DRIPPIN fala da madura “Villain” e das inspirações, de Seventeen a BTS

Créditos da imagem: O septeto de k-pop DRIPPIN (Reprodução/Instagram)

Música

Entrevista

DRIPPIN fala da madura “Villain” e das inspirações, de Seventeen a BTS

Grupo supera a fase de “novatos fofos” e abraça uma fanbase diversa e internacional

Omelete
4 min de leitura
Caio Coletti
21.01.2022, às 11H38
ATUALIZADA EM 03.03.2022, ÀS 09H00
ATUALIZADA EM 03.03.2022, ÀS 09H00

Paramentados com roupas pretas, incluindo várias peças ousadas em couro e veludo, os rapazes do DRIPPIN declaram repetidamente que são os vilões dessa história no vídeo do novo single, “Villain”, lançado na segunda-feira (17). É uma mudança radical para o grupo que, até pouco tempo atrás, estava dançando em campos ensolarados e fazendo poses fofíssimas para a câmera em “Free Pass”, uma das canções mais viciantes (e subestimadas) do verão coreano de 2021.

O vocalista principal do septeto, Hyeop, conta ao Omelete que a troca de direção é totalmente intencional: Nós amadurecemos muito, e estamos lançando este álbum com um conceito bem diferente dos anteriores. Todos os membros do DRIPPIN estudaram a música e praticaram muito a coreografia, então estamos preparados para essa mudança”.

‘Villain’ expande o leque de coisas que o DRIPPIN é capaz de fazer”, define o integrante Changuk. O álbum completo, com seis faixas, também dá uma encorpada no som synthpop que o grupo apresentou desde sua estreia, em outubro de 2020, inserindo influências latinas (em “Remember”) e um toque de soul (em “Switch”) ao repertório. Em suma, o DRIPPIN parece finalmente estar a caminho de um encontro com sua própria identidade.

Não dá para esperar, no entanto, que o grupo agora fique preso ao tom mais sombrio que experimentou com “Villain”. Aos 22 anos, Hyeop é o integrante mais velho do DRIPPIN - o maknae, Alex, tem 17 -, e dessa juventude (base, inclusive, do hit “Young Blood”) nasce uma energia notável para a exploração musical.

Eu gosto da vibe de ‘Villain’, mas também gostaria de realizar um conceito mais iluminado e refrescante. Acho que, já que agora estamos apresentando uma performance mais contida e sombria, o nosso próximo lançamento pode ir no caminho contrário”, provoca Yunseong, que serve como líder do septeto.

Nós sempre queremos mostrar músicas diferentes”, define o rapper Dongyun. Eu não sei te dizer qual será o nosso próximo gênero musical, mas gostamos de canções animadas, que fazem as pessoas se sentirem felizes”.

Na estrada há pouco mais de um ano, os meninos do DRIPPIN ainda são o que os coreanos chamam de rookies, e enfrentam sempre comparações com nomes mais robustos e veteranos de um mercado que conquistou o mundo. Mas quem são os colegas mais velhos (na linguagem do k-pop, sunbaenims) que inspiram o grupo?

Eu respeito muito o Seventeen e o SHINee”, responde Yunseong, citando dois titãs das gerações que precederam o DRIPPIN, responsáveis por hits como “Left & Right” e “Sherlock”. “Penso que eles sempre entregam grandes performances aos fãs para agradecer pelo apoio, e acho isso incrível. Gostaria de ser um artista como eles”.

Dongyun traz uma referência ainda mais reconhecível para os ouvintes ocidentais. “Desde muito jovem, eu admiro o BTS. Até hoje, espero seguir os passos deles”, comenta ele sobre os donos de “Butter” e “Mic Drop”, que estrearam na indústria em 2013, quando Dongyun tinha 11 anos de idade.

Guardadas as devidas proporções, o DRIPPIN sente ao lado desses e outros grupos o gostinho da internacionalização do k-pop no seu dia a dia. “Nós temos muitas formas diferentes de trocar mensagens com nossos Dreamin [nome dado aos fãs do grupo], e ficamos muito surpresos quando descobrimos comentários de brasileiros nessas plataformas! Eu adoraria ir a um festival de música no Brasil”, garante Changuk.

Enquanto isso, o maknae Alex recebe muitas mensagens de seus compatriotas na Alemanha. Como primeiro idol de k-pop com nacionalidade alemã, ele busca sempre dispensar um carinho especial a esses fãs: “Eu tento me comunicar com eles, manter contato através de transmissões ao vivo e responder cada mensagem individualmente!”.

Nesse tempo em atividade, o DRIPPIN só sente falta de uma coisa: mais oportunidades de encontrar os fãs pessoalmente. “Acho que a memória que guardo com mais carinho é do momento em que vimos nossos Dreamin pela primeira vez, quando estávamos promovendo nossa primeira música, ‘Nostalgia’. Foi especial”, lembra Yunseong.

“Vilões” de coração de ouro, esses meninos.

Coordenação de artista: MJ Tonz

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.