Doutor Estranho no Multiverso da Loucura

Créditos da imagem: Marvel Studios/Divulgação

Filmes

Lista

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura | Os principais easter eggs do longa

Filme de Sam Raimi incluiu várias referências à história do personagem no cinema e nos gibis

Omelete
1 min de leitura
Nico Garófalo
06.05.2022, às 06H00

Mais novo lançamento do MCU, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura pode ter trazido o estilo do diretor Sam Raimi para a franquia, mas o longa segue um dos principais padrões das outras produções do Marvel Studios: ele está lotado de easter eggs. Essas referências começam a ser introduzidas já na primeira cena do longa do filme e só param após a primeira cena pós-créditos.

E para ninguém se perder nesse mar de piscadelas aos fãs, separamos abaixo os principais easter eggs espalhados pela produção - confira [mas cuidado com SPOILERS]:

Livro dos Vishanti

Marvel Studios/Divulgação

Uma das entidades místicas mais importantes da Marvel, os Vishanti são um trio formado por Oshtur, Hoggoth e Agamotto e agem como protetores da Terra. Adorados pelos praticantes das artes místicas, os Vishanti são os responsáveis pela escolha do Mago Supremo.

No filme, o grupo é referenciado através de uma de suas obras mais importantes: o Livro dos Vishanti, volume que contém os mais poderosos feitiços de magia da ordem. Nas HQs, ele é guardado por décadas pelo Ancião, mas em Multiverso da Loucura, ele é escondido por uma das várias versões de Strange (Benedict Cumberbatch) em uma realidade entre os universos, acessível apenas àqueles que conseguem viajar pelo multiverso.

Magia Divina

Marvel Studios/Divulgação

O MCU já apresentou diferentes tipos de magia ao longo dos anos, com cada tipo de feitiço sendo caracterizado por uma cor diferente. Em Cavaleiro da Lua, por exemplo, somos apresentados à magia divina, de cor branca, presente quando Khonshu (F. Murray Abraham) e outros deuses egípcios usam seus poderes.

Em Multiverso da Loucura, quem usa esse tipo de feitiço é a mesma variante de Strange que se prontificou a ajudar América Chavez (Xochitl Gomez) no começo do filme. É graças a esses poderosos feitiços que a garota consegue escapar do demônio que a perseguia durante a sequência de abertura do longa.

O jardim no telhado do Sanctum

Depois de conhecer América, Strange e Wong (Benedict Wong) acompanham a garota até o telhado do Sanctum Sanctorum de Nova York, onde ela escondeu o corpo da versão do Doutor Estranho com quem ela buscava o Livro dos Vishanti. O local é o mesmo mostrado em que a Anciã (Tilda Swinton) conversou com o Hulk (Mark Ruffalo) em Vingadores: Ultimato. A morte da Maga - e a vitória momentânea de Thanos (Josh Brolin), fizeram com que o jardim da Anciã acabasse abandonado.

O desgaste causado pelo Darkhold

O Darkhold, livro de magia sombria que Wanda (Elizabeth Olsen) rouba de Agatha (Kathryn Hahn) após derrotá-la em WandaVision, reaparece em Multiverso da Loucura, desta vez guiando a busca desenfreada da Feiticeira por seus filhos.

Além de influenciar a natureza de Wanda, que vai de heroína doce a uma vilã implacável, o Darkhold tem outro efeito muito claro na personagem: o desgaste na ponta de seus dedos. Assim como fez com Agatha, o livro de magia sombria começa a deixar marcas escuras nas mãos da Feiticeira Escarlate, como se seu uso estivesse apodrecendo-a aos poucos.

Esse mesmo detalhe pode ser visto em uma das versões de Strange, que usou o Darkhold para derrotar Thanos e acabou sendo dominado pelo livro.

Chthon

Marvel Studios/Divulgação

O demônio criador do Darkhold pode até não dar as caras em Multiverso da Loucura, mas suas criações são essenciais para o desenvolvimento da trama. Além do livro que corrompe Wanda, o templo construído por Chthon - e onde as runas do Darkhold são originalmente criadas - aparece como um dos principais cenários do filme, com Wong dizendo que o local é proibido pelos Magos por estar impregnado com magia sombria.

