HQ/Livros

Artigo

Aqui Dentro e Lá Fora (20/01/2010)

Johnny Cash: Uma Biografia e The Invincible Iron Man 21

Érico Assis
21.01.2010
03h00
Atualizada em
02.12.2016
18h01
Atualizada em 02.12.2016 às 18h01

Agora, as colunas AQUI DENTRO e LÁ FORA se fundem e ganham uma periodicidade semanal. Era um projeto antigo e que vai servir pra gente dar mais vazão para as coisas que saem no Brasil e manter você também atualizado sobre o que está acontecendo longe das nossas bancas.

Vamos lá?

The Invincible Iron Ma

None

Johnny Cash

None

AQUI DENTRO: JOHNNY CASH: UMA BIOGRAFIA

O QUÊ: Biografia em quadrinhos do astro da música norte-americana Johnny Cash, premiadíssima na Alemanha, onde foi publicada originalmente. O lançamento brasileiro é da editora 8Inverso.

QUEM: Reinhard Kleist, autor de várias graphic novels na Alemanha mas pouco conhecido fora da Europa.

POR QUÊ: A primeira pergunta diante de uma biografia em quadrinhos de Johnny Cash é o quanto ela quis se aproveitar do destaque do nome do cantor após a cinebiografia Johnny & June, de 2005. E mais: se não perde justamente esse hype, quatro anos depois do filme.

A pergunta não foi só sua. O próprio autor pensou em desistir do projeto quando, já com roteiro e esboços em andamento, ficou sabendo que James Mangold preparava um filme sobre o mesmo personagem. Mas mesmo assim resolveu seguir em frente e fazer a graphic novel sobre um dos seus ídolos.

Há coincidências entre filme e HQ, como o foco no show da prisão de Folsom. A graphic novel, porém, aborda episódios da vida de Cash que o filme deixou de lado, além de ter um ritmo mais próprio para os quadrinhos. Uma das maneiras que Kleist se aproveita da linguagem é "dramatizando" letras de Cash, criando pequenas sequências no livro que contam as histórias de "Big River", "Don't Take Your Guns to Town" e outras músicas.

O resultado é provavelmente mais interessante para fãs de Cash, no sentido em que Kleist não só conta, mas interpreta vida e obra do músico. Aliás, os momentos fracos do álbum são justamente aqueles em que Kleist apenas conta, didaticamente, "aí aconteceu isso", "aí aconteceu aquilo", "depois aconteceu isso" - mesmo problema de narrativa que afeta a maioria das cinebiografias.

Outro problema são os diálogos "duros", que parecem emperrar a narrativa - o que não se sabe se é problema do texto original ou da tradução.

A trama avança até a gravação de Hurt, último trabalho de Cash. A sequência final é poderosa na interpretação visual da vida marcante do cantor. E o álbum vale por ela.

ONDE E QUANTO: O livro tem o preço sugerido de R$ 44 e pode ser encontrado em livrarias. Compre aqui com desconto.

LÁ FORA: THE INVINCIBLE IRON MAN #21

O QUÊ: A principal série mensal do Homem de Ferro, publicada pela Marvel.

QUEM: A série está desde o seu início, em 2008, sob o comando do escritor Matt Fraction (X-Men, Casanova) e do desenhista Salvador Larroca (X-Men, Quarteto Fantástico).

POR QUÊ: Invincible Iron Man, a série do Homem de Ferro lançada na mesma época que o primeiro filme do herói, rendeu o primeiro prêmio Eisner para a Marvel em dez anos na categoria Melhor Nova Série (o último tinha sido por Inumanos, em 1999). Considerando que, ao contrário da DC, a Marvel não costuma ganhar muitos Eisners, é um feito de peso.

Um feito ainda maior considerando que Fraction e Larroca assumiram uma série que tinha que capturar leitores vindos do filme, uma tremenda responsabilidade. Tony Stark, para completar, é personagem central do Universo Marvel, envolvido nas principais histórias dos últimos anos.

A resposta dos autores ao desafio: aventura blockbuster, com um tom "esperto" bem adequado à inteligência prodigiosa de Tony Stark. A primeira história, "Os Cinco Pesadelos", já publicada no Brasil, trazia um novo inimigo com poder para destruir todo o império Stark. Mas foi o segundo e longo arco (das edições 8 à 19), "O Mais Procurado do Mundo", que conquistou fãs e críticos.

Foi um ano de gato e rato entre Norman Osborn e Tony Stark, em uma aventura que atravessou o mundo. Um Homem de Ferro metido a Jason Bourne, com um porém: para que Osborn não recupere seus segredos, ele aos poucos está perdendo partes de sua capacidade cerebral. Ou seja, Stark menos gênio a cada capítulo, quanto mais Osborn chega perto. O final, claro, é apoteótico.

A nova história, "Stark: Disassembled", mostra as consequências de "Mais Procurado". Vale lembrar que, ao longo de tudo isso, Fraction teve que se adaptar a cada passo de sagas da Marvel como Invasão Secreta, Reinado Sombrio e a nova Siege.

É gibi de ação dos bons, que não se pauta pelo que os outros quadrinhos estão fazendo, mas pelo que a cultura pop oferece de melhor em termos de entretenimento esperto. Com o segundo filme prestes a chegar, o ferroso não poderia estar melhor representado.

ONDE E QUANTO: Vale a pena esperar até o final de março, quando sai nos EUA The Invincible Iron Man Omnibus, reunindo as 19 primeiras edições da série em capa dura. O livrão de 350 páginas vai custar US$ 39,99 (R$ 70). Cada edição da série atual custa US$ 3,99 (R$ 7).