HQ/Livros

Notícia

Biografia do criador de Charlie Brown vira motivo de polêmica

Família de Charles Schulz contesta versão "melancólica" do livro de David Michaelis

Érico Assis
11.10.2007, às 00H00
ATUALIZADA EM 21.09.2014, ÀS 13H29
ATUALIZADA EM 21.09.2014, ÀS 13H29

Schulz and Peanuts é a primeira biografia de Charles Schulz, o criador de Charlie Brown, Snoopy e sua turma, a ser lançada após a morte do autor, em 2000. São 670 páginas escritas pelo jornalista David Michaelis, que serão lançadas na semana que vem nos EUA. E já atraem controvérsia.

Schulz and peanuts

None

Segundo matéria do New York Times esta semana, a família de Schulz aprovou a iniciativa de Michaelis e colaborou com material desde o início - mas não gostou do resultado.

A biografia retrata o cartunista como um homem extremamente melancólico e que estava sempre correndo atrás de várias mulheres. Schulz seria uma versão crescida, e triste, de Charlie Brown. "Acho que ele quis escrever um livro assim, e usou a nossa família", reclama Amy Schulz Johnson, filha do biografado.

Jean Schulz, segunda esposa do autor, diz que o livro "não é um retrato completo. Sparky [apelido do cartunista] era muito mais. Na maior parte do tempo, ele amava rir".

"Acho que a melancolia de Sparky e seu primeiro casamento são mais interessantes de descrever do que 25 anos de felicidade. Felicidade não é divertida", diz a viúva, lembrando que a última frase era a resposta de Schulz quando questionado por que Charlie Brown nunca conseguia chutar a bola.

O filho do primeiro casamento, Monte Schulz, é o principal crítico da biografia. Diz que há diversas inconsistências no relato dos fatos e que a publicação é "um absurdo".

O autor Michaelis comenta que é difícil para uma família ver seu pai de forma diferente do que está acostumada. "Este é o homem que encontrei", relatou o autor, assegurando ao NYT que sua versão da história é a correta.

Schulz and Peanuts traz não só a história de Charles Schulz, mas também comparações de seu estado de espírito com os 50 anos de tiras - reproduzidas nas páginas - que desenhou. A edição da Harper sai dia 16 nos EUA, ao preço de US$ 34,95.

Leia artigo especial sobre Charles Schulz

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.