Elizabeth Olsen e Paul Bettany em WandaVision

Créditos da imagem: WandaVision/Marvel Studios/Reprodução

Séries e TV

Notícia

WandaVision | Estágios do luto serviram de referência para arco da heroína

Para a criadora da série, a jornada de Wanda nos quadrinhos é, em última instância, sobre perda

A cozinha
09.03.2021
15h20

A criadora e roteirista de WandaVision Jac Schaeffer não é uma ávida leitora de quadrinhos. "Tenho dificuldade em digerir as histórias e nunca sei qual quadro olhar. Não sei, talvez eu seja uma decepção para o fandom nesse sentido", contou ao Deadline. Mesmo assim, era muito claro para ela como a história da Feiticeira Escarlate nos quadrinhos - e no próprio MCU (Universo Cinematográfico da Marvel) - sempre girou em torno da perda. "Ela costuma ser uma personagem mais séria, que parece presa na própria tristeza e luto, então obviamente era a partir daí que queríamos começar [a criar]".

"Essa sempre seria uma história sobre luto e levamos isso a sério", explicou. "[...] usamos os estágios do luto para mapear o arco da temporada e sabíamos que queríamos levar a história para um lugar de aceitação. Aceitação da Wanda do seu manto de Feiticeira Escarlate e, talvez mais importante, aceitação da sua perda e do fato de que ela precisa deixar o Visão e os meninos irem".

Mas, ao lado do presidente do Marvel Studios Kevin Feige, Schaeffer percebeu uma chance também interessante no combo entre o relacionamento da Feiticeira Escarlate e do Visão e as referências às sitcoms: explorar outras facetas dessa mulher. "Vimos a oportunidade de ver Wanda e Lizzie [Elizabeth Olsen] provando outras cores, sabe? Sendo alegre, travessa, sedutora". Tudo, claro, levando em consideração a essência da personagem. "[A perda] era o que a gente queria explorar e trabalhar através dela".

Não à toa, Schaeffer enxerga a perda como a vilã da história, justificando até a ausência do muito especulado demônio Mephisto. "O vilão é o luto, essa é a história que estávamos contando - e, como bônus, ganhamos um mau na forma da Agatha Harkness, que acabou facilitando a terapia da Wanda. Estou bem satisfeita com isso".

Além de assinar uma série ousada, sobretudo dentro do que a Casa das Ideias têm entregue nos últimos anos, com esse cuidado e sensibilidade Schaeffer garantiu que sua protagonista não caísse no clichê da "mulher louca", sem desagradar nem os fãs dos quadrinhos, nem do MCU.

WandaVision teve nove episódios e está disponível na íntegra no Disney+.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.