Filmes

Artigo

Vale a pena assistir ao novo Convenção das Bruxas?

Confira o que achamos da produção estrelada por Anne Hathaway

A cozinha
18.11.2020
15h27
Atualizada em
18.11.2020
18h15
Atualizada em 18.11.2020 às 18h15

A onda de remakes em Hollywood continua forte e a história mais recente a ganhar uma nova versão é Convenção das Bruxas, que chegou aos cinemas originalmente em 1990, com Anjelica Huston no papel principal. A escolhida para ser a protagonista dessa vez foi Anne Hathaway, um grande nome do cinema atual, dirigida por Robert Zemeckis (De Volta para o Futuro; Forrest Gump). 

Por um lado, o novo Convenção das Bruxas manteve o desfecho original do livro de Roald Dahl, que foi alterado no filme dos anos 90 e gerou muitas críticas na época. No entanto, o filme parece se perder nessa pretensão de ousadia e se tornou muito mais bobo do que seu sucessor. Embora escreva livros para crianças, Dahl é conhecido por não subestimar seu público e criar histórias com diversas camadas, algo deixado de lado neste filme.

O longa de 2020 tem uma grande mudança, que é tirar a família do protagonista do contexto britânico e levá-la para os EUA na década de 60. Mas o que poderia ser algo significativo se torna vazio, já que essa mudança, que inclui a etnia dos persoangens, jamais alimenta novas discussões. O longa acerta, no entanto, ao mostrar como as crianças de famílias pobres são mais atingidas pelas bruxas do que as crianças de famílias ricas.

Vale ressaltar que Convenção das Bruxas também foi alvo de uma polêmica pela forma de representar pessoas com deficiência. Após sua transformação completa, a personagem de Hathaway aparece com dedos faltando na mão, algo que não existe no original, e incomodou as pessoas com deficiência por ser mostrado como uma característica ruim - saiba mais aqui. A atriz se desculpou por isso.

Embora tenha sido muito esperado pelos fãs, o novo Convenção das Bruxas não atingiu as expectativas. Ainda que a produção se destaque na parte de efeitos visuais e design de produção, sua qualidade passa longe da produção que divertiu e, principalmente, assustou crianças na década de 90. Confira nosso veredito acima.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.