Marvel Comics. Ele escreveu e desenhou a minissérie The Man of Steel, com o propósito de apresentar o Homem de Aço a uma nova geração e resolver muitos dos problemas que, na sua visão, prejudicavam o personagem. Todos os elementos da mitologia, trabalhados ao longo de cinco décadas, estavam perdidos; aqueles que fossem repensados por Byrne, teriam seu espaço, outros deveriam ser esquecidos. Enquanto Byrne assumiu as revistas Superman e Action Comics, o terceiro título, Adventures of Superman, ficou a cargo de Marv Wolfman, o próprio autor da Crise, em parceria com o desenhista Jerry Ordway. Ainda hoje, a mudança gera polêmica: Byrne queria se desfazer dos excessos e retomar os conceitos originais do personagem, aproveitando as abordagens da série de TV e do cinema. Contudo, foi tão radical que acabou eliminando muito do apelo básico do herói e criando algo diferente e quase irreconhecível para os antigos fãs.

O maior diferencial da origem do Super-Homem de John Byrne dizia respeito ao planeta Krypton e a sua criação por Jonathan e Martha Kent. Para o artista, a ligação emocional do herói com seu planeta natal era um problema, pois ele reverenciava mais sua herança kryptoniana que a terrestre. A solução adotada foi fazer de Krypton um planeta estéril e sem emoções, uma visão distópica da sociedade, onde experimentos na área e clonagem geraram guerras e devastações, resultando num mundo frio que, segundo o próprio autor, merecia explodir. Assim sendo, Kal-El é achado pelos Kents e criado segundo seus elevados valores morais, com poderes desenvolvendo-se gradualmente na sua juventude, em Smallville. Entra aí outra diferença: Clark Kent passou a ser a verdadeira personalidade do herói, e o Super-Homem, apenas um disfarce. Convém ressaltar que este novo Clark estava longe de ser o tímido e pacato personagem imaginada por Jerry Siegel e Joe Shuster, mas fora um campeão de futebol americano no colégio e se tornou um jornalista famoso e romancista de sucesso em Metrópolis. Além disso, foi eliminado o passado como Superboy, a amizade com Lex Luthor, e todos os outros sobreviventes de Krypton, como a Supermoça, os criminosos aprisionados na Zona Fantasma, Krypto, e a cidade engarrafada de Kandor. O Super-Homem deveria ser único. Com seus poderes reduzidos, carência do elemento trágico em sua origem - tanto por Krypton quanto pelo fato de os Kents continuarem vivos -, e a mudança na dicotomia Clark Kent/Super-Homem, o resultado foi apenas mais um super-herói.

O vilão Lex Luthor foi reinterpretado por Byrne seguindo uma proposta de seu colega Marv Wolfman. No lugar da mente criminosa mais brilhante de todos os tempos, entrava o homem mais rico do mundo, dono de Metrópolis e intocado pela lei. Luthor erguera o império Lexcorp, com base na invenção de um caça arrojado, e ocultava bem seus atos criminosos, sendo visto como um filantropo. Byrne deu prosseguimento à origem do Super-Homem nas minisséries O Mundo de Krypton, O Mundo de Metrópolis e O Mundo de Pequenópolis (Smallville). Nas revistas mensais, apresentou versões mais realistas de vilões clássicos em histórias apenas regulares, enquanto apresentava encontros do Super-Homem com grandes heróis do Universo DC. Seu Super-Homem não era membro da Liga da Justiça, perdendo um pouco da força inspiradora do ideal heróico no mundo. O ponto forte foi a reformulação de Lois Lane, agora uma mulher de personalidade muito melhor definida. Wolfman retomou um pouco da preocupação social das primeiras histórias do Super-Homem, abordando questões urbanas como tráfico de drogas, guerra de gangues e ataques terroristas provocados por ditadores. Contudo, ele acabou afastado devido a divergências criativas com a editora. E Byrne viria a cometer seu maior equívoco.

Para explicar a existência da Legião dos Super-Heróis no século 30, Byrne criou um Universo Compacto onde existiam apenas o planeta Krypton e a Terra. Nesta realidade, a história seguia a mitologia pré-Crise, e nela existia um Superboy que se encontrava com os Legionários. O roteirista aproveitou a oportunidade para trazer de volta também a Supermoça, mas numa versão diferente: ela era uma matriz de protoplasma capaz de alterar sua forma, dotada de poderes telecinéticos, e guardava muito pouco de sua contraparte da Era de Prata. O conceito do Universo Compacto desagradou os editores da DC Comics, que ordenaram a sua destruição. Portanto, a última saga de John Byrne com o personagem foi também a mais polêmica. O Super-Homem é incapaz de impedir que a Terra do Universo Compacto seja devastada pelos kryptonianos fugitivos da Zona Fantasma e, transtornado, comete um ato imperdoável: "executa" os criminosos com kryptonita, a sangue frio, estando eles já derrotados. Este Super-Homem já não era mais um super-herói capaz de nos inspirar ou gerar identificação, era um fracasso em todos os níveis. Após a saída de Byrne, o personagem voltou a uma fase de boas histórias pelas mãos de novos roteiristas, como Roger Stern, Dan Jurgens, George Pérez e Jerry Ordway.