O templo de Chthon, inclusive, fica localizado no Monte Wundagore, onde o Darkhold foi originalmente concebido nos gibis.

Vale lembrar que, nos quadrinhos, Wanda chegou a ser possuída por Chthon ao entrar em contato com o Darkhold pela primeira vez - saiba mais.

Passagem pelo universo de What If…?

Apesar de contar com a presença de personagens de What If…?, a animação não tem nenhuma relação com Multiverso da Loucura. Os fãs da produção, no entanto, são agraciados com uma pequena visita ao universo do desenho, quando Strange e América passam rapidamente por seu universo.

Bruce Campbell

Parceiro de longa data de Raimi, Bruce Campbell dá as caras em Multiverso da Loucura como um inconveniente vendedor de pizza que implica com Strange e América. Assim como na trilogia Homem-Aranha, o astro de A Morte do Demônio implica com a dupla viajante do Multiverso.

Mas seu tempo como Ash Williams na franquia de terror não é ignorado! Irritado com o vendedor, Strange faz um feitiço que domina a mão de Campbell e faz com que ele se soque repetidamente, lembrando o momento de Evil Dead que sua mão é possuída e ele é obrigado a cortá-la fora.

Paralelo Utópico

Marvel Studios/Divulgação

Quando chegam ao universo dos Illuminati, chamado de Terra-838, Strange e América relembram algumas memórias. Enquanto o ex-Mago Supremo revê um encontro com Christine (Rachel McAdams), a garota se lembra do dia em que descobriu seus poderes e, por acidente, jogou suas mães por um portal e as perdeu no Multiverso.

Essa memória se passa no Paralelo Utópico, universo de origem de América e uma dimensão que, por muito tempo, ficou separada do restante do multiverso - o que explica por que a jovem não tem uma contraparte em nenhuma realidade. Além desse isolamento, quebrado por buracos negros que uniram as realidades, essa dimensão é completamente povoada por mulheres, com exceção do Demiurgo, uma variante do Wiccano dominada pelo feiticeiro Moridun.

Universo 616

Ao ser levado diante dos Illuminati, formados por Mordo (Chiwetel Ejiofor), Capitã Marvel (Lashanna Lynch), Raio Negro (Anson Mount), Capitã Carter (Hayley Atwell), Reed Richards (John Krasinski) e Xavier (sir Patrick Stewart), Strange fica sabendo que está, naquele momento, na Terra-838, embora seja, originalmente, da Terra-616. Como muitos fãs dos quadrinhos já sabem, a Terra-616 é a realidade principal do cânone da Marvel. Essa já é a segunda vez que o nome deste universo é citado, com essa “etiqueta” tendo feito sua estreia em Homem-Aranha: Longe de Casa.

A Terra-838, no entanto, não existe nos quadrinhos, sendo um universo inédito criado para Multiverso da Loucura

Quarteto Fantástico e a Fundação Baxter

Marvel Comics/Divulgação

Depois de muitos anos, a Primeira Família da Marvel finalmente apareceu no MCU - embora como apenas uma ponta. Como citado no item acima, John Krasinski realizou o sonho de muitos fãs ao viver Reed Richards, o Senhor Fantástico. Confrontado por Wanda, o herói elástico conta que tem dois filhos - assim como é nos quadrinhos - e uma esposa. Embora não vejamos Sue, Valeria e Franklin, existe um conforto em saber que, tal qual os gibis, o Quarteto se expandiu ao longo dos anos.

Além de Reed, Multiverso da Loucura também conta com mais uma conexão com o Quarteto: a Fundação Baxter. Para quem não se lembra, a organização governamental é responsável por patrocinar experimentos científicos e está localizada no Edifício Baxter, prédio que, eventualmente, se tornou a icônica sede da Primeira Família - e que chegou a ser referenciada bem rapidamente em Homem-Aranha: Longe de Casa.

