Música

Artigo

Melhores Álbuns de 2012 | Especial

Omelete reúne jornalistas e faz votação pública para eleger os destaques do ano

Thiago Romariz
18.12.2012
16h47
Atualizada em
08.11.2016
11h08
Atualizada em 08.11.2016 às 11h08

Para eleger os melhores álbuns de 2012, o Omelete compôs duas listas: uma com os eleitos pela crítica especializada e outra com a escolha do público.

Oito jornalistas foram convidados a listar os cinco melhores discos do ano, nacionais e internacionais, por ordem de preferência. Pela fórmula, o primeiro de cada lista vale dez pontos, o segundo vale oito e assim por diante. Em caso de empate, ganha o disco que teve mais primeiros lugares. A escolha do público foi representada pelo resultado da enquete publicada no Facebook oficial do Omelete.

Os convidados foram Pablo Miyazawa (Rolling Stone), Lúcio Ribeiro (Popload), Pedro Couto (Dylanesco), Alexandre Matias (Trabalho Sujo e Galileu), Juliano Zappia (Jungle Drums), Guilherme Guedes (Vírgula e Tenho Mais Discos Que Amigos), Camila Martins e Anna Carolina Lementy (Colherada Cultural) e José Flávio Junior (Bravo! Billboard).

MELHORES ÁLBUNS DE 2012

Nacional

Céu - Caravana Sereia Bloom (24 pontos)

A versatilidade do terceiro disco da paulista Céu a fez ganhar o primeiro lugar da eleição da crítica especializada. A companhia de outros músicos renamodos do cenário musical brasileiro como Gui Amabis, seu marido, o colega Curumin e Edgar Poças, seu pai, também contribuíram para a vitória.

"Céu é inventiva e mistura sonoridades que vão do brega ao reggae. Sua proposta de road movie sonoro conquistou com  texturas, vinhetas e voz sempre sensual" - Camila Martins, do Colherada Cultural.

Assista ao clipe de "Retrovisor"

Tulipa Ruiz - Tudo Tanto (18 pontos)

Tulipa enveredou para o pop sem se entregar ao modismo. Com novos ritmos e uma batida mais acessível aos ouvidos alheios, a cantora contou com a colaboração de artistas como Lulu Santos e Criolo na produção deste seu segundo álbum.

"Além de funcionar como a continuação de Efêmera, seu surpreendente debut, este disco mostra o rápido amadurecimento de Tulipa, tanto como compositora e cantora. Duvida? Então apague a luz, feche os olhos e se perca no blues da dramática "Víbora", ou no diálogo feroz entre a guitarra e os vocais de Tulipa em "Like This", pra ter certeza" - Juliano Zappia, do Jungle Drums.

Assista ao clipe de "É"

Silva - Claridão (16 pontos)

O capixaba Silva foi uma das maiores surpresas do ano. Apesar de ter lançado um EP ano passado, o jovem de 23 anos chamou atenção com seu primeiro disco completo e um show empolgante no festival Sónar São Paulo.

"Grata surpresa de um nome que - ainda que comum - permanecerá muito por aí" - Pablo Miyazawa, da Rolling Stone.

Assista o clipe de "Mais Cedo"

Curumin - Arrocha (14 pontos)

As limitações que o atingiram para produzir Arrocha não impediram que Curumin fizesse um dos melhores discos do ano. Bastaram uma bateria, uma baixo e alguns programas de edição para que, de dentro de casa, o cantor paulista entregasse seu terceiro álbum.

"Meio Stevie Wonder, meio Jorge Ben, Curumin é um dos melhores segredos da nova música paulistana - e em seu terceiro disco, soa mais agressivo, pesado e incisivo, mas sem perder a leveza, o romantismo e o suingue"  - Alexandre Matias, dono do Trabalho Sujo e diretor de redação da Galileu.

Ouça a faixa "Passarinho"

5º Tom Zé - Tropicália Lixo Lógico (12 pontos)

Camaleônico e versátil como sempre, Tom Zé optou desta vez por rearranjar a os ritmos da tropicália, com a ajuda de músicos da nova geração como Emicida, Mallu Magalhães e Rodrigo Amarante.

