Música

Artigo

Jacidio, who? | David Guetta retorna às suas raízes sem deixar o pop

ULTRA libera aftermovie, o 1° Essential Mix de Ricardo Villalobos, San Holo entrega disco excepcional e muito mais.

Jacídio Junior
28.09.2018
11h34

E aí, tudo bem com vocês? Mais um final de semana chegando, muitas coisas boas pra fazer e alguns dos tópicos mais bacanas da música eletrônica pra gente navegar. Tem David Guetta, um disco excepcional do San Holo, tem um EP incrível do Cid Inc, e claro algumas das pistas mais legais pra gente dançar. Pode vir que hoje tá pesado.

Ellen Von Unwerth/David Guetta/Divulgação

“Eu amo o Pop, e daí?” David Guetta destrincha suas apostas de carreira em entrevista

Gostemos ou não, David Guetta é um dos principais nomes da música eletrônica comercial. Com sete discos lançados (o sétimo álbum chegou às lojas no último dia 14) o DJ francês de 50 anos acumula recordes e é uma das figuras mais conhecidas da música mundial.  Em entrevista à DJ Mag, Guetta afirma que grande parte de seu sucesso se deve ao fato de “ter pegado a cultura da dance music e feito com que ela seja melhor compreendida pelas massas, usando códigos da dance music underground e da EDM para apresentar músicas e melodias realmente sólidas”.

Guetta segue comentando que no início de sua carreira ele era guiado pela paixão, amor e curiosidade, “somente sentimentos positivos”. As coisas mudam quando você chega ao topo, “Você precisa lutar para permanecer no topo, então o que te guia não é a paixão e o amor, mas o medo”. O DJ fala ainda sobre a máquina que sua carreira se transformou, já que para lançar um disco, ele precisa de aprovação de executivos em diversas partes do planeta. “Se eu quisesse lançar um álbum, eu estava em uma posição na qual eu tinha que ter a luz verde de executivos nos Estados Unidos, no Reino Unido, na Alemanha e na França. Honestamente, se todos esses executivos concordam sobre um disco, você provavelmente terá um disco de merda”.

Quase no final da conversa, Guetta comenta que seu novo disco serviu para que ele retornasse ao seu estágio original “em termos de paixão, energia e também musicalmente”, e completa, “Eu não estou negando meu amor pela música pop, mas também não estou negando que, às vezes, eu só preciso retornar às minhas raízes underground”. A matéria pode ser lida na íntegra (em inglês) no site da DJ Mag.

ULTRA libera aftermovie de 2018 e anuncia venda de ingressos da próxima edição

Este ano não devemos ter uma edição do ULTRA no Brasil, mas o festival dominou o mundo com edições em diversos lugares do planeta. No entanto, nada chama mais a atenção do que a joia da cora, a edição realizada em Miami que há poucos dias ganhou seu aftermovie oficial. Vale lembrar que em 2018 o evento contou com o retorno do Swedish House Mafia. Dá só uma olhada.

Aproveitando a divulgação do vídeo, o ULTRA já liberou a venda dos ingressos para a edição de 20 anos que rola em 2019. Certeza de evento gigante com boas surpresas. Os ingressos estão disponíveis aqui.

Disco da semana: San Holo - album1

Ouvir um disco novo é sempre algo interessante. Você tem alguma ideia dos caminhos que podem surgir, mas o todo só se revela ao final da audição. Porém, San Holo, com album1 - o primeiro álbum cheio de sua carreira - surpreende do início ao fim.

O frescor de suas faixas, a opção por sonoridades, timbres e vocais que vão muito além do que é empregado de forma geral no cenário da música eletrônica, impacta e deixa marcas já nos primeiros minutos. É surreal ser pego de surpresa com “everything matters (when it comes to you)” e seguir por uma jornada harmoniosa composta por cordas, arranjos orquestrais, sons vintage… Tudo precisamente colocado no lugar certo.

Vale destacar ainda a alternância muito bem planejada entre velocidades, cadências e BPMs que criam momentos completamente diferentes em cada uma das músicas, mas com um motivo. Nada parece ter sido colocado no projeto por acaso, nada está ali só para impactar. Na verdade, a ideia parece ser o não impacto justamente para que sejamos conduzidos como parte de uma viagem que irá apresentar momentos realmente únicos e a gente só precisa curtir.

Assim, com um disco inspirado e totalmente fora da curva de quase tudo que tocou o solo da música eletrônica recentemente, San Holo entrega uma peça que vai além dos beats e surpreende com a melodia dos reefs de guitarra e apostas que se encaixam no pop, no post rock e por aí em diante. Um mistura de elementos que poderiam estar em um disco do The Chainsmokers, do Kanye West, em um álbum pra tocar no rádio, mas tudo com seu próprio tempero e sonoridade.