Incursão

Marvel Comics/Divulgação

A Incursão é um evento que coloca em risco a existência de dois universos que, por causa de uma anomalia paradoxal, entram em rota de colisão. Em Multiverso da Loucura, Strange é tido como o ponto crítico desse paradoxo, o que leva os Illuminati a questionarem se eles devem ou não matar o Mago, garantindo assim a salvação dos dois universos em questão.

Recentemente, uma Incursão resultou nas Guerras Secretas, evento que unificou alguns universos da Marvel, incluindo elementos da linha Ultimate (Terra-1610), à Terra-616.

As homenagens de Danny Elfman

Um dos compositores mais icônicos do cinema, Danny Elfman faz mais um trabalho de tirar o chapéu em Multiverso da Loucura. Além de criar uma trilha incrível, o músico ainda aproveita para homenagear algumas das obras referenciadas pelo filme. A primeira é a icônica música tema da animação clássica dos X-Men, recriada por Elfman e tocada quando Xavier aparece em cena pela primeira vez.

Já quando a Capitã Carter vai enfrentar Wanda, o compositor insere um trecho do tema criado por Alan Silvestri para Capitão América: O Primeiro Vingador.

Sentinelas

A base dos Illuminati é guardada por versões bem-sucedidas de Ultron. Esses robôs, inclusive, são chamados de Sentinelas, que, para quem lembra de X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, é o mesmo nome dado às máquinas de extermínio mutante. Agora, se essa versão em particular tem ou não envolvimento com o genocídio dos Homo superior, não é revelado.

"Posso fazer isso o dia todo"

O Capitão América de Chris Evans ficou algumas vezes perto de perder suas lutas, mas sempre que era desafiado por seus oponentes, ele respondia de forma provocadora “posso fazer isso o dia todo”. Em Multiverso da Loucura, é a Capitã Carter, que sai na mão com a Feiticeira Escarlate, que usa a frase, mais uma vez enquanto está prestes a ser derrotada.

O pouso de super-herói

Nenhum filme de herói está completo sem que um de seus protagonistas realize o icônico pouso com um joelho e um punho no chão. Multiverso da Loucura não é exceção, mesmo que o momento em que essa aterrissagem ocorra seja bem discreta. Aqui, América Chavez chega ao chão com a clássica pose quando ela, Strange e Christine chegam ao local onde o Livro dos Vishanti está escondido. Por acontecer em uma cena de plano aberto, o pouso de super-herói passa quase despercebido, mas, felizmente, ele está lá.

Donna Strange

Marvel Comics/Reprodução

Ao confrontar uma de suas variantes, Strange conta um segredo que apenas ele e suas outras versões do multiverso conhecem: ele tinha uma irmã, Donna, que morreu afogada quando os dois eram crianças e estavam brincando em um lago congelado. O gelo se quebrou e a garota acabou presa debaixo d’água, sem que Stephen conseguisse salvá-la.

Essa história recria um acontecimento semelhante dos quadrinhos. Nas páginas, Donna também morreu afogada, mas isso aconteceu porque ela sofreu uma cãibra enquanto nadava em um lago com Stephen, que não viu a irmã afundado e passou o resto da vida se culpando por sua morte.

 

Clea

Marvel Comics/Divulgação

Atual Maga Suprema dos quadrinhos, Clea aparece na primeira cena pós-créditos de Multiverso da Loucura, vivida por Charlize Theron. Aqui, ela convoca Strange - com quem ela já foi casada nos gibis - para parar uma Incursão que o bruxão inadvertidamente iniciou. O herói rapidamente aceita se juntar à aventura.

Nos quadrinhos, Clea apareceu pela primeira vez em 1964, criada por Stan Lee e Steve Ditko, mesma dupla por trás do Doutor Estranho. Habitante da Dimensão Sombria, ela se encantou por Stephen quando ele foi enviado à sua realidade pelo Ancião para derrotar Dormammu, tio de Clea. Ao longo dos anos, ela e Strange tiveram um relacionamento cheio de idas e vindas, que incluiu um casamento e um acordo com Mephisto. Recentemente, no arco A Morte do Doutor Estranho, o casal se reaproximou e, antes de Stephen morrer, ele entregou o Olho de Agamotto e sua capa da levitação à amada, que assumiu então o posto de Maga Suprema.

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.