"Ao invés de desconstruir a Tropicália como fez com o Pagode e o Samba na série “Estudando...”, Tom Zé preferiu revisitar o movimento de maneira única, lírica e com belíssimas melodias" - Pedro Couto, editor do Dylanesco.

Ouça a faixa "O Motobói e Maria Clara"

 

Internacional

1º Frank Ocean - Channel Orange (20 pontos)

Frank Ocean transita nos bastidores do show business há algum tempo, mas a sua estreia de gala ocorreu este ano. Em Channel Orange, a sensação do R&B estadunidense contou com o auxílio de John Mayer, Pharrell e Andre 3000 para fazer o melhor disco internacional do ano.

"O R&B reencontra o hip hop via música eletrônica enquanto o mais ousado dos Odd Future assume sua homossexualidade num disco épico, conceitual e ambicioso. Um Prince gay pós-Kanye West, um artista do século 21" - Alexandre Matias, dono do Trabalho Sujo e diretor de redação da Galileu.

Assista ao clipe de "Pyramids"

2º Leonard Cohen - Old Ideas (20 pontos)

Prestes a completar 80 anos, Cohen lançou seu disco de maior sucesso. Old Ideas naõ só representa a excelência musical de um símbolo do cantor canadense, mas também a supremacia da boa música em termos de venda e crítica.

"A voz grave e soturna de Cohen transforma lamentações, dores e até o prazer em um relato poético e sábio de alguém que viveu muita coisa" - Pedro Couto, editor do Dylanesco.

Ouça a faixa "Darkness"

3º Alabama Shakes - Boys & Girls (18 pontos)

O poderoso vocal de Brittany Howard, combinado com os arranjos de rockabilly e blues do grupo, fazem do Alabama Shakes não só a melhor surpresa do ano, mas também um dos grandes trabalhos de 2012. Ainda melhor é saber que eles tocarão no Brasil em março, no Lollapalooza 2013.

"Ouvir atentamente é, mais do que tudo, relembrar da música como ela era, um pouco suja e confusa, antes dos estúdios deixarem tudo perfeito demais" - Anna Carolina Lementy, editora do Colherada Cultural.

Assista ao clipe de "I Ain't The Same"

4º Cloud Nothings - Attack On Memory (14 pontos)

Apesar de ter sido lançado no começo do ano, o terceiro álbum do Cloud Nothings ficou na mídia durante todo o ano. A alta carga de produção do grupo, que lançou discos nos últimos três anos, não influenciou na qualidade do material, que entrega um rock de qualidade.

"O disco é anárquica e ecleticamente livre - o punk épico de "Wasted Days", com mais de nove minutos, é precedido pela balada sombria "No Future/No Past", e assim vai - e com pouco mais de meia hora de duração, consegue ser intenso sem exageros, ideal para ouvir no repeat" - Guilherme Guedes, repórter do Portal Vírgula e colunista do Tenho Mais Discos Que Amigos!.

Assista ao clipe de "No Future/ No Past"

5º Tame Impala - Lonerism (12 pontos)

Com seu segundo disco, os dos australianos do Tame Impala se estabalecem como grande nome da cena indie. Em Lonerism, eles abusam da psicodelia desde os clipes até as composições das faixas.

"Eles marcaram o ano com impacto, frescor inovativo em cima de um tema musical datado, no caso a psicodelia. As músicas são bonitas e trazem uma revitalização do "som-viagem" que ficou perdida nos anos 70" - Lúcio Ribeiro, do Popload e colunista da Folha de São Paulo.

Assista ao clipe de "Elephant"

 

MELHORES ÁLBUNS DE 2012 - ESCOLHA DO PÚBLICO

Nacional

Huaska - Samba de Preto (20,91%)

A junção de rock, MPB, samba e metal do Huaska foi a surpreendente escolha do público. Além da inovação e ousadia, o grupo contou com a benção de grandes nomes da música nacional, como Elza Soares e Eumir Deodato, ambos colaboradores de Samba de Preto.

Assista ao clipe de "Samba de Preto"

Raimundos e Ultraje a Rigor - O Embate do Século (15,66%)

Uma das melhores ideias do ano foi reunir os veteranos do Raimundos e do Ultraje para uma batalha musical. Os novos arranjos para clássicos de cada grupo foram a pedida certa para ressucitar o apreço pelo antigo rock brasileiro.

Assista ao clipe de "I Saw You Saying (That You Say That You Saw)"

NX Zero - Em Comum (14,97%)

Para Di Ferrero, vocalista do NX Zero, o sexto álbum de estúdio do grupo é um marco. Um ponto de mudança e inovação na carreira, com temáticas diferentes e um afastamento do rótulo de banda adolescente.

Assista ao clipe de "Em Comum"

Vivendo do Ócio - O Pensamento é um Imã (5,44%)

Os baianos do Vivendo do Ócio ultrapassaram a barreira da desconfiança que o segundo disco causa e entregam em O Pensamento é um Imã um trabalho sólido. A recepção positiva do primeiro álbum continua aqui, agora, com a aprovação de um público maior.

Assista ao clipe de "Nostalgia"

Fresno - Infinito (3,63%)

Ao se despir de preconceitos, o novo álbum do Fresno se torna uma das mais gratas surpresas do ano. Bem produzido e com canções fortes, o disco é um bom exemplo do que o rock brasileiro contemporâneo pode produzir.

Assista ao clipe de "Infinito"

 

Internacional

Jack White - Blunderbuss (8,56%)

O primeiro álbum solo de um dos maiores nomes da música mundial foi sucesso estrondoso de crítica e público. Jack White mescla todas suas experiências e projetos musicais em Blunderbuss.

Assista ao clipe de "I'm Shakin"

Linkin Park - Living Things (8,47%)

Os escorregões e experimentos que o Linkin Park fez nos últimos anos parecem não importar para os fãs, que aprovam o novo trabalho e por pouco não o fazem ser o mais votado do ano no Omelete.

Assista ao clipe de "Powerless"

Muse - The 2nd Law (7,60%)

Não há zona de conforto para o Muse. Mudando o estilo sem esquecer das raízes, o grupo apostou no dubstep e em novos arranjos para seu esperado álbum, The 2nd Law.

Assista ao clipe de "Follow Me"

Keane - Strangeland (6,17%)

Os acordes do teclado do Keane em Strangeland foram um sucesso de público inesperado. As vendas europeias foram acima do normal, algo merecido tendo em vista a qualidade do pop entregue pelos britânicos.

Assista ao clipe de "Disconnected"

Mumford and Sons - Babel (4,73%)

O segundo disco da carreira dos ingleses do Mumford and Sons é a consolidação do folk pop. Após uma estreia que chamou atenção de algumas pessoas, Babel levou-os ao patamar de ídolos de uma nova geração.

Assista ao clipe de "Lover of The Light"

 

OUTROS DESTAQUES DO ANO

Elton John VS. Pnau - Good Morning To The Night

"Uma obra-prima construída com muito carinho e esmero pela dupla australiana Pnau, que deu novo significado a hits e b-sides de Elton John. Faz outros trabalhos de colagens soarem amadores" - José Flávio Junior, da Bravo! e Billboard.

Japandroids - Celebration Rock

"Nunca o rock indie minimalista foi tão grandioso, otimista e empolgante" - Pablo Miyazawa, da Rolling Stone.

 

BNegão e Seletores de Frequência - Sintoniza Lá

"BNegão proporcionou um 2012 especial para os fãs. Além do retorno do Planet Hemp, “Sintoniza Lá”, seu segundo disco acompanhado do banda Seletores de Frequência, colocou muita gente para dançar ao som do groove de qualidade e letras sempre críticas, claro" - Camila Martins, do Colherada Cultural.

Bonde do Rolê - Tropical/Bacanal

"Bonde do Rolê soube se reinventar depois do boom do funk carioca, que eles (e o Diplo) ajudaram a internacionalizar. O disco deles é rico dentro da temática pop-gritaria-deboque que os caracterizaram e ainda conta com um incrível time de colaboradores, escolhidíssimos a dedo e representantes de uma cena tão variada como inspirada. Tudo combinando direitinho com o pop (vamos tratar assim agora o Bonde) "crescido" da banda brasileira" - Lucio Ribeiro, do Popload e colunista da Folha de São Paulo.