Angelique Cabral e Constance Marie em entrevista sobre Undone

Créditos da imagem: Amazon Prime Video/Divulgação

Séries e TV

Entrevista

Undone usa representatividade para enriquecer história na 2ª temporada

Angelique Cabral e Constance Marie ganham maior destaque no novo ano da série da Amazon

Omelete
4 min de leitura
Eduardo Pereira
28.04.2022, às 18H31
ATUALIZADA EM 03.05.2022, ÀS 22H22
ATUALIZADA EM 03.05.2022, ÀS 22H22

De maneira geral, Undone é uma série focada na dinâmica familiar de três mulheres latinas com ascendência nativa americana e a memória do patriarca branco que as deixou prematuramente. Elegendo como protagonista a filha mais velha, Alma (Rosa Salazar), a primeira temporada coloca uma deficiente auditiva como heroína de uma história surrealista sobre viagem no tempo, investigação criminal e saúde mental. Diversidade e representatividade, logo, são inerentes à produção, mas a série do Amazon Prime Video nunca versa especificamente sobre isso. Engajados em uma trama envolvente e repleta de temas universais, personagens que refletem a realidade de diversas minorias dos Estados Unidos têm espaço para crescer e aparecer em toda sua complexidade humana.

De acordo com as atrizes Angelique Cabral e Constance Marie, o segundo ano da série de Kate PurdyRaphael Bob-Waksberg (da excelente BoJack Horseman) só expande essa instrumentalização da representatividade como artifício de realce dramático. Falando ao Omelete sobre a participação de suas personagens na nova temporada, que chega nesta sexta-feira (29) à plataforma de streaming, as intérpretes de Becca Winograd-Diaz e Camila Diaz celebraram não só a possibilidade de protagonizarem uma série de ficção científica enquanto artistas latinas e mulheres, mas como isso ganha peso de forma orgânica na continuação da história.

"Me sinto muito sortuda e fico muito orgulhosa em relação à Amazon por fazerem uma série como esta, porque representatividade definitivamente importa", afirmou Cabral. "E nós não somos personagens pasteurizadas, nem típicas de qualquer forma possível. Não é sobre isso. É sobre nosso relacionamento enquanto mães e filhas, certo? Sobre nossa humanidade, e é muito especial nesse sentido"

"Esse segundo ano é menos sobre resolver um crime. É mais sobre a nossa própria história individual e o exame mental ou físico que podemos fazer com nós mesmos, que podemos manifestar", adicionou Marie. "Eu eu me sinto muito abençoada que podemos ter essa representatividade feminina e latina. É incrível. Mas não só isso: as histórias são muito ricas e vão até nossa ancestralidade e tudo aquilo que nos faz mulheres modernas e complexas".

Situada na cidade texana de San Antonio, no Texas, Undone devolve às narrativas ficcionais que se passam na região o protagonismo latino, remontando à origem do município enquanto território tomado do México. "Normalmente, quando você pensa sobre o Texas, não pensa sobre pessoas não brancas, o que é uma loucura porque o Texas e San Antonio já foram parte do México. Então, é incrível a sensação de corrigir esse grande erro também com o aspecto do empoderamento feminino e a riqueza narrativa dos personagens", observou Marie.

Cabral, que na primeira temporada atuou mais como voz da razão de Alma, conforme a personagem de Salazar se desprendia da realidade e entendia ser capaz de viajar pelo tempo, aproveitou para comemorar uma das grandes mudanças do novo ano: o fato de que, agora, Becca também será capaz de desafiar o tempo-espaço como faz sua irmã mais velha, Alma. "Eu fiquei um tanto quanto surpresa, honestamente, porque na primeira temporada, a Becca é tão direta e não tão envolvida nesse aspecto de Alma, além de estar tentando consertá-la, então eu acho irônico", afirmou.

Cena de Undone, do Amazon Prime Video
Amazon Prime Video/Divulgação

"Mas você também pega essa ideia de que a Becca teve esse poder por muito tempo, embora não tenha realmente falado sobre ele, então eu acho que isso expõe como família, linhagem e trauma geracional se apresenta", adicionou a atriz. "Mesmo que você não queira, e mesmo que se coloque em uma caixinha, ele está ali, certo? Então a negação não funciona, e ela vem tentando negar há tanto tempo". Segundo Cabral, isso permite que a dinâmica entre as irmãs no novo ano espelhe de forma divertida aquela que Alma tinha com seu pai (vivido por Bob Odenkirk), na temporada original.

Já Marie exaltou a decisão de Purdy e Bob-Waksberg em mergulhar mais a fundo no passado de Camila. Muitas vezes enquadrada como uma antagonista, no primeiro ano da série, a matriarca dos Winograd-Diaz está no centro de muitas das descobertas da nova temporada, o que a permite crescer enquanto personagem. "Eu fiquei tão feliz por podermos ir a fundo na estrada psicológica da história de Camila e por mostrar a todos que, atrás de toda pessoa durona que você conhece, provavelmente há alguém que levou muitas pancadas da vida", disse. 

Se colocando pessoalmente nos lugares de Alma e, agora, Becca, tanto Cabral quanto Marie ainda revelaram quais momentos de suas respectivas histórias gostariam de visitar, caso descobrissem poder viajar no tempo como Undone faz possível. "Eu voltaria para o tempo em que minha avó era uma garotinha, porque ela se foi quando eu tinha 17 e nós éramos muito próximas. Eu sinto que seríamos melhores amigas", disse Cabral. "Meu irmão é 44% nativo americano e eu estou em torno da mesma porcentagem, então eu adoraria voltar e ver quais eram as escolhas de sobreviviência dessa minha geração da família", escolheu Marie.

O Omelete agora tem um canal no Telegram! Participe para receber e debater as principais notícias da cultura pop (t.me/omelete).

Acompanhe a gente também no YouTube: no Omeleteve, com os principais assuntos da cultura pop; Hyperdrive, para as notícias mais quentes do universo geek; e Bentô Omelete, nosso canal de animes, mangás e cultura otaku.

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.