Guardiões da Galáxia: "Disney tinha todo direito de me demitir", diz James Gunn

Créditos da imagem: Gage Skidmore/Flickr/Divulgação

Filmes

Notícia

Guardiões da Galáxia: "Disney tinha todo direito de me demitir", diz James Gunn

Diretor recontratado relembra dia da demissão do projeto

Julia Sabbaga
15.05.2019
13h52

Em sua primeira entrevista após a demissão e recontratação pela Disney, James Gunn falou à Deadline sobre o aprendizado no tempo em que ficou de fora do projeto, e seu crescimento com o processo. Na conversa, o diretor falou sobre o que sente sobre os motivos de sua demissão:

"Eu não culpo ninguém. Eu sinto e me senti mal por algum tempo pelas coisas que eu disse publicamente. Algumas das piadas que fiz, os alvos do meu senso de humor. As consequências não-intencionais de não ter compaixão com o que eu publicada. Eu sei que as pessoas se sentiram ofendidas pelo que eu falei, e ainda é minha responsabilidade por não ter tido compaixão nas coisas que disse. Eu me sinto mal e tenho toda responsabilidade. A Disney tinha todo direito de me demitir. Não era uma questão de liberdade de expressão. Eu disse algo que eles não gostaram e eles tinham todo o direito de me demitir. Isto nunca foi uma discussão". 

O diretor continuou, relembrando o dia de sua demissão:

"Aquele primeiro dia foi o dia mais intenso de minha vida. Tive dias difíceis na vida, como quando fiquei sóbrio, quando era mais jovem, a morte de amigos que cometeram suicídio. Mas este dia foi incrivelmente intenso. Aconteceu e de repente pareceu que tudo havia ido embora. Eu só sabia, naquele momento que aconteceu tão rápido, que fui demitido. Senti como se minha carreira tivesse acabado". 

Gunn falou então sobre o apoio que recebeu da equipe e elenco da produção:

"E então veio uma onda de amor de verdade. Da minha namorada Jen, do produtor, meus agentes. Chris Pratt me ligou perdendo o controle. Zoe Saldana e Karen Gillan, me ligando e chorando. Sylvester Stallone me ligou no facetime. E claro, Dave Bautista, que me apoiou com muita força. O amor que eu senti de meus amigos e família, as pessoas na comunidade, foi incrível. E para isso acontecer, para eu sentir amor de verdade pela primeira vez, o que precisava acontecer era que a base pela qual eu achava que sentia um amor, que era falsa, foi tirada de mim. Então parte daquele dia foi o pior da minha vida, mas parte foi o melhor dia da minha vida. Eu certamente não fui perfeito na minha jornada espiritual, mas eu tenho melhorado".  

O presidente do Walt Disney Studios Alan Horn, que havia decidido demitir o cineasta em julho com o resgate de tweets polêmicos antigos de Gunn, mudou de ideia depois de uma série de encontros com o diretor e o pedido de desculpas público dele.

James Gunn foi dispensado de Guardiões da Galáxia Vol. 3 quando dezenas de tweets dele de quase uma década atrás foram resgatados. Os posts faziam comentários ofensivos em tom de piada sobre assuntos delicados como pedofilia e estupro e foram trazidos à tona por membros da alt-right, o movimento conservador formado pelos supremacistas brancos norte-americanos.

O estúdio agiu rapidamente e removeu Gunn da direção da terceira parte da franquia, acreditando que os comentários, apesar de antigos, eram inaceitáveis e não estavam de acordo com a imagem pública da Disney. Gunn se desculpou pelos comentários, e, desde então,recebeu apoio de fãs e de todo o elenco de Guardiões da Galáxia.

As filmagens do filme devem começar em fevereiro de 2021