Uma Dobra no Tempo | "Ava DuVernay é uma pessoa que faz o impossível parecer fácil", diz Ryan Coogler

Créditos da imagem: Atsushi Nishijima/Paramount

Filmes

Notícia

Uma Dobra no Tempo | "Ava DuVernay é uma pessoa que faz o impossível parecer fácil", diz Ryan Coogler

Diretor de Pantera Negra elogia a nova produção

Fábio de Souza Gomes
10.03.2018
11h29
Atualizada em
10.03.2018
12h13
Atualizada em 10.03.2018 às 12h13

Ryan Coogler, diretor de Pantera Negraescreveu uma carta aberta elogiando a diretora Ava DuVernay e seu novo filme, Uma Dobra no Tempo. Confira (Via ESPN):

"Ava DuVernay é uma pessoa que faz o impossível parecer fácil. É por isso que tenho o privilégio de chama-la de irmã mais velha. Eu a conheci em 2013, mas ela é uma dessas pessoas que parece que você conhece a vida indeira.

Antes de conhecê-la, ela era uma admirada publicitária que contava com sua própria empresa. Até então, ela havia escrito, produzido e dirigido dois filmes fantástico sobre mulheres negras encontrando esperança enquanto passavam por um período de dor e perda, tudo enquanto mantinha uma empresa de produção e distribuição para financiar e lançar filmes independentes criados por mulheres negras. Ela já era uma de minhas heroínas, e isso foi antes dela pegar um dos roteiros mais procurados de Hollywoods e transformar no melhor filme feito sobre o Dr. Martin Luther King.

Ava é uma pioneira. Ela faz os sonhos mais distantes virar realidade. Ela fez um programa chamado “Queen Sugar” e exigiu que ele fosse dirigido por mulheres e tivesse mulheres em posições criativas dois anos antes da grande Frances McDorman compartilhar com o mundo o que era Inclusion Rider [leia mais]. Ava significa inclusão, igualde e representação.

Ava é o passado, presente e futuro. Ela é todas essas coisas, mas algumas vezes eu esqueço que também é humana. Me lembrei disso alguns anos atrás, quando recebi a triste notícia de que ela havia perdido seu pai. Eu quase perdi meu pai, e isso quase me quebrou no meio. Ava, a guerreira, resistiu essa perda enquanto fazia a 13ª emenda para mostrar a todos os assinantes da Netflix que a escravidão americana nunca acabou – apenas se transformou.

Então ela incluiu esse amor que tinha pelo pai, e pela mãe que ainda está conosco, no belíssimo filmes Uma Dobra no Tempo. Eu assisti de perto, do outro lado da sala da Disney enquanto trabalhava em Pantera Negra. Vi como minha irmã mais velha inspirava sua equipe com amor e navegava pelos desafios de fazer um filme de estúdio, adaptando um livro que muitas pessoas chamavam de infilmável em um longa que explora esperança, com amor e com mulheres guerreiras.

Mas acima de tudo, é um filme sobre uma pequena garota de óculos – como minha mãe, minha esposa, minha irmã mais velha Ava – que se recusou a aceitar a perda de seu pai. A personagem principal do filme, Meg, usa seu amor, sua esperança e sua experiência como cientista para trazê-lo de volta e talvez salve o universo nesse meio tempo".

A cineasta agradeceu em seu twitter as palavras do diretor e disse ter ficado emocionada com a carta:

“Quando seu amigo faz você chorar no dia da estreia #WakandaForever #Sejaumguerreiro”

O livro escrito por Madeleine L'Engle conta a história da família Murry, cujo pai (Chris Pine) pesquisava a possibilidade de viajar no tempo quando desapareceu misteriosamente. Assim, Meg (Storm Reid), seu amigo Calvin e seu irmão Charles precisarão viajar para outros pontos do tempo e do espaço para que Meg resgate seu pai. 

Na aventura, o trio enfrenta forças do mal, conhece novos seres e planetas e descobre o que é tesseracto - a tal dobra no tempo. A Sra. Which, personagem interpretada por Oprah, é uma das entidades supernaturais que ajudam a garota. A estreia é prevista para 9 de março de 2018.

Leia mais sobre Uma Dobra no Tempo