Ainda que eles estivessem escrevendo uma versão "marvelizada" do Super-Homem, a seqüência de histórias funcionava. Essa geração de artistas soube trabalhar bem as relações de personagens coadjuvantes, dando vida à cidade de Metrópolis. Cat Grant, José Delgado/Predador, o Guardião e a Legião Jovem, O Professor Emil Hamilton, além dos clássicos Jimmy Olsen, Perry White e Lois Lane brilharam como nunca. O Super-Homem alcançou redenção exilando-se no espaço, onde também aprendeu mais sobre sua herança kryptoniana. A relação com Batman, que mudara de amizade para respeito mútuo com a reformulação dos dois personagens, passou a evoluir. Histórias fechadas de interesse humano e grandes sagas foram produzidas no período, como "O Dia do Kryptoniano", "Perdido no Tempo", e a mais importante, "A ameaça da Kryptonita Vermelha". Nesta história o Super-Homem viu-se privado de seus poderes, e pôde repensar sua relação com Lois Lane, pedindo-a em casamento. Num final surpreendente, ela aceita o pedido. Estava tudo pronto para o enlace, até que a série televisiva Lois e Clark exigiu que a história fosse adiada. A solução dos roteiristas dos quadrinhos foi uma saga muito mais bombástica: A Morte do Super-Homem. Atraindo a atenção maciça dos leitores e da mídia, em 1992 a edição Superman 75 chocou o mundo com o Homem de Aço morrendo ao enfrentar nas ruas de Metrópolis o monstruoso Apocalypse. Para os roteiristas do personagem, era apenas o início de uma saga, mas para o mundo, parecia ser definitivo. As duas sagas que se seguiram estão entre as melhores, justamente por mostrar as conseqüências da morte do Homem de Aço. "Funeral para um amigo" mostrou o mundo sobrevivendo sem seu maior herói. Depois foi a vez de "o Retorno do Super-Homem", que introduziu quatro supostos Super-Homens: um novo Superboy, Aço, Ciborgue e o Erradicador, além do retorno triunfal de Kal-El.

Os novos personagens voltaram a ser explorados com o sucesso da saga, Superboy e Aço ganharam revistas próprias, e a franquia Superman tornou-se novamente um fenômeno de vendas. Contudo, os roteiristas haviam plantado as sementes de sua própria decadência. Após o "Retorno", tornaram-se escravos da fórmula de megassagas e eventos bombásticos, enchendo as revistas de personagens coadjuvantes e diminuindo cada vez mais a relevância do Último Filho de Krypton. Destacam-se "O Casamento do Super-Homem", em 1996, e sagas sofríveis como a do Super-Homem Elétrico, que se desdobra na saga dos Super-Homens Azul e Vermelho. Fora das revistas de linha, contudo, três roteiristas que admiravam a mitologia e o idealismo do Super-Homem pré-Crise começaram a resgatar seus valores e mudar os rumos da história. Reino do Amanhã, de Mark Waid e Alex Ross, Super-Homem: As Quatro Estações, de Jeph Loeb e Tim Sale, e a nova Liga da Justiça, de Grant Morrison, trouxeram de volta o potencial icônico do primeiro super-herói. Com a entrada de novas equipes criativas em 1999, tendo à frente os roteirista Jeph Loeb e Joe Kelly, não haveria mais limites para o Homem de Aço.

Uma forma errônea de visualizar o retorno de elementos passados à cronologia é considerar o movimento como pura nostalgia, quando ocorre algo bem diferente. Loeb e Kelly investiram na grandiosidade do herói e reintroduziram elementos clássicos, mas com reviravoltas surpreendentes. Em meio a sagas cósmicas, houve histórias intimistas que desafiaram o Super-Homem em nível pessoal. O casamento com Lois Lane, que para muitos significaria estagnação, rendeu histórias emocionantes e cenas apimentadas. Numa das tramas mais ousadas de todos os tempos, Lex Luthor foi eleito presidente dos Estados Unidos, possibilitando críticas políticas e uma análise mais fria do "ideal americano". Na saga "Retorno a Krypton", o Super-Homem reencontrou seus pais, na visão otimista do planeta idealizada por Siegel e Shuster. O supercão Krypto também foi trazido de volta, mas perfeitamente adaptado aos novos tempos. Em 2003, uma nova origem foi apresentada na maxissérie Superman: O Legado das Estrelas, escrita por Mark Waid e ilustrada por Leinil F. Yu, mesclando diferentes versões de forma coesa e inteligente. Foram reinventados o planeta Krypton, representando agora o espírito de pioneirismo e coragem universal, a amizade de Clark Kent e Lex Luthor quando adolescentes, e a própria essência do Super-Homem. Kurt Busiek e Stuart Immonem produziram Superman: Identidade Secreta, sobre um Clark Kent no mundo real. Brian Azzarello e Jim Lee levaram o personagem ao topo da lista de mais vendidos com a saga "Pelo Amanhã". Nas páginas de Superman/Batman, Jeph Loeb trouxe de volta Kara Zor-El, a Supermoça da Era de Prata, agora um pouco mais rebelde, que passou a integrar a Legião dos Super-Heróis. E Grant Morrison e Frank Quitely dão uma aula de mitologia moderna em All-Star Superman.

Em decorrência da sombria Crise de Identidade, assinada pelo romancista Brad Meltzer, e em comemoração dos 20 anos de Crise nas Infinitas Terras, a DC publicou em 2005 a minissérie Crise Infinita. Produzida por Geoff Johns e Phil Jimenez, a nova Crise abala as estruturas do Universo DC, mas já se pode dizer que as conseqüências são positivas. Kurt Busiek já está confirmado como roteirista de Superman, e especula-se que Richard Donner possa vir a escrever Action Comics. Já não há pretensão de desconstruir ou modernizar um herói definitivo. Que venham essas novas super-histórias.

Especial Super-Homem