Glenn Close em Guardiões da Galáxia

Créditos da imagem: Divulgação/ Marvel

Filmes

Notícia

Guardiões da Galáxia | Glenn Close defende James Gunn de demissão

Atriz elogiou postura do diretor no set de filmagem

Rafael Gonzaga
03.09.2018
19h32
Atualizada em
05.09.2018
14h50
Atualizada em 05.09.2018 às 14h50

Glenn Close, que viveu a Nova Prime, líder do Nova Corps, no filme Guardiões da Galáxia Vol. 1, rompeu o silêncio e comentou a demissão do diretor James Gunn da franquia. Durante uma entrevista à Empire, Close foi questionada sobre a decisão da Disney em cortar Gunn da terceira parcela da franquia após tweets antigos do diretor terem sido resgatados pelo movimento conservador formado pelos supremacistas brancos norte-americanos. Close declarou que não concorda com a decisão. (via ComicBookMovie)

"É difícil pensar nisso sem ele. É triste. E traz à tona algumas questões muito complicadas em torno desse movimento. Eu falo sobre isso com todas as mulheres com quem me relaciono porque quero saber o que as pessoas acham disso, você entende? 'Isso é realmente o que deveria ser feito?' Especialmente nesse caso, em que uma pessoa [o supremacista branco Mike Cernovich] busca arruinar as pessoas por algo que eles escreveram em um contexto totalmente diferente, há dez, 12 anos? Quantos de nós podem voltar ao nosso passado e ter certeza de que tudo o que dissemos foi politicamente correto? Quem pode viver assim? Eu sinto que há algo muito errado sobre isso."

A atriz continuou defendendo Gunn e disse que acredita na mudança das pessoas. "Ele é um ser humano imperfeito. Ele era um babaca convencido naquela época e estava dizendo coisas para provocar as pessoas. Isso o nega como um artista? Eu não penso assim. Eu pessoalmente não acredito nisso, caso contrário nós temos que destruir prédios e pinturas - você sabe, destruir todos os Picassos, já que ele tratou as mulheres terrivelmente mal. Se essa vai ser uma revolução cultural duradoura, precisamos levar em consideração a natureza humana".

Apesar da personagem de Close estar presumivelmente morta após o ataque de Thanos a Xandar em Vingadores: Guerra Infinita, a atriz disse que participar desse universo foi uma ótima experiência e elogiou a experiência de trabalhar com Gunn. "Isso foi como voltar à minha infância. Primeiro de tudo, eu sempre quis estar em um filme assim, então eu fiquei muito feliz em ser convidada. Foi muito divertido.E eu tenho que dizer, James Gunn foi fantástico. Ele foi adorável".

A produção de Guardiões da Galáxia Vol. 3 foi paralisada por tempo indeterminado pela Disney e a Marvel. O projeto da Marvel contava com James Gunn na direção e deveria começar a fotografia principal entre janeiro e fevereiro. Contudo, Gunn foi demitido em julho após antigos e polêmicos tweets do diretor reaparecerem.

Marvel e a Disney estariam buscando um novo diretor para a produção da franquia, que até o momento arrecadou mais de US$ 1,6 bilhão. A decisão da Disney foi tomada após uma reunião entre Gunn e o presidente do estúdio, Alan Horn - leia mais.

O diretor foi dispensado do projeto há quase um mês, quando dezenas de tweets de Gunn de quase uma década atrás foram resgatados. Os posts faziam comentários ofensivos em tom de piada sobre assuntos delicados como pedofilia e estupro e foram trazidos à tona por membros da alt-right, o movimento conservador formado pelos supremacistas brancos norte-americanos. O estúdio agiu rapidamente e removeu Gunn da direção da terceira parte da franquia, acreditando que os comentários, apesar de antigos, eram inaceitáveis e não estavam de acordo com a imagem pública da Disney. Gunn se desculpou pelos comentários antigos, e, desde então, tem recebido apoio tanto de fãs quando de todo o elenco de Guardiões da Galáxia.