HQ/Livros

Artigo

Aqui Dentro e Lá Fora

Coluna 2 em 1 que traz o melhor dos quadrinhos no Brasil e no mundo

Érico Assis
22.10.2009
01h00
Atualizada em
05.11.2016
05h09
Atualizada em 05.11.2016 às 05h09

A partir de agora vamos tentar algo diferente. As colunas AQUI DENTRO e LÁ FORA se fundem e ganham uma periodicidade semanal.

Era um projeto antigo e que vai servir pra gente dar mais vazão para as coisas que saem no Brasil e manter você também atualizado sobre o que está acontecendo longe das nossas bancas.

Giant-Size Wolverine: Old Man Logan

None

Aya de Yopougon

None

Vamos começar?

As duas primeiras estão aí abaixo:

AQUI DENTRO: Aya de Yopougon

O quê: Aya é uma jovem da Costa do Marfim que, diferente das garotas de Yop City, não quer saber de festa nem de garotos. Aos 19 anos, ela decidiu que quer ser médica. Suas amigas, por outro lado, só se metem em confusão.

Quem: roteiro da Marguerite Abouet, natural da Costa do Marfim; arte de seu marido, o francês Clement Oubrerie.

Por quê: HQs francesas são cada vez menos raras no Brasil, mas, frente ao número de material estadunidense, ainda recebemos muito pouco. Pouquíssimo, aliás, se você ver a quantidade de boas HQs que sai na França todo mês. Mas se vale o consolo, o top do top aos poucos está aparecendo aqui.

Aya é um exemplo. Festejada pela crítica da Europa e depois pelos especialistas dos EUA, a HQ finalmente aparece no Brasil. E merece o festejo. A narrativa espertíssima de Abouet e Oubrerie é comparável à de outros franceses (ou gente que publica originalmente na França) que aportam por aqui, como Marjane Satrapi (Persépolis), David B. (Epiléptico), Christophe Blain (Isaac o Pirata) e Joann Sfar (O Gato do Rabino).

Por tudo isso, é desnecessário dizer que o álbum é completamente diferente de um quadrinho norte-americano. A começar pelo desenho, mais caricato e orgânico, contrastando com a ênfase realista da maioria dos gibis americanos. A moral (ou falta dela) também é outra e há um ritmo diferente daquele que você está acostumado. E mesmo a história sobre uma menina crescendo numa pequena cidade africana - uma África sem AIDS e sem guerra, aliás, embora pobre - fica empolgante.

(Aliás, parece ser bom gibi para meninas: outra raridade no mercado nacional.)

Enfim, é outro gosto. Algo como ir a um restaurante de verdade depois de anos comendo só no McDonald’s. Dê uma garfada aqui.

Onde e quanto: lançado pela L&PM, com preço sugerido de R$ 38. Compre aqui

LÁ FORA: Giant-Size Wolverine: Old Man Logan

O quê: a conclusão de "Old Man Logan", saga que mostra um futuro alternativo em que os vilões dominaram o Universo Marvel e Wolverine volta à ativa após 20 anos sem mostrar as garras.

Quem: Roteiro de Mark Millar e desenhos de Steve McNiven, mesma dupla de Guerra Civil.

Por quê: Guerra Civil foi a HQ mais vendida da década, então a empolgação é óbvia quando a dupla criativa responsável pela minissérie volta a trabalhar junta - e com Wolverine, um dos personagens mais pops dos quadrinhos atualmente. Some as declarações dos autores de que será o "Cavaleiro das Trevas de Wolverine" e o circo está armado.

(A partir daqui, spoilers. Esteja avisado.)

"Old Man Logan" - ou "O Velho Logan", na versão brasileira - se compara a O Cavaleiro das Trevas, a Bat-história suprema de Frank Miller? Óbvio que não. E isso não foi surpresa para ninguém. "Old Man" é, mais do que qualquer coisa, para velhos consumidores do Universo Marvel que querem ficar catando referências obscuras do que resta do mundo dos heróis nesse futuro apocalíptico. E, além disso, para os fãs do Wolverine sanguinário totalmente sem censura.

O capítulo final da saga é nada mais do que isso: Wolverine fatiando, literalmente, tudo que vê pela frente. Nada mais. A única pausa é para o conflito Logan x Bruce Banner, onde Millar e McNiven se permitem uma solução escatológica (e bem previsível). E o final homenagem - ou plágio - a Lobo Solitário.

Onde e quanto: lançada há algumas semanas pela Marvel nos EUA, a edição final custa US$ 4,99. A coletânea com "Old Man Logan" completa sai em novembro lá fora, e vai custar US$ 34,99 (224 páginas, capa dura).