Música

Artigo

Conheça o Dropkick Murphys: Destaque da trilha de Os Infiltrados

Conheça o Dropkick Murphys: Destaque da trilha de Os Infiltrados

Jordana Viotto
09.11.2006
01h00

Os Rolling Stones estão lá com Gimme Shelter e Let it Loose. Os Beach Boys marcam presença com Sail on Sailor. Os Allman Brothers tocam One Way Out. Tem até uma versão para Comfortably Numb, do Pink Floyd, mais maluca, lisérgica - e divertida - com Van Morrison e Roger Waters. Mas quem coroa o clima outsider e impõe o ritmo que as cenas de perseguição pedem em Os Infiltrados (The departed, 2006) são os Dropkick Murphys, com Im Shipping up to Boston. Apesar de ter sido lançada em 2005, no álbum The Warriors Code e não necessariamente para o filme, parece que ela foi feita sob encomenda para o mais novo filme de Martin Scorsese.

Os riffs simples e rápidos e os vocais urrados por Al Barr temperam com um pouco mais de violência as cenas já tensas. A gaita de fole e a rabeca que passeiam entre as guitarras contemplam os personagens da obra, na maioria imigrantes irlandeses da cidade de Boston.

Situada na costa leste dos Estados Unidos, Boston foi fundada por ingleses, mas atraiu muitas pessoas da Irlanda entre os séculos 19 e 20. O filme faz diversas referências a essa tradição, como por exemplo quando Colin Sullivan (Leonardo DiCaprio) fala sou irlandês, tenho que lidar com algo dando errado para o resto da vida. Ou quando os policiais se encontram à beira do rio Charles, que corta a cidade e é marca registrada local. Ou pelo próprio sotaque, ainda marcado pela influência dos criadores da cerveja Guinness.

É esse o ambiente no qual os membros do Dropkick Murphys (ou DKM, para os íntimos) cresceram, conheceram The Clash e Stiff Little Fingers - suas principais influências - e resolveram se reunir para fazer punk rock. A influência irlandesa não podia estar de fora na musicalidade e no design do site da banda - com trevos espalhados por várias páginas (eles são usados como escudos para times e organizações irlandesas) -, nos itens de merchandising. 

Im shipping up to Boston resume bem o estilo do grupo, que é muitas vezes comparada ao Rancid ou ao Pennywise. Pode até ser, mas o DKM cativa pela autenticidade e justamente por não se importar nem um pouco com esses rótulos. Afinal, eles vêm repetindo a fórmula há dez anos e parecem felizes com os resultados. 

O grupo de Boston já teve seu momento piegas, por assim dizer. Em 2004, regravou Tessie, um hit da Broadway que fora adotado como hino pelo Red Sox, time de baseball de Boston, e reverteu os lucros para a Red Sox Foundation, entidade sem fins lucrativos do time.

A homenagem, no entanto, se reverteu em um momento de glamour, rendendo a primeira participação em filmes. Com Tessie, o DKM foi incluido na trilha de Amor em jogo (Fever Pitch, 2005), com Drew Barrymore e Jimmy Fallon, baseado no romance de Nick Hornby. 

Talvez tenha sido o trampolim para que Scorsese escolhesse os rapazes para dar o ar da graça na ótima trama. Ou não. O que importa mesmo é que Im Shipping Up to Boston vai ficar na sua cabeça por alguns minutos (ou horas ou dias) e vai fazer você acompanhar as cenas de Os infiltrados batendo o pé.

Para acompanhar o DKM: