Gintama se despede do público após enganar leitores duas vezes

Créditos da imagem: Gintama

HQ/Livros

Artigo

Gintama se despede do público após enganar leitores duas vezes

Autor enganou fãs, mas finalmente concluiu a saga

Fábio Garcia
28.06.2019
17h35
Atualizada em
28.06.2019
18h08
Atualizada em 28.06.2019 às 18h08

Em meados de 2018, a revista semanal Shonen Jump avisou seus leitores que o mangá de comédia Gintama, um dos mais antigos da antologia (ao lado de One Piece, imbatível como o mais velho por lá), chegaria ao final em setembro daquele ano. Os leitores da série protagonizada pelo samurai faz-tudo Gintoki, no entanto, não sabiam que estavam prestes a cair em uma série de pegadinhas feitas pelo autor, Hideaki Sorachi, por motivos de… falta de planejamento.

Quem comprou aquela edição da Shonen Jump esperando encontrar o final de Gintama sentiu-se frustrado e, por que não, enganado pelo autor. Em uma estratégia digna de figurar em denúncia de propaganda enganosa, Hideaki Sorachi terminou seu mangá avisando que havia chegado ao final… da publicação na Shonen Jump. O mangá não. O autor explicou em uma espécie de “carta aberta” que aqueles 5 capítulos previstos para encerrar não eram suficientes, então o mangá de Gintama saiu da Shonen Jump e passou a ser publicado na Jump Giga, uma publicação mensal da mesma editora.

Esse "truque" de finalizar uma história em outra revista, no entanto, é até bem comum entre mangás da Shonen Jump. Recentemente Shokugeki no Souma (ou Food Wars, como também é conhecido no ocidente), mangá de culinária com popularidade em queda, também encerrou na antologia sem terminar sua história, deixando os capítulos finais para a Jump Giga. Só que no caso de Gintama o buraco estava mais em baixo, pois o Sorachi não conseguiu terminar o mangá, nem mesmo nessa “prorrogação”.

Na edição da Jump Giga prevista para conter o último capítulo de Gintama, novamente o autor avisou que a história não havia encerrado e que os capítulos finais seriam disponibilizados em um aplicativo de smartphone dedicado ao mangá. Ou seja, os fãs foram enganados uma segunda vez.

Após mais alguns capítulos, lançados gratuitamente no Japão pelo app, e depois de muito receio dos fãs de Gintama mudar mais uma vez, o mangá foi encerrado definitivamente com o capítulo publicado no último dia 20 de junho, quase um ano após o primeiro anúncio de término. Os fãs ficaram até tristes, mas houve aquele alívio por saber que o Sorachi não enganaria seu público uma terceira vez.

Mas o que é Gintama?

Gintama é ambientado em Edo, num período daqueles que vimos aos montes em séries de samurai como Rurouni Kenshin. A diferença nesse caso é que o Japão foi invadido pelos alienígenas Amanto e o governo decide não oferecer resistência. Nessa ambientação meio doida, acompanhamos o trabalho de Gintoki, um freelancer que tem uma empresa cujo serviço é... resolver qualquer problema.

A série fez bastante sucesso no Japão por seu humor escrachado e quebra constante da quarta parede. Em muitos momentos, os personagens pareciam saber que estavam dentro de um mangá e usavam os clichês para resolver problemas. Gintama também ficou famoso por parodiar séries famosas, tanto no mangá quanto no anime. Existe até um episódio repleto de referências a Cavaleiros do Zodíaco!

Gintama rendeu 77 volumes encadernados, tornando um pouco difícil a publicação no Brasil. O anime (que cobre boa parte da história) esteve disponível um tempo atrás na Netflix com uma dublagem meio duvidosa, mas atualmente está na Crunchyroll com legendas em português.