San Holo, em post publicado antes do lançamento, escreveu: “Eu quero que vocês possam ouvir o álbum de acordo com a experiência de vocês e assim criar suas próprias histórias, memórias e experiências ligadas às músicas [...] Pra mim, uma das coisas mais bacanas ao fazer música é expandir meu gosto musical e dar a quem ouve uma oportunidade de expandir seu gosto também”. Acho que ele conseguiu.

No final das contas album1 é o que todo fã de música (qualquer arte, na verdade) quer: Ver seu artista evoluindo e evoluir junto com ele. Pode dar o play e deixe a música te levar, você não vai se arrepender.

Set da semana: Ricardo Villalobos - Radio 1's Essential Mix

Ricardo Villalobos é um daqueles grandes nomes que “se vende” só pelo som que entrega. Quase não dá entrevistas, e fala quase que estritamente de música. Villalobos é chileno, mas se mudou para a Alemanha aos três anos (para fugir da ditadura de Pinochet) e lá criou seu estilo focado no Minimal Techno e outras vertentes que o levaram ao estrelato do underground. Com tudo isso em destaque, Villalobos nunca havia gravado um Essential Mix sozinho e agora, no 25º ano do programa, Pete Tong conseguiu colocá-lo na mesa. Daquelas chances únicas de ouvir clássicos e músicas que marcaram os sets de um dos principais criadores do segmento. Sério, vai que é show. Pra guardar na coleção.

Lançamentos e descobertas da semana:

Pete Tong & John Monkman - “Placebo”

Existem algumas faixas que emulam peso e cadência de uma forma realmente única. E “Placebo” de Pete Tong e John Monkman está nessa categoria. Pesada desde o início, quase sem tempo para respirar, os elementos sonoros vão surgindo à medida em que a faixa avança e a vontade de ir dançar em qualquer lugar é incontrolável. Antes do play, arraste os móveis da sala e se prepare. Pra ouvir é só clicar aqui.

Eli & Fur - EP Night Blooming Jasmine

Existe uma mágica em algumas músicas que poucos produtores são capazes de criar. Eli & Fur com o EP Night Blooming, não só entregam essa mágica, mas a expandem em quatro faixas que brincam com nuances entre o movimento dos corpos, do som e uma sonoridade sexy que parece ter sido desenvolvida para preencher qualquer espaço, não só com som, mas com sensações. Deixe seus fones ou seu equipamento de som bem calibrado, você vai precisar… Ah, não tenha pressa. Para ouvir é só clicar aqui.

Cid Inc - EP Bird Cherry

Preciso confessar que sou um fã inveterado de Progressive House. Quase sempre, este é o segmento da música que faz a mágica acontecer e Cid Inc é um bom representante dessa linha sonora. isso fica ainda mais nítido em seu EP Bird Cherry, lançado recentemente. O projeto composto por duas faixas trabalha o que há de mais interessante na arte do progressive, elementos inseridos aos poucos, com mudanças lentas e que funcionam como um guia para uma jornada evolutiva sem bloqueios. É música que cresce a cada nova sonoridade e conduz o ouvinte - quase instantaneamente - para a pista. Para sentir essa vibe, é só clicar aqui.

Vamos dançar onde?

Semana bacana, cheia de boas possibilidades por diversos pontos de São Paulo e do Brasil. Dá uma olhada no que vai rolar nos próximos dias e pode chegar mais.

Na sexta (28) a noite acontece no Warung com longsets de Adriatique + Guy Mantzur. A data ainda conta com Mandi, Edu Schwartz e Traffic Jam. E fica só aquele aviso, um long set do Adriatique é uma das coisas mais surreais que você pode ver e ouvir. Tudo que você precisa saber está bem aqui. 

Ainda na sexta, mas em São Paulo, rola mais uma edição da Silver Tape. O line daqueles de responsa com Amanda Mussi, A_hank, 4Nazier e Gabriel Ribeiro. O rolê acontece no Zig Club, na República e tudo o que você precisa saber está aqui.

No sábado (29) o negócio não é festa, mas sim uma boa mostra com filmes sobre música eletrônica. O evento faz parte da comemoração do Dia da Música Eletrônica em São Paulo e rola no Cine Olido a partir das 14h. As sessões são gratuitas. Os detalhes e a lista de filmes você encontra aqui.

No domingo (30), ainda como parte do Dia da Música Eletrônica em SP, rola o grande evento no Largo da Batata, a partir das 11h da manhã, com a presença do DJ Osvaldo Pereira, DJ Kleber Barry, Ana Flavia b2b Paula Chalup, Gui Scott (Gop Tun), Trepanado (Selvagem), Amanda Mussi b2b Andrea Gram, Eduardo Corelli, Phillipi Alves (Fatnotronic / DEEWEE), DJ Luiz Pareto, DJ Renato Cohen x Anderson Noise x Dj Mau Mau, Mari Herzer Casal Belalugosi, L_cio e Tessuto. O evento é gratuito e tudo que você precisa saber está bem aqui.

Deu pra perceber que o final de semana vai ser bem bacana, né? Então, como eu sempre digo, prepare os tênis, lembrem-se de beber água e a gente se vê na pista. Hasta la vista.