Filmes

Notícia

Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge | Da Frigideira

Desfecho brilhante para uma trilogia e possível início para outra

Érico Borgo
19.07.2012
15h41
Atualizada em
29.06.2018
02h33
Atualizada em 29.06.2018 às 02h33

Ao assistir ao Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge, fica claro que Christopher Nolan realmente imaginava esta conclusão desde o momento em que começou a rodar o seu primeiro filme da trilogia. A sensação de que se fecha um círculo é forte e extremamente satisfatória. Procure rever os dois outros capítulos da série antes de assistir a este, portanto, para maximizar o todo.

Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge

None

Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge

None

Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge

None

Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge

None

Fica o alerta, também, que o filme não é, como pode parecer por alguns arroubos de entusiasmo prematuros, isento de problemas. Fala-se no "filme mais corajoso de super-heróis de todos os tempos" e coisas assim, mas vamos com calma. É um filmaço, mas o clímax dá uma amenizada nessa suposta coragem. Falhas na estratégia do vilão Bane, explicações demais (lamentavelmente comuns a esse tipo de filme) e reviravoltas que qualquer um que assistiu aos trailers consegue prever (e aí a falha é do marketing e não do cineasta) também tiram um pouco da força do terceiro Batman de Nolan.

Nada de muito sério, porém. O terceiro e épico ato é empolgante como poucas coisas que já vimos no cinema baseado em histórias em quadrinhos. Nolan entregou um filme muito maior que os antecessores em termos de escala, além de um ponto de partida para algo novo, algo que eu gostaria de continuar acompanhando nos cinemas, sem a necessidade do tal reboot que os executivos da Warner Bros. andaram alardeando que fariam, já que seria impossível seguir depois deste desfecho da trilogia.

Acredito que o estúdio tem aqui um quadro branco para redesenhar um universo totalmente independente dos quadrinhos, explorá-lo e levá-lo para caminhos muito mais insanos que os que Nolan pretendia. O cineasta, afinal, não voltará à série - Christian Bale tampouco -, deixando sua Gotham City pós-Cavaleiro das Trevas Ressurge prontinha para que outro diretor continue esse legado dentro do tom estabelecido ou mais parecido com os quadrinhos. As pistas estão todas no filme que, pela primeira vez nessa trilogia Batman, não tem vergonha de assumir suas raízes nas HQs e derivados. Há até o vilão que conta todo o seu plano e deixa falhas nele a serem exploradas pelo herói aprisionado, no melhor estilo Batman da TV (sim o do Adam West... e ficou ótimo!), ou pequenas homenagens aos 70 anos de cronologia dos quadrinhos. Um momento em especial no final deve trazer um sorriso ao rosto dos fãs veteranos do Morcego.

A maneira como Nolan encontrou para explorar Gotham City como um microcosmo autocontido, com seus jogadores desempenhando papéis fundamentais na trama, é igualmente satisfatória. Especialmente porque a estrutura do filme é mais descomplicada que o segundo e valoriza essa interação entre os personagens secundários - e até os terciários, usando-os todos para um objetivo bem definido. Ao final, Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge encerra a série como o mais grandioso da trilogia, equilibradíssimo entre a ação, o suspense, a emoção e o humor.

Enfim, este texto para por aqui, sem responder a perguntas como "é melhor que os outros?" ou "é melhor que Os Vingadores?", simplesmente porque Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge não é um filme isolado, mas um desfecho honestíssimo para uma trilogia. Já a segunda pergunta vai juntar-se às clássicas "Beatles ou Rolling Stones?", "Star Wars ou Star Trek?" no hall dos grandes debates da humanidade como um subcapítulo do grande questionamento-mãe: "Marvel ou DC Comics?".

Vídeo-comentário sobre o filme:

5 PERGUNTAS SEM SPOILERS

5 PERGUNTAS COM SPOILERS

A crítica completa sai na próxima semana aqui no Omelete. Enquanto isso, fique com nossa visita ao set e entrevistas com o elenco no especial Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge, que estreia em 27 de julho